Menu
Busca Sex, 30 de julho de 2021
(67) 9.9928-2002
VIOLÊNCIA

Adolescente denuncia 'tortura' durante trabalho de parto

Médico obstetra Armando Andrade Araújo foi indiciado por vias de fato e injúria

21 fevereiro 2019 - 14h00

O médico obstetra Armando Andrade Araújo, que atua no hospital Balbina Mestrinho, em Manaus (AM), será indiciado por vias de fato e injúria após uma adolescente de 17 anos denunciar que foi torturada durante o trabalho de parto.

A violência obstétrica ocorreu em maio de 2018, mas as imagens do momento só começaram a circular esta semana, em grupos de WhatsApp.

No vídeo, é possível ver a gestante em posição de parto e reclamando de câibras nas pernas, enquanto o médico insiste para que o bebê nasça de normal. As imagens ainda mostram a sogra dela chorando e implorando para que ela fosse submetida a uma cesariana, já que estaria sem forças.

"Não foi agressão, foi tortura", diz uma familiar da adolescente, que pediu para não ter o nome revelado.

De acordo com informações do portal Uol, a gestante deu entrada no hospital com dores e contrações, e não teve nenhuma restrição durante o pré-natal. A mulher conta que foi dada ocitocina sintética à jovem para acelerar as contrações e que outros medicamentos também foram administrados. "A bolsa dela foi estourada com o dedo, sem o médico avisar que faria isso", diz.

Após o vídeo viralizar, a família da vítima decidiu registrar um boletim de ocorrência na Delegacia Especializada em Crimes Contra a Mulher (DECCM). Eles contam que não tinham acesso às imagens e não sabem quem as divulgou.

A delegada Débora Mafra ouviu a adolescente e disse que o caso será encaminhado ao 1º Distrito Integrado de Polícia (DIP). O médico deve ser ouvido ainda esta semana. Ele já tinha, de acordo com Mafra, outras cinco denúncias de casos parecidos, feitas desde 2013.

"Quando ela lembra das cenas que passou, chora. Ela ficou com dificuldades para andar, porque o médico colocou as mãos tentando abrir a vagina dela para tirar o bebê", afirmou.

Armando Araújo foi preso em 2015 durante a Operação Jaleco Branco, da Polícia Civil do Amazonas, suspeita de integrar uma quadrilha que extorquia mulheres para fazer partos e outros procedimentos em hospitais públicos de Manaus.

Ele chegou a ser foi condenado a dois anos de prisão, mas teve a pena convertida em prestação de serviço à comunidade, segundo o Ministério Público do Estado do Amazonas e continuou solto.

Em nota, a Secretaria de Estado de Saúde do Amazonas (Susam), responsável pelo hospital Balbina Mestrinho, informou que abriu sindicância na última quarta-feira (20) para apurar a conduta do médico. A Susam também pediu o afastamento do profissional ao Instituto de Ginecologia e Obstetrícia do Amazonas (Igoam), empresa em para qual o profissional trabalha e presta serviço ao estado.

vacina sim

Deixe seu Comentário

Leia Também

Mato Grosso do Sul
Inscrições prorrogadas para a segunda edição do Prêmio Inova
Oportunidade
Estão abertas as inscrições para curso de idiomas na UEMS
Brasília
PP não vai aceitar filiação de Bolsonaro
Dourados
Agesul retira mais de 800 toneladas de lixo das margens da MS-156 em Dourados
Interior
SubsRacial leva Campanha Julho das Pretas a Rochedo, com temas de saúde e educação
Mato Grosso do Sul
Temperaturas voltam a subir e ar seco segue predominando nesta quarta-feira
Mato Grosso do Sul
Governo investe R$ 5,8 milhões na pavimentação da MS-455, criando novo acesso a Capão Seco
Interior
Corpo de Bombeiros monitora incêndios com imagens de satélite e amplia fiscalização em áreas de focos
Campo Grande
Até quando a massa de ar frio polar vai atuar em Mato Grosso do Sul?
Esportes
Hoje é Dia: nota 10 de Comaneci e Dia do Futebol marcam semana