Menu
Busca Qui, 21 de novembro de 2019
(67) 9.9928-2002
reivindicação

Administrativos da educação param em MS e afirmam que vão 'mostrar caos' em escolas públicas

10 abril 2018 - 09h55Por Redação Notícias VIP
scolas públicas sem merendas, manutenção e banheiros sujos. Este é o cenário, por tempo indeterminado, que pretendem os servidores administrativos da educação em Mato Grosso do Sul. "Nossa expectativa é que 70% das escolas permaneçam paradas e o governo sinta o caos que é manter uma escola sem os administrativos", afirmou ao G1 o presidente do Sindicato dos Servidores Administrativos de Educação de Mato Grosso do Sul, Wildes Ovando.

O G1 entrou em contato com o governo do estado e aguarda um posicionamento sobre as reivindicações da categoria.

Desde o início da manhã, cerca de 500 servidores realizam a paralisação. A intenção, conforme o presidente, é caminhar até a Secretaria de Educação e, em seguida, na Governadoria, localizada no Parque dos Poderes. "Vamos entregar um documento para o governador, com as nossas reivindicações. No caso dos professores, o efeito é imediato. No nosso caso, em 2 a 3 dias, todos vão perceber que não tem condições de trabalho", explicou Ovando.

Ainda conforme o presidente, os servidores administrativos estão sobrecarregados. "Temos na ativa em torno de 5,9 mil adminisrativos no estado e a lei prevê 10,2 mil. O número é quase que 50% e isso mostra o quanto precisamos de mais pessoal, muita gente ainda está de licença médica", comentou.

Entre as reivindicações estão a incorporação do nosso abono, concurso público e uma reestruturação do nosso plano de carreira. "Desde 2016 o governo firmou compromisso de um abono de R$ 200 e até agora não recebemos. Agora nos ofereceram um auxílio-alimentação de R$ 100 e este não incide sobre a nossa previdência, nem nós nem o estado paga", alegou o presidente.

Sobre o plano de saúde, a categoria alega que o reajuste anterior foi de 1,5% e o pagamento mensal teve aumento de 2,94%. "Metade foi para o nosso plano de saúde e ainda corremos o risco de um novo reajuste. Nossa greve foi aprovada até o dia 30 de abril e vamos manter por tempo indeterminado", ressaltou.

Menos que o mínimo

O atual salário da categoria é de R$ 829, sem o abono. Os servidores também reclamam que o salário base é menor que o mínimo vigente no país, que é de R$ 954. Ao todo, cerca de 369 escolas devem ser prejudicadas com a paralisação, aprovada em assembleia na última sexta-feira (6).

A Federação dos Trabalhadores em Educação de Mato Grosso do Sul (Fetems) estima que mais de 240 mil alunos ficarão sem aula. Na semana anterior, a assembleia legislativa aprovou, por unanimidade, o aumento do reajuste salarial de 3,04% para os servidores estaduais. A categoria quer ainda a incorporação dos R$ 200 de abono.




Deixe seu Comentário

Leia Também

Terenos
Vereador acusa colegas de receber propina
Campo Grande
Estão fechando delegacia de polícia na capital
Campo Grande
Trad não retira sujeira das ruas da capital
Famosos
Zezé está hospitalizado
Campo Grande
Apesar dos protestos, Trad sufoucou CPI, que nem foi ventilada na Câmara municipal
Energisa
A falta da cara energia de todos os dias
Brasil
Caminhoneiros podem fazer greve
Porto Murtinho
Barragem está desmoronando desde 28 de outubro e não fazem nada
Bolívia
Traidor, general que deu voz de prisão a Evo vai para USA
Judiciário
Quando o judiciário é usado por supostos bandidos