Menu
Busca Dom, 17 de janeiro de 2021
(67) 9.9928-2002
Brasíl e Mundo

Contas do setor público fecham março com déficit de R$ 23,6 bilhões

Dívida bruta subiu para 78,4% do PIB no mês passado

30 abril 2020 - 16h09Por Agência Brasil
 

Déficit primário no Brasil

A queda de receitas e o aumento de gastos provocados pela pandemia do novo coronavírus começam a impactar as contas públicas. Em março, governo federal, estados, municípios e estatais tiveram déficit primário de R$ 23,655 bilhões, divulgou hoje (30) o Banco Central (BC).

O resultado é pior que o déficit de R$ 18,629 bilhões registrado no mesmo mês do ano passado. primário representa o resultado negativo do setor público (União, estados, municípios e estatais) desconsiderando os juros da dívida pública. Apesar da piora no mês passado, o resultado foi melhor que o de março de 2018, quando o déficit tinha atingido R$ 25,135 bilhões.

No mês passado, o governo federal apresentou déficit primário (despesas maiores que receitas) de R$ 21,38 bilhões, os estados e os municípios registraram resultado negativo de R$ 2,68 bilhões. Na contramão dos demais entes, as empresas estatais tiveram superávit primário de R$ 405 milhões.

Principal responsável pelo agravamento do déficit, o governo federal viu a arrecadação em março registrar o pior resultado para o mês em dez anos. Isso ocorreu porque muitas empresas pediram a compensação de tributos, abatimento de impostos pagos a mais anteriormente, à Receita Federal.

Trimestre

O resultado de março fez as contas do setor público fechar o primeiro trimestre com superávit primário de R$ 11,72 bilhões, ainda refletindo o superávit elevado de janeiro. O resultado, no entanto, indica leve piora em relação ao mesmo período do ano passado, quando o setor público tinha apresentado superávit de R$ 13,337 bilhões.

Originalmente, o governo previa que o setor público encerraria o ano com déficit de R$ 118,9 bilhões. No entanto, a pandemia do novo coronavírus, que reduz a arrecadação e eleva os gastos públicos em ações de saúde e de pagamento a pessoas afetadas, agravará o rombo. Nesta quarta-feira (29), a Secretaria do Tesouro Nacional informou que, apenas no nível federal, o déficit primário deve encerrar o ano em torno de R$ 600 bilhões, o equivalente a 8% do Produto Interno Bruto (PIB).

Dívida bruta

Uma dos principais meios de comparação internacional para avaliar as finanças de um país, a dívida bruta do governo geral (DBGG) encerrou março em 78,4% do PIB, em torno de R$ 5,75 trilhões. Em fevereiro, o indicador estava em 76,5% do PIB (R$ 5,61 trilhões).

Depois de encerrar 2019 em 75,8% do PIB, com a primeira queda anual desde 2013, a DBGG deve encerrar o ano entre 85% e 90% do PIB, por causa da pandemia de covid-19. Isso porque, com a arrecadação comprometida, o governo terá de emitir títulos públicos para financiar os gastos com o enfrentamento à pandemia.

A dívida pública bruta é o principal parâmetro usado pelas agências de classificação de risco para avaliar a solvência das finanças de um país. Quanto mais alto o indicador, maior a desconfiança em relação à capacidade de um governo honrar os compromissos. No entanto, a elevação da dívida pública além do previsto em todos os países deve aliviar as pressões sobre o Brasil, à medida que se trata de um fenômeno global.

Edição: Aline Leal

violência contra a mulher 2

Deixe seu Comentário

Leia Também

Campo Grande
Trad faz do transporte coletivo um sacrifício para usuarios
Enem
Provas do Exame Nacional do Ensino Médio começam neste domingo
Esporte
Grêmio arranca empate com Palmeiras na abertura da 30ª rodada
EUA
Nos últimos dias de Trump: assessores lutam para conter um presidente isolado e furioso
Cuidado
Janeiro Branco e os cuidados com saúde emocional em meio a uma pandemia
MS
CNH vencida em janeiro do ano passado, precisa ser renovada até este mês
Tempo
MS tem sábado de céu encoberto com temperatura máxima de 30°C
Oportunidade
Edição extra do Diário Oficial traz editais do processo seletivo para contratação de médico plantonista
USA
À medida que a inauguração se aproxima, o escrutínio da aplicação da lei leva extremistas dos EUA para os cantos escuros da internet
Bonitão do PCC
Após pedido do MPF, Bonitão do PCC é removido para Presídio Federal