Menu
Busca Sáb, 08 de agosto de 2020
(67) 9.9928-2002
Esporte

Incerteza sobre futuro em meio à pandemia afeta categorias de base

Suspensão de torneios coloca em dúvida ano para jovens do futebol

04 julho 2020 - 08h02Por Agência Brasil EBC

Após defender a equipe sub-20 do Esporte Clube São Bernardo, da Série A3 (terceira divisão) paulista, por duas temporadas, chegando até a ser relacionado no profissional, o atacante Robson Lima acertou, em março, para integrar o time júnior do Botafogo. Ter alcançado um clube grande e estar na idade limite (20 anos) das categorias de base prometiam um 2020 desafiador e decisivo. Contudo, a pandemia do novo coronavírus (covid-19) não estava nos planos.

Treinos presenciais interrompidos e torneios suspensos por tempo indeterminado, ao contrário do vínculo com o clube carioca, que vai até dezembro. “Fiquei duas semanas treinando, aí teve o primeiro jogo do Carioca [sub-20]. Depois ocorreu a pandemia e tudo foi cancelado”, afirma o atacante à Agência Brasil.

Como Robson, jovens em categorias de base de clubes do Brasil afora vivem a expectativa pelo retorno de treinos e jogos, o que significa ter outra vez a oportunidade de provarem que merecem ser aproveitados no time profissional e ter os vínculos renovados. A prioridade das federações e agremiações, no momento, é viabilizar a volta de equipes profissionais masculinas às atividades, ainda que de forma gradual, e, posteriormente, às competições.

Um impacto imediato da paralisação, em alguns clubes, foi o corte em vencimentos de atletas profissionais, incluindo os que estão na base. “Pode ser feita, como autorizado pela Medida Provisória 936, a redução de salário e jornada de trabalho, de forma proporcional, ou a suspensão do contrato de trabalho, mas sempre com a concordância do jogador mediante acordo, individual ou coletivo. Vemos que alguns times adotaram a redução de forma unilateral e isso é passível de questionamento futuro”, alerta à Agência Brasil o advogado Rafael Cobra, especialista em Direito Desportivo.

Cobra também destaca o caso de jogadores cujo contrato é de formação, que pode ser assinado dos 14 aos 20 anos e não gera vínculo empregatício. Segundo o advogado, um atleta nesta situação pode ser dispensado sem ônus ao clube, o que, para ele, coloca o jovem em posição delicada em meio às reestruturações causadas pela pandemia: “Se o time quiser rescindir o contrato de formação, ele não tem que pagar absolutamente nada ao atleta. Basta uma decisão unilateral do clube decidindo a dispensa, seja por motivo técnico ou outra razão, o que poderia incluir a ausência de competição”.

Sem previsão

No Rio de Janeiro, o Estadual sub-20 foi suspenso após a primeira rodada, em 14 de março, ainda sem previsão de reinício. À Agência Brasil, a assessoria de imprensa da Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro informou que “vai avaliando o cenário para, quando for possível, com responsabilidade e cuidado médico, organizar os campeonatos”.

news

Deixe seu Comentário

Leia Também

Brasíl e Mundo
STF manda soltar o poderoso
Brasíl
Covid 19 está matando no Brasil e no mundo
Brasíl
PGR recorre de decisão que impediu acesso a dados da Lava Jato
Meio Ambiente
Mourão defende avanços nos sistemas de monitoramento da Amazônia Para ele, também é preciso tratar do problema fundiário da região
Esporte
Vai Mercedes
Meio Ambiente
Prossegue combate a incêndio florestal na Serra dos Órgãos
Brasíl
Anac autoriza táxi-aéreo a vender assento individual Medida, em caráter emergencial, terá validade de dois anos
Bandido
Pistoleiro pede mais dinheiro para vítima e deixá-la em paz.
Campo Grande
Ameaça de demissão em massa do Transporte Público da capital
Brasíl e Mundo
OMS: recuperação econômica global pode ser mais rápida com vacina