Menu
Busca Sáb, 16 de janeiro de 2021
(67) 9.9928-2002
ECONOMIA

Formados, trabalhando e sem renda: são 267 mil em MS nessa situação

Por Carol Assis
As pessoas mais preparadas para o mercado de trabalho foram as que mais engrossaram a parcela dos que exercem algum tipo de atividade não remunerada em Mato Grosso do Sul. No total havia, no ano passado, 1,93 milhão de sul-mato-grossenses com 14 anos ou mais que se dedicavam, exclusiva ou parcialmente, a algum trabalho sem renda. São quase cem mil a mais, número fomentado, sobretudo, pelos que têm curso superior.

Os dados são da PNADC (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio Contínua), do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), que considera outras formas de trabalho (sem remuneração) os afazeres domésticos, a produção para o próprio consumo, cuidado de pessoas e atividade voluntária.

Em Mato Grosso do Sul, 1,832 milhão reservaram parte ou todo o dia para algum desses trabalhos em 2016. No ano seguinte, esse universo cresceu em 99.398 pessoas. Por nível de instrução, os que têm curso superior completo apresentaram a alta relativa mais acentuada, de 23,77%: eram 215.935 em 2016 e 267.277 em 2017 exercendo alguma atividade não remunerada.

As demais variações foram as seguintes: ensino médio completo e superior incompleto (9,75%, de 511.144 para 561.018), fundamental completo e médio incompleto (7,36%, de 323.222 para 347.016) e sem instrução e fudamental incompleto (-3,27%, de 782.315 para 756.703). 
Nos últimos anos, os programas  maximizaram o ingresso no ensino superior, nota o economista. Com o avanço do desemprego, parte desse número crescente de diplomados também saiu do mercado formal. Ou ficaram sem trabalho ou se tornaram autônomos. Em todo o caso, passaram a ter mais tempo para outras atividades, observa.

Essa jornada de trabalho mais flexível tende a se intensificar com as mudanças nas regras trabalhistas, conforme acrescenta Daniel Amorin. Na nova legislação, há a modalidade do trabalho intermitente, com remuneração por hora.

Outra mudança é na organização das famílias, segundo nota o economista. Os jovens estão ficando por mais tempo em casa. Assim, passam a exercer mais os afazeres domésticos ou até mesmo a cuidar dos pais, que vão ficando idosos, afirma.

Ele acredita, ainda, que há interesse maior das pessoas por trabalhos voluntários por segmentos. Por exemplo, há os que gostam de bichos e aderem a alguma entidade, fazendo atividade voluntária em defesa dos animais, exemplifica.
Análise - Desemprego, aumento da informalidade ou da atividade como autônomo, maior acesso ao ensino superior e mudanças nas regras trabalhistas e na organização das famílias, são algumas hipóteses listadas pelo economista Daniel Amorin, da empresa de consultoria Datasight, para o crescimento do número de pessoas formadas em atividades não remuneradas.
violência contra a mulher

Deixe seu Comentário

Leia Também

Oportunidade
Edição extra do Diário Oficial traz editais do processo seletivo para contratação de médico plantonista
USA
À medida que a inauguração se aproxima, o escrutínio da aplicação da lei leva extremistas dos EUA para os cantos escuros da internet
Bonitão do PCC
Após pedido do MPF, Bonitão do PCC é removido para Presídio Federal
Campo Grande
Fiat Uno cai no córrego na Ernesto Geisel esquina com Manoel da Costa Lima
Brasíl
Covid-19: Brasil tem 8,39 milhões de casos e 208,1 mil mortes
Oportunidade
Eldorado Brasil abre 800 vagas de emprego em três unidades de MS
Colapso
Manaus vai transferir 235 pacientes com covid-19 para oito estados
Covid 19
São Paulo retorna a fases mais restritivas de plano contra a covid-19
Covid 19 em MS
MS chega à metade de janeiro com 272 mortes por Covid-19
Sangue
Com estoque em 14%, Hemosul convoca doadores de O- e outras tipagens sanguíneas