Menu
Busca Seg, 27 de janeiro de 2020
(67) 9.9928-2002

65ª fase da Lava Jato mira o ex-ministro Edison Lobão e seu filho

Investigações apuram uso de obras de arte para lavagem de dinheiro em fraudes na Transpetro e em Belo Monte; Márcio Lobão teve a prisão decretada

10 setembro 2019 - 08h45Por VEJA

A força-tarefa da operação Lava Jato deflagrou na manhã desta terça-feira 10 sua 65ª fase, denominada Galeria, para investigar corrupção e de lavagem de dinheiro relacionados à Transpetro, subsidiária da Petrobras, e à Usina Hidrelétrica de Belo Monte, no Pará. O filho do ex-senador e ex-ministro Edison Lobão (Minas e Energia), Márcio Lobão, teve a prisão preventiva decretada.

De acordo com o Ministério Público Federal, pelo menos entre 2008 e 2014, Lobão e seu filho solicitaram e receberam cerca de 50 milhões de reais em propinas dos grupos Estre e Odebrecht. As investigações apontam que os atos de lavagem se estendem até 2019. O MPF afirma ter identificado um aumento de mais de 30 milhões de reais no patrimônio de Márcio.

A investigação busca aprofundar possíveis operações de lavagem de dinheiro chefiadas pelo filho do ex-ministro. A suspeita é de que o os valores indevidos foram acumulados com a compra e venda de obras de arte em valores acima do mercado, simulação de operações de venda de imóvel e movimentação de valores milionários em contas abertas em nome de empresas offshore no exterior.

Cerca de 70 policiais federais e 18 auditores da receita federal cumprem 11 mandados de busca apreensão em endereços que incluem galerias de arte e relacionados a agentes financeiros que atuavam perante bancos.

Além dos crimes de corrupção relativos à participação da Odebrecht no contrato de construção da Usina de Belo Monte, já denunciada na Lava Jato, o MPF apura benefícios em mais de 40 contratos que totalizam cerca de 1 bilhão de reais celebrados pelas empresas Estre Ambiental, Pollydutos Montagem e Construção, Consórcio NM Dutos e Estaleiro Rio Tietê.

Segundo o MPF, as provas indicam que as propinas foram entregues em espécie em um escritório de advocacia ligado à família Lobão, no Rio de Janeiro. Nesse sentido, os procuradores afirmam que foram obtidos depoimentos de colaboradores, registros de ligações e reuniões entre os investigados, e registros em sistemas de controle de propinas.

Segundo informações, Veja. 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Tributos
Dificuldade para aprovar reforma tributária
Economia
Redução do preço da energia solar tem sido vertiginosa, diz EPE
Brasil
Deportado do Paraguai, o líder de contrabando de cigarros
Economia
Pequenos negócios tem até o dia 31 para aderir ao Simples Nacional
Campo Grande
"Trad é uma decepção, como prefeito", disse moradora da capital
Esporte
Arbitras de futebol foram agredidas por jogadores
UFC
Curtis Blaydes aproveita falha e vence Junior Cigano por nocaute no segundo round no UFC Raleigh
Polícia
Deputado paraguaio acusa os irmãos Azevedo
Fronteira sem lei
Deputado por pouco se salvou, mas a casa e o carro ficaram crivados de bala
Internacional
Brasil e Índia assinam acordos em tecnologia, energia e segurança