Menu
Busca Ter, 25 de janeiro de 2022
(67) 9.9928-2002
Brasília

Senado aprova PEC dos Precatórios, que viabiliza Auxílio Brasil; texto volta para a Câmara

Texto limita pagamento anual das dívidas da União e muda período de inflação para cálculo do teto de gastos. Governo estima que projeto abrirá R$ 106 bilhões no orçamento.

02 dezembro 2021 - 15h09Por G1/DF

Senado aprovou nesta quinta-feira (2) a proposta de emenda à Constituição conhecida como PEC dos Precatórios, principal aposta do governo para bancar o programa social Auxílio Brasil.

A expectativa do governo é que o projeto deve abrir espaço superior a R$ 106 bilhões no orçamento. É uma parte desses recursos que será usada para bancar o Auxílio Brasil, substituto do Bolsa Família. 

O texto já havia sido aprovado pela Câmara. Entretanto, como sofreu alterações na tramitação pelo Senado, a PEC voltará a ser analisada pelos deputados.

Precatórios são dívidas da União reconhecidas pela Justiça. A PEC limita o pagamento anual dessas dívidas, ou seja, permite ao governo reduzir o valor que terá que desembolsar nos próximos anos para cumprir essas decisões judiciais.

O dinheiro que deixará de ser usado para pagar precatórios, portanto, será usado pelo governo para financiar o pagamento do Auxílio Brasil. 

Teto de gastos

 

Outra mudança feita pela PEC é no período para o cálculo de inflação a ser considerada para o reajuste do teto de gastos, regra que limita o crescimento das despesas do governo.

Com a mudança, será maior o índice de inflação a ser considerado para o reajuste do teto em 2022. Isso também permite ampliar o limite de gasto do governo no ano que vem

No mesmo dia da aprovação na CCJ, o ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou que a PEC dos Precatórios é a opção "menos ruim" para o Brasil no momento.

Também na terça, o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, declarou que a solução encontrada pelo governo para bancar o Auxílio Brasil cobrou um preço "muito grande" em termos de credibilidade

Os três senadores pelo MS votaram a favor da PEC dos precatórios. Simone (MDB), Nelsinho (PSD) e Soraya (PSL). 

Cálculo da Instituição Fiscal Independente, vinculada ao Senado, afirma que a PEC dos Precatórios pode gerar uma "bola de neve" de R$ 850 bilhões em precatórios não pagos até 2026.

 

Articulação para aprovar PEC

 

A proposta foi aprovada pela Câmara em 9 de novembro. Desde então, foi alvo de diversas discussões no Senado. 

Relator da PEC, o senador Fernando Bezerra (MDB-PE) teve uma série de reuniões com senadores da base e da oposição em busca de um consenso e, até a véspera da votação, apresentou diversas versões sobre o texto.

O principal ponto acordado foi a vinculação de todo o espaço fiscal aberto com a PEC para fins sociais, como:

 

  • financiamento do programa social;
  • saúde;
  • Previdência;
  • assistência social.

 

Durante as discussões da PEC, o presidente Jair Bolsonaro chegou a dizer que parte dos recursos seria utilizada para o reajuste salarial de servidores públicos. Também chegou a aventar um auxílio para caminhoneiros.

O eventual uso do dinheiro dessa forma foi alvo de críticas de diversos senadores, que viam o limite do pagamento das dívidas da União sendo utilizado como "cheque em branco" pelo governo em 2022, ano eleitoral. 

A PEC foi aprovada com amplo apoio no Senado, inclusive de partidos da oposição. No primeiro turno, o texto foi aprovado por 64 votos a 13. No segundo turno, por 61 votos a 10.

 

Auxílio Brasil permanente

 

Atendendo a uma exigência de diversos senadores, Bezerra incluiu na PEC a previsão de a Constituição especificar que "a redução da vulnerabilidade socioeconômica de famílias em situação de pobreza ou extrema pobreza" deve ser objetivo da assistência social prestada a quem dela necessitar.

De acordo com o relator, essa medida dará caráter permanente ao Auxílio Brasil.

A definição de que o Auxílio Brasil não seria transitório foi uma exigência de senadores durante as negociações de Bezerra para aprovação da PEC. Os parlamentares apontavam a possibilidade de o programa ter fins eleitoreiros e durar somente até 2022.

Além disso, a pedido da oposição, a PEC prevê incluir na Constituição que "todo brasileiro em situação de vulnerabilidade social terá direito a uma renda básica familiar, garantida pelo poder público em programa permanente de transferência de renda".

Nesta quinta, o relator também acrescentou a previsão de que até o final de 2026 o espaço fiscal decorrente da limitação do pagamento de precatórios será usado no programa social e em seguridade social. 

Outras mudanças

 

Nesta quinta, Bezerra anunciou a diminuição do período em que o limite aos pagamentos dos precatórios vai vigorar.

O texto aprovado pela Câmara previa que a regra valeria até 2036. Pelo texto aprovado pelo Senado, a data limite caiu para 2026.

A mudança ocorreu após pressão de parlamentares, que apontavam o risco de criação de uma "bola de neve" de dívida formada pelos precatórios cujo pagamento seja adiado.

Na semana passada, o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, afirmou que a solução encontrada pelo governo federal para bancar o Auxílio Brasil cobrou um preço "muito grande" em termos de credibilidade.

De acordo com o relator, haverá tempo suficiente para governo "melhor acompanhar o processo de apuração e formação dos precatórios e seus riscos fiscais, mas sem criar um passivo de ainda mais difícil execução orçamentária".

Outra mudança confirmada por Bezerra no relatório é que precatórios referentes ao Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental (Fundef) estarão fora do teto de gastos. A medida, segundo ele, abre espaço para o pagamento de precatórios alimentícios.

O relator também definiu os percentuais de pagamento dos precatórios referentes Fundef. O texto prevê um cronograma para o pagamento de três parcelas anuais, com o pagamento de: 

  • 40% até 30 de abril de 2022;
  • 30% até 31 de agosto de 2023;
  • 30% até 31 de dezembro de 2024.

 

Há, também, a previsão de que as receitas devem ser aplicadas "na manutenção e desenvolvimento do ensino fundamental público e na valorização do magistério".

 

Comissão mista

 

Bezerra também incluiu no relatório a criação de uma comissão mista no Congresso, composta por deputados e senadores, para fazer uma análise sobre o pagamento dos precatórios em um prazo de um ano.

O colegiado contará com a cooperação do Conselho Nacional de Justiça e com o apoio do Tribunal de Contas da União (TCU) e terá, entre as atribuições, apurar o desempenho dos órgãos do Executivo responsáveis pela representação judicial e pelo acompanhamento dos riscos fiscais decorrentes das ações judiciais em curso.

As conclusões da comissão devem ser encaminhadas aos presidentes do Supremo Tribunal Federal e do Superior Tribunal de Justiça. 

 

vacina sim

Deixe seu Comentário

Leia Também

Saúde
Número de mortos pela covid-19 no Brasil passa de 620 mil
Arma
Ameaça à paz mundial
Brasília
Agência Brasil explica como tirar e renovar a CNH
Covid 19
País tem 24.382 novos casos de covid-19 e 44 mortes em 24 horas
Meteorologia
Mato Grosso do Sul segue com tempo instável no final de semana
Economia
IGP-DI fecha 2021 com inflação acumulada de 17,74%
Saúde
Ministério da Saúde prorroga Programa Mais Médicos por um ano
Geral
Bolsonaro deixa hospital e ataca Ivete Sangalo após coro em show
Covid
Covid-19: Brasil registrou 22,35 milhões de casos e 619,5 mil óbitos
Saúde
Consulta pública rejeita prescrição médica para vacinar crianças