Menu
Busca Dom, 29 de novembro de 2020
(67) 9.9928-2002
Política

Após forte reação, Bolsonaro recua e revoga decreto sobre parceria privada com unidades de saúde do SUS

28 outubro 2020 - 16h00Por Plantão jornalístico NV

BRASÍLIA (Reuters) - Após forte reação de parlamentares e secretários estaduais e municipais de Saúde, o presidente Jair Bolsonaro recuou e anunciou a revogação de decreto que permitia estudos sobre parcerias com o setor privado em Unidades Básicas de Saúde (UBSs) do SUS.

“Temos atualmente mais de 4.000 Unidades Básicas de Saúde (UBS) e 168 Unidades de Pronto Atendimento (UPA) inacabadas. Faltam recursos financeiros para conclusão das obras, aquisição de equipamentos e contratação de pessoal”, disse o presidente em publicação em suas redes sociais.

“O espírito do decreto 10.530, já revogado, visava o término dessas obras, bem como permitir aos usuários buscar a rede privada com despesas pagas pela União”, argumentou.

O presidente acrescentou ainda que “em havendo entendimento futuro dos benefícios propostos pelo decreto o mesmo poderá ser reeditado”.

A Secretaria-Geral confirmou que seria publicado um Diário Oficial extra com a revogação do decreto.

O decreto foi encarado como uma brecha para a privatização do Sistema Único de Saúde, justamente em um momento de fragilidade sanitária diante da epidemia do novo coronavírus.

Bancadas e líderes de grupos partidários anunciaram ao longo do dia projetos de decretos legislativos com o objetivo de sustar a medida de Bolsonaro. PSOL, PCdoB e a Minoria na Câmara, além do Cidadania, haviam anunciado medidas neste sentido.

“O que o governo quer de fato é privatizar todo o sistema de saúde público brasileiro, pois as UBSs são as portas de entrada do SUS. Trata-se de uma medida que seria impensável num momento de pandemia, onde o SUS se demonstrou vital para cuidar da saúde dos brasileiros”, disse a deputada Alice Portugal (PCdoB-BA), que assina um dos projetos de decreto legislativo, ao lado de outros parlamentares do partido, para sustar os efeitos do decreto.

Autor de outro PDL com o mesmo objetivo, o líder da Minoria, José Guimarães (PT-CE), considerou o decreto um “retrocesso”, na intenção de “vender patrimônios do povo brasileiro, acabar com políticas públicas, além de desrespeitar a autonomia dos municípios que cuidam das Unidades de Saúde e de seus profissionais”.

O vice-presidente do Cidadania, deputado Rubens Bueno (PR), também protocolou projeto pra derrubar o decreto por considerar que abre as portas para a privatização do Sistema Único de Saúde (SUS).

“Temos aí uma abertura perigosa. Primeiro se tira do Ministério da Saúde e se joga para o Ministério da Economia o planejamento sobre o atendimento básico de saúde no país. Depois se abre um corredor para que o setor privado, em parceria com o Estado, sugue dinheiro público para construir unidades básicas de saúde, coisa que, a pandemia atual já mostrou, é trampolim para o desvio de dinheiro público e corrupção escancarada”, afirmou.

DÚVIDAS

A edição do decreto não repercutiu apenas no Legislativo e mobilizou o Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (Conasems) e o Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass), reunidos nesta quarta-feira para tratar do assunto.

Em nota, o Conass afirmou que a revogação do decreto é urgente e que ele “deixa sérias dúvidas quanto a seus reais propósitos”. O Conselho argumenta que o texto, editado sem debate, não leva em conta determinação legal segundo a qual decisões relativas à gestão do SUS precisam ser tomadas mediante consenso entre os níveis federal, estadual e municipal, sob pena de nulidade.

“Assim, o Conass manifesta sua integral convicção de que a APS (Atenção Primária à Saúde) necessita ser preservada em sua forma de atuar, sob gestão pública e isenta de quaisquer atrelamentos às lógicas de mercado, que não cabem, absolutamente neste caso. O decreto apresentado não trata de um modelo de governança, mas é uma imposição de um modelo de negócio”, segue a nota.

Também por meio de nota, o Ministério da Economia havia sustentado que a decisão de incluir as UBSs no PPI foi tomada após o pedido do Ministério da Saúde.

“A avaliação conjunta é que é preciso incentivar a participação da iniciativa privada no sistema para elevar a qualidade do serviço prestado ao cidadão, racionalizar custos, introduzir mecanismos de remuneração por desempenho, novos critérios de escala e redes integradas de atenção à saúde em um novo modelo de atendimento”, diz a nota pasta da Economia.

A secretária especial do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI), Martha Seillier, por sua vez, negou que o decreto busque privatizar o SUS. “Não faz sentido falar em privatização do SUS”, disse ela à Reuters. [nL1N2HJ2AN]

violência contra a mulher 2

Deixe seu Comentário

Leia Também

Fama
Mike Tyson e Roy Jones Jr, com mais de 50 anos, fazem luta de exibição e viram foco do mundo esportivo.
STF
Moraes, do ST, prorroga por mais 60 dias inquérito que investiga possível interferência de Bolsonaro na PF
Campo Grande
Tiros, facadas e espancamento: Campo Grande tem fim de semana mais violento do mês
Só entre a noite de sábado e a madrugada de domingo, quatro homens foram assassinados na Capital
Fronteira
Preso brasileiro suspeito de assassinato de quatro homens de Fahd Jamil
Campo Grande
Último Autocine deste ano apresenta clássico espírita “Nosso Lar”
Fórmula 1
GP do Barein: Hamilton vence após acidente brutal de Grosjean e capotagem de Stroll
Indigenas
Empresas de SC e RS contratam 5 mil indígenas do Estado para a colheita da maçã
Campo Grande
Covid-19: aumento no número de casos coloca 31 municípios em grau de risco no Prosseguir
Brasíl
Maia: combate ao racismo deve ser agenda prioritária do Parlamento
Fórmula 1
Romain Grosjean sofre acidente assustador com fogo após largada do GP do Barein.