Menu
Busca Sex, 18 de setembro de 2020
(67) 9.9928-2002
ECONOMIA

Formados, trabalhando e sem renda: são 267 mil em MS nessa situação

Por Carol Assis
As pessoas mais preparadas para o mercado de trabalho foram as que mais engrossaram a parcela dos que exercem algum tipo de atividade não remunerada em Mato Grosso do Sul. No total havia, no ano passado, 1,93 milhão de sul-mato-grossenses com 14 anos ou mais que se dedicavam, exclusiva ou parcialmente, a algum trabalho sem renda. São quase cem mil a mais, número fomentado, sobretudo, pelos que têm curso superior.

Os dados são da PNADC (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio Contínua), do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), que considera outras formas de trabalho (sem remuneração) os afazeres domésticos, a produção para o próprio consumo, cuidado de pessoas e atividade voluntária.

Em Mato Grosso do Sul, 1,832 milhão reservaram parte ou todo o dia para algum desses trabalhos em 2016. No ano seguinte, esse universo cresceu em 99.398 pessoas. Por nível de instrução, os que têm curso superior completo apresentaram a alta relativa mais acentuada, de 23,77%: eram 215.935 em 2016 e 267.277 em 2017 exercendo alguma atividade não remunerada.

As demais variações foram as seguintes: ensino médio completo e superior incompleto (9,75%, de 511.144 para 561.018), fundamental completo e médio incompleto (7,36%, de 323.222 para 347.016) e sem instrução e fudamental incompleto (-3,27%, de 782.315 para 756.703). 
Nos últimos anos, os programas  maximizaram o ingresso no ensino superior, nota o economista. Com o avanço do desemprego, parte desse número crescente de diplomados também saiu do mercado formal. Ou ficaram sem trabalho ou se tornaram autônomos. Em todo o caso, passaram a ter mais tempo para outras atividades, observa.

Essa jornada de trabalho mais flexível tende a se intensificar com as mudanças nas regras trabalhistas, conforme acrescenta Daniel Amorin. Na nova legislação, há a modalidade do trabalho intermitente, com remuneração por hora.

Outra mudança é na organização das famílias, segundo nota o economista. Os jovens estão ficando por mais tempo em casa. Assim, passam a exercer mais os afazeres domésticos ou até mesmo a cuidar dos pais, que vão ficando idosos, afirma.

Ele acredita, ainda, que há interesse maior das pessoas por trabalhos voluntários por segmentos. Por exemplo, há os que gostam de bichos e aderem a alguma entidade, fazendo atividade voluntária em defesa dos animais, exemplifica.
Análise - Desemprego, aumento da informalidade ou da atividade como autônomo, maior acesso ao ensino superior e mudanças nas regras trabalhistas e na organização das famílias, são algumas hipóteses listadas pelo economista Daniel Amorin, da empresa de consultoria Datasight, para o crescimento do número de pessoas formadas em atividades não remuneradas.
RACISMO NÃO!

Deixe seu Comentário

Leia Também

Brasil
Brasil acumula 4,4 milhões de casos e 135 mil mortes por covid-19
Meio Ambiente
Nuvem de fumaça provocada por queimadas no Pantanal chega ao céu de São Paulo
Brasil
Fumaça do Pantanal faz avião de Bolsonaro arremeter em MT
Três Lagoas
Fogo destrói vegetação, floresta de eucalipto e interdita rodovia em MS
Brasil
Tite convoca a Seleção Brasileira para a estreia nas Eliminatórias
Geral
Do outro lado do balcão De ex-juiz Federal a ex-ministro da Justiça, agora Sergio Moro é o mais "jovem" advogado do Brasil.
Saúde
Uma de 7 infecções de Covid-19 relatadas ocorre em profissionais de saúde, diz OMS
Brasíl
Marco Aurélio suspende inquérito que apura suposta interferência na PF
Brasíl
829 mortos por Covid 19 e 36.330 novos casos de contaminados
STF
COVID NOS PRESÍDIOS Fux renova Recomendação 62 por 6 meses e restringe alcance