Menu
Busca Qui, 23 de maio de 2019
(67) 9.9928-2002
ESPORTES

Professor de jiu-jítsu morto no Alemão dava aula para 90 jovens: 'Era referência na favela', diz mulher

16 maio 2019 - 07h00

O professor de jiu-jítsu Jean Rodrigo Aldrovande, de 39 anos, morto nesta terça-feira com um tiro na cabeça na frente da sede do projeto social onde dava aulas, no Complexo do Alemão,tinha 90 alunos na favela. Segundo sua mulher, a jornalista Andreia Rios, Jean era uma "referência para jovens e adolescentes do Alemão". Moradores e parentes acusam PMs pelo disparo na cabeça que matou o professor.

— Ele tirou muito jovem do crime. Era aquele tipo de pessoa que estimulava os alunos, conseguia quimono para quem não tinha. Era uma pessoa muito especial — afirmou Andreia Rios.

A trajetória de superação de Jean é conhecida na favela. Antes de ser professor, Samurai, como era conhecido no Alemão, foi morador de rua. Há sete anos, passou a dar aulas no projeto social Maneco Team, onde ganhava salário de R$ 900. No período da manhã, ele ajudava o pai num depósito de gás na Ilha do Governador. À tarde, ia diariamente para o Complexo do Alemão.

Andreia, mulher de professor de jiu-jítsu
Andreia, mulher de professor de jiu-jítsu Foto: Fábio Guimarães / Agência O Globo

— Ele chegou no projeto com nove alunos. Estava desacreditado, tinha sofrido um acidente e não conseguia se locomover direito. Dei a oportunidade e ele agarrou: não faltava um dia aos treinos — diz Emanuel de Souza, o Maneco, fundador do projeto social onde Jean trabalhava.

Além de dar aulas, o professor também competia. Em abril, ele foi ganhou medalha de bronze no torneio da Federação de Jiu-Jítsu Desportivo do Rio na categoria master 2 (de 36 a 40 anos) para praticantes com até 66 quilos. No sábado, ele iria para Volta Redonda disputar outra competição. Jean deixa quatro filhos.

Segundo moradores, Jean foi baleado ao sair de seu carro, um Fiat Palio branco, quando estacionou o veículo em frente ao projeto social. No momento em que o professor deixou o automóvel, com as chaves nas mãos, PMs teriam feito disparos em direção ao interior da favela. Um aluno, que estava próximo ao atleta, também foi atingido por disparo nas pernas e foi encaminhado ao Hospital estadual Getúlio Vargas.

O pai de Jean, Carlkos Alberto, ao lado do corpo do filho
O pai de Jean, Carlkos Alberto, ao lado do corpo do filho Foto: Fábio Guimarães / Agência O Globo


— Ele estava chegando para dar aula. Os policiais são muito despreparados. Foi baleado com um tiro de fuzil na cabeça quando estava com as mãos levantadas, dizendo que ela morador, trabalhador. Para mim, foi execução — disse Carlos Alberto Aldrovande, de 65 anos, pai de Jean.

Em nota, a PM não confirmou que policiais da UPP fizeram disparos na região no momento do crime e alegou que “o comando da Coordenadoria de Polícia Pacificadora (CPP) está apurando a dinâmica de como o fato ocorreu”. A Delegacia de Homicídios (DH) fez uma perícia no local e vai investigar o caso. Com informações, Extra.

Deixe seu Comentário

Leia Também

JUSTIÇA
STF: maioria vota a favor da criminalização da homofobia
Aéreas criticam volta de bagagem gratuita; Idec diz que decisão do Congresso é positiva para o consumidor
Proposta que prevê gratuidade para bagagem de até 23 kg em voos domésticos ainda depende de sanção do presidente da República, Jair Bolsonaro.
INTERIOR
Nova Estação de Tratamento de Esgoto em Dourados deve entrar em pré-operação em junho
AMIZADE FORTE
Para celebrar 30 anos de amizade, idosas fazem tatuagem de ‘copo de cerveja’
FAMOSOS!
Padre Fábio de Melo sofre mal súbito, é levado às pressas para hospital e momento é exposto em vídeo
EXPLORAÇÃO INFANTIL
Crianças em desfile para serem adotadas: o que pode acontecer com elas?
PM tentou atrapalhar investigações sobre o assassinato de Marielle, aponta relatório da PF
INTERIOR
Caçamba que saiu de São Paulo e seguia para Vicentina pega fogo na MS-395 e chamas se espalham pela vegetação
INTERIOR
Casal é investigado por golpes contra idosos que somam mais de R$ 500 mil em Itaquiraí
SAÚDE
Em apenas cinco meses de 2019, dengue já matou em MS quatro vezes mais do que em todo 2018