Menu
Busca Qua, 03 de março de 2021
(67) 9.9928-2002
Rural

Senadora Ana Amélia aborda agronegócio e Congresso Nacional no Fórum Rural Brasileiro

06 abril 2018 - 09h54Por Alcides Bernal
Locomotiva da economia brasileira, o agronegócio ganha, ano após ano, mais força e esse protagonismo pode ser creditado, em parte, ao trabalho realizado pelos deputados federais e senadores ligados à Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA). Para falar sobre a representatividade do agronegócio brasileiro no Congresso Nacional, a senadora Ana Amélia de Lemos (PP/RS) fará uma palestra no ?1º Fórum Rural Brasileiro - Riscos e Oportunidades para o Futuro do Campo?, que a Acrissul (Associação dos Criadores de Mato Grosso do Sul) e a Embrapa vão realizar nesta sexta-feira (6/4), das 8 às 17 horas, no Parque de Exposições Laucídio Coelho, durante a 80ª Expogrande.

 
A senadora Ana Amélia, que é uma das integrantes da FPA e da Comissão de Agricultura e Reforma Agrária do Senado Federal, teve aprovado, no ano passado, o relatório do Plano Nacional de Avaliação de Pesquisa Agropecuária. ?Pretendo abordar junto aos representantes do setor agropecuário de Mato Grosso do Sul o peso do agronegócio na economia e a relevância da tecnologia no aumento da competitividade. Também pretendo mencionar o aumento da criminalidade na área rural e a atuação política que a FPA tem protagonizado no parlamento em favor da pauta agropecuária?, declara.
 
Ela destaca que o investimento em pesquisa e inovação foi um dos principais fatores responsáveis pelos ganhos de produtividade alcançados pela agropecuária nacional nas últimas décadas. ?Tradicionalmente, recursos públicos foram imprescindíveis para o desenvolvimento desse processo no âmbito da academia, da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária [Embrapa] e das demais instituições que compõem o Sistema Nacional de Pesquisa Agropecuária [SNPA]?, diz Ana Amélia.
 
O relatório, elaborado a partir de quatro audiências públicas realizadas no segundo semestre de 2017 pela CRA, destaca, contudo, a necessidade de reestruturação sistema de pesquisa brasileiro visando eliminar a elevada burocracia e renovar o marco legal desatualizado. Para a modernização do sistema, Ana Amélia recomenda, entre outras providências, a criação de mecanismos eficientes de financiamento como, por exemplo, parcerias público-privadas; a criação do um Centro para o Desenvolvimento da Inovação Agropecuária, que atuaria como órgão independente e tendo o papel de coordenação; e a inversão da lógica predominantemente hierárquica e vertical do SNPA para uma lógica predominantemente horizontal e colaborativa.
 
O relatório propõe ainda a apresentação de requerimentos de audiências públicas para convite ao presidente da Embrapa e demais instituições ouvidas pela CRA ao longo da avaliação a fim de debater, no próximo ano, o teor das sugestões do colegiado. Outros encaminhamentos sugerem a criação de um grupo de trabalho para a reformulação do sistema de pesquisa agropecuária no Brasil e a continuidade do acompanhamento da política pública de pesquisa agropecuária.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Tempo e temperatura
Restante da semana terá aumento de nebulosidade e mudanças no tempo
Pandemia
Brasil registra 1.726 mortes pela COVID em 24 horas e volta a bater recorde
País enfrenta o pico da crise causada pelo novo coronavírus, com colapso na saúde em vários estados
Congresso Nacional Brasileiro
Covid-19: Câmara e Senado aprovam projeto para compra de vacinas por estados
Judiciário
Ministro do STJ anuncia aposentadoria durante sessão
Brasíl
STF rejeita denúncia contra parlamentares do PP
Interior
Em breve, população de Amambai poderá contar com a universalização da coleta e o tratamento do esgoto
Novo Coronavirus
Com mais 20 mortes, MS já perdeu 3.350 para a Covid-19
MS
Agepan publica Portaria que institui Termo de Ajustamento de Conduta no transporte rodoviário
Covid 19
MS tem mais de 183 mil casos confirmados e 3,3 mil mortes
Reação contra deputados
"A covardia dos deputados estaduais é bizarra, multar quem tomar ou aplicar a vacina? A vida e saúde é direito constitucional e dever do estado", disse Alcides Bernal (PP).