Menu
Busca Sáb, 06 de março de 2021
(67) 9.9928-2002
HOJE NA HISTÓRIA

Nasce o humorista Renato Aragão, o eterno Didi Mocó de Os Trapalhões

Eu sou o cara mais mal-humorado do mundo. Sou tímido, chato e ranzinza. Não gosto que me achem engraçado na rua. As pessoas olham para mim, começam a rir e eu fico furioso. Renato Aragão

13 janeiro 2019 - 10h00

O humorista Renato Aragão, consagrado como o eterno Didi Mocó, de Os Trapalhões, nasceu no dia 13 de janeiro de 1935, em Sobral (CE). Além de humorista, Renato Aragão também é diretor, produtor, dublador, escritor, apresentador, cantor e historiador. Antes de se tornar famoso, formou-se em Direito, pela Universidade Federal do Ceará em 1961.

O início de sua carreira artística aconteceu aos 24 anos, quando venceu um concurso para trabalhar na TV Ceará. Pouco tempo depois, estava trabalhando como ator. Em 1964, mudou-se para o Rio de Janeiro e entrou para a TV Tupi, em São Paulo, para trabalhar no humorístico “A E I O URCA”. Dois anos depois, foi para a TV Excelsior, onde criou seu próprio programa “Os Adoráveis Trapalhões”, que também contava com Wanderley Cardoso, Ivon Cury e Ted Boy Marino.

Após idas e vindas entre outros programas humorísticos, Renato nunca esqueceu seu projeto e, em 1974, já de volta à Tupi, fez a estreia de Os Trapalhões, ao lado de Dedé Santana, Mussum e Zacarias. Era o início de uma jornada de sucesso, que mudaria a vida de todos os comediantes. Três anos depois, em 1977, o programa fazia sua estreia na Rede Globo, exibido antes do Fantástico, aos domingos. Os Trapalhões acabaria se tornando um fenômeno de popularidade e audiência no Brasil, figurando inclusive no Guinness Book - o livro dos recordes - como o humorístico de maior duração da televisão, com 30 anos de exibição. O grupo também gravou vários filmes, alguns premiados internacionalmente, como Os Vagabundos Trapalhões e O Cangaceiro Trapalhão e Os Trapalhões e a Árvore da Juventude.

 

Sou uma pessoa séria, tímida. Quando menino, demorava mais de um ano para fazer um amiguinho. Renato Aragão

 

Com a morte dos seus companheiros de programa, Zacarias (1990) e Mussum (1994), Renato Aragão decidiu ficar afastado da TV por um período. Em 1998, estreou um programa inédito, A Turma do Didi, com formato diferente, na Rede Globo.

Além do seu lado artístico, Renato Aragão também mostrou preocupação com seu papel social. Em 1991, tornou-se representante especial e embaixador da UNICEF pela infância brasileira e foi condecorado chanceler da Ordem do Rio Branco. O comediante também já mostrou seu caráter religioso em dois acontecimentos marcantes. Em 1991, escalou o Cristo Redentor, no Rio de Janeiro, para beijar a mão da estátua e, em 1999, fez uma caminhada de São Paulo a Aparecida, levando uma imagem de Nossa Senhora Aparecida, para pagar uma promessa feita à santa. Renato Aragão é casado com a esposa e fotógrafa Lílian Taranto, com quem teve uma filha, Lívian (nascida em 1999). Ele também é pai de outros quatro filhos do seu primeiro casamento (1957-1991), com Marta Rangel: Paulo (1960), Ricardo (1962), Renato Jr. (1968), e Juliana (1977).

 

"A primeira vez em que cantei no coro da igreja, metade dos fiéis mudou de religião".
- Renato Aragão

Deixe seu Comentário

Leia Também

Mortes por Coronavirus no Brasil
Brasil virou referência de bagunça de politicos, vírus, infeção, falta de estrutura e mortes.
Vacinação
Politicagem e desordem
Economia
Empresas do setor de turismo do MS já podem acessar as linhas de crédito do Fungetur
Campo Grande
Alerta em Campo Grande
Covid 19 em MS
Governo de MS culpa prefeitos por avanço do coronavírus e diz que decisão de lockdown cabe a municípios
Ao contrário de outros Estados, MS decretou apenas toque de recolher às 23h
Campo Grande
Moradores se revoltam contra Trad por sujeira e mato nos bairros da capital
Gestão Pública
Governo inicia mais uma etapa para tornar gestão mais eficiente e qualificar serviços
Esporte
Bolsa Atleta e Bolsa Técnico seguem com inscrições abertas até 12 de março
Digital
Detran Digital: Em um ano, número de CNHs emitidas pelo Portal Meu Detran cresce 45%
Evangélicos
Baixaria na igreja