Menu
Busca Qua, 22 de setembro de 2021
(67) 9.9928-2002
Economia

Emprego, lei de falências e melhoria de políticas sociais são desafios no pós-crise, diz Sachsida

04 maio 2020 - 17h39Por Plantão de Notícias

BRASÍLIA (Reuters) - O secretário de Política Econômica do Ministério da Economia, Adolfo Sachsida, avaliou nesta segunda-feira que a prioridade número um para retomada no pós-crise será olhar “com muito cuidado” o mercado de trabalho, já que a crise com o coronavírus fará o desemprego chegar a nível “muito alto”.

 
 
São Paulo 25/4/2020 REUTERS/Amanda Perobelli

Ao participar de live promovida pela Eleven Financial, Sachsida também pontuou que outras duas prioridades, na sua visão, serão uma lei de falências mais eficiente, que desloque o capital mais rapidamente entre setores, e uma melhoria no desenho de políticas sociais.

“Tem muita política social no Brasil que beneficia quem não precisa beneficiar. E aí a pessoa que é pobre e precisa não recebe o benefício”, afirmou ele, fazendo apelo por uma ampla revisão de “benefício a benefício”.

Segundo Sachsida, isso possibilitará que governo tenha mais recursos para direcionar ao Bolsa Família.

PUBLICIDADE

O secretário também disse ser a favor de uma abertura comercial e afirmou que a forte alta do dólar frente ao real abre uma janela de oportunidade para tanto, já que favorece a indústria, tornando os produtos brasileiros mais competitivos lá fora.

Sobre o tema, Sachsida frisou que a abertura da economia também barateia a compra de insumos, o que dinamiza empregos. Por outro lado, ponderou que essa frente de trabalho não é urgente como as demais.

“A gente tem que sempre ser muito honesto nas prioridades. E o número de brigas que você consegue comprar não é infinito. Você tem uma sequência para fazer as coisas”, admitiu.

Sachsida reforçou que será fundamental haver rede de proteção social mais ampla, uma vez que a crise por causa da paralisação da atividade para refrear o contágio por coronavírus é forte e vai deixar marcas.

 

PERDA POR SEMANA

Na semana que vem, o governo irá divulgar um cálculo dos custos por semana dessa interrupção na economia. Quanto mais longo for esse tempo, maior será o número de falências, o que vai gerar lentidão na retomada econômica, disse Sachsida.

Ele afirmou que as medidas tomadas pelo governo garantem amparo para quatro meses de crise. Caso esse período seja extrapolado, um novo conjunto de ações será necessário, reconheceu.

Reuters

Deixe seu Comentário

Leia Também

Brasília
CPI termina com sessão em briga, agressão verbal entre senadores e Ministro da CGU.
CPI no Senado Federal
A diferença de pensamento entre os Ministros do STF, Carmen, Nunes Marques e Rosa Weber.
Ministros divergem sobre obrigação de convocados à CPI da Covid
Justiça
Cármen Lúcia determina que CPI da Covid mantenha sigilo sobre dados de Ricardo Barros
Apenas o presidente da comissão, senador Omar Aziz, pode ter acesso aos dados do líder do governo na Câmara. Outros senadores membros da comissão terão acesso via requerimento
Policia Federal
Inquérito apura fraude na venda de medicamentos para o Ministério da Saúde entre 2016 e 2018; agentes também cumprem mandados na Precisa e na Global
PF investiga gestão Ricardo Barros e faz buscas em endereços de Max e secretário ligado a Ciro Nogueira
Paraná
PF desarticula quadrilha especializada em defensivos agrícolas ilegais
ONU
Presidente faz discurso na Assembleia Geral das Nações Unidas
Abertura do evento é feita tradicionalmente pelo presidente do Brasil
Brasília
Senador quer convocar filho de Bolsonaro após provocação à CPI
Mato Grosso do Sul
Inverno se despede com temperaturas acima dos 40°C e umidade do ar em níveis críticos
Política
Transferência de pagamento de perícias médicas aos segurados do INSS é criticada em debare do Senado Federal.
Política
Deputados cassados por corrupção recebem aposentadoria de até R$ 23,3 mil pela Câmara