Menu
Busca Dom, 19 de janeiro de 2020
(67) 9.9928-2002
reivindicação

Administrativos da educação param em MS e afirmam que vão 'mostrar caos' em escolas públicas

10 abril 2018 - 09h55Por Redação Notícias VIP
scolas públicas sem merendas, manutenção e banheiros sujos. Este é o cenário, por tempo indeterminado, que pretendem os servidores administrativos da educação em Mato Grosso do Sul. "Nossa expectativa é que 70% das escolas permaneçam paradas e o governo sinta o caos que é manter uma escola sem os administrativos", afirmou ao G1 o presidente do Sindicato dos Servidores Administrativos de Educação de Mato Grosso do Sul, Wildes Ovando.

O G1 entrou em contato com o governo do estado e aguarda um posicionamento sobre as reivindicações da categoria.

Desde o início da manhã, cerca de 500 servidores realizam a paralisação. A intenção, conforme o presidente, é caminhar até a Secretaria de Educação e, em seguida, na Governadoria, localizada no Parque dos Poderes. "Vamos entregar um documento para o governador, com as nossas reivindicações. No caso dos professores, o efeito é imediato. No nosso caso, em 2 a 3 dias, todos vão perceber que não tem condições de trabalho", explicou Ovando.

Ainda conforme o presidente, os servidores administrativos estão sobrecarregados. "Temos na ativa em torno de 5,9 mil adminisrativos no estado e a lei prevê 10,2 mil. O número é quase que 50% e isso mostra o quanto precisamos de mais pessoal, muita gente ainda está de licença médica", comentou.

Entre as reivindicações estão a incorporação do nosso abono, concurso público e uma reestruturação do nosso plano de carreira. "Desde 2016 o governo firmou compromisso de um abono de R$ 200 e até agora não recebemos. Agora nos ofereceram um auxílio-alimentação de R$ 100 e este não incide sobre a nossa previdência, nem nós nem o estado paga", alegou o presidente.

Sobre o plano de saúde, a categoria alega que o reajuste anterior foi de 1,5% e o pagamento mensal teve aumento de 2,94%. "Metade foi para o nosso plano de saúde e ainda corremos o risco de um novo reajuste. Nossa greve foi aprovada até o dia 30 de abril e vamos manter por tempo indeterminado", ressaltou.

Menos que o mínimo

O atual salário da categoria é de R$ 829, sem o abono. Os servidores também reclamam que o salário base é menor que o mínimo vigente no país, que é de R$ 954. Ao todo, cerca de 369 escolas devem ser prejudicadas com a paralisação, aprovada em assembleia na última sexta-feira (6).

A Federação dos Trabalhadores em Educação de Mato Grosso do Sul (Fetems) estima que mais de 240 mil alunos ficarão sem aula. Na semana anterior, a assembleia legislativa aprovou, por unanimidade, o aumento do reajuste salarial de 3,04% para os servidores estaduais. A categoria quer ainda a incorporação dos R$ 200 de abono.




Deixe seu Comentário

Leia Também

Evangélicos Bolsonaro
Pastor evangélico é um dos agressores de manifestantes que protestavam contra Damares em São Carlos (SP)
São Gabriel do Oeste
Marido mata adolescente mãe de bebê
Dourados
Peladão correndo pela Presidente Vargas
Fronteira
A fuga se deu na madrugada de domingo através de buraco escava pelos membros do PCC
Brasil
A lei de Abuso de Autoridade trouxe mudanças importantes às quais todos deverão se adaptar
Campo Grande
"O prefeito e os vereadores de Campo Grande são omissos." reclamam os moradores de Campo Grande
Amanbai
DOF recupera carro roubado por marginal
Anastácio
Fiat encontrado dentro de córrego nesta manhã
Internacional
Vírus de origem chinesa pode ter infectado mais de mil de pessoas
Bela Vista
Pistoleiros assassinam dois politicos na fronteira