Menu
Busca Sex, 30 de julho de 2021
(67) 9.9928-2002

Reforma da Previdência de Guedes pode manter faixa de transição de 20 anos

09 janeiro 2019 - 07h45

O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou nesta terça-feira (8) que a reforma da Previdência estudada por sua equipe pode manter o período de transição de 20 anos proposto na PEC (Proposta de Emenda Constitucional) enviada ao Congresso pelo governo Michel Temer.

Em conversa com jornalistas após reunião com o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, Guedes falou sobre a faixa de transição. "A proposta que existia antes previa transição de 20 anos. Nós estamos fazendo algo da mesma profundidade, embora eu ache que o sistema de capitalização que nós estamos desenhando é algo bastante mais robusto", disse.

O sistema de capitalização prevê que cada trabalhador poupe individualmente para sua aposentadoria no futuro. No sistema de hoje, os trabalhadores da ativa sustentam a aposentadoria dos mais velhos. "[A capitalização] é mais difícil, o custo de transição é alto, mas nós estamos trabalhando para as futuras gerações", afirmou Guedes.

Questionado se o o modelo de capitalização deve ser incluído na proposta que o governo pretende enviar ao Congresso neste ano, o ministro da Economia respondeu que sim. "Está tudo junto. Palavra 'fatiada' nesse aspecto [enviar primeiro uma reforma da Previdência atual e só depois uma proposta de capitalização] não." 

 

Nova reforma só daqui a 20 ou 30 anos, diz Lorenzoni

Ao lado de Guedes, o ministro Onyx Lorenzoni afirmou que o objetivo da reforma da Previdência em estudo é que ela dure por 20 anos ou mais. "Olhar do ministro Paulo Guedes e sua equipe é de resolver o problema de hoje, mas olhar também para o longo prazo. Nós queremos que a sociedade brasileira só volte a falar de reforma da Previdência daqui 20 ou 30 anos, ou seja, é com olhar de longo prazo, fraterno e humano que nós vamos trazer a proposta."

Lorenzoni também disse que a equipe econômica tem feito simulações para chegar a uma proposta de reforma que dê tranquilidade ao governo e ao Congresso. "A proposta só será conhecida após as simulações que o ministro Paulo Guedes está fazendo e a decisão do presidente Jair Bolsonaro", declarou. Com informações Uol.

violência contra a mulher

Deixe seu Comentário

Leia Também

Mato Grosso do Sul
Inscrições prorrogadas para a segunda edição do Prêmio Inova
Oportunidade
Estão abertas as inscrições para curso de idiomas na UEMS
Brasília
PP não vai aceitar filiação de Bolsonaro
Dourados
Agesul retira mais de 800 toneladas de lixo das margens da MS-156 em Dourados
Interior
SubsRacial leva Campanha Julho das Pretas a Rochedo, com temas de saúde e educação
Mato Grosso do Sul
Temperaturas voltam a subir e ar seco segue predominando nesta quarta-feira
Mato Grosso do Sul
Governo investe R$ 5,8 milhões na pavimentação da MS-455, criando novo acesso a Capão Seco
Interior
Corpo de Bombeiros monitora incêndios com imagens de satélite e amplia fiscalização em áreas de focos
Campo Grande
Até quando a massa de ar frio polar vai atuar em Mato Grosso do Sul?
Esportes
Hoje é Dia: nota 10 de Comaneci e Dia do Futebol marcam semana