Menu
Busca Qua, 28 de julho de 2021
(67) 9.9928-2002
SÃO PAULO

Bolivianos foram estrangulados antes de esquartejamento, diz IML

Os laudos apontam que Jesus Reynaldo Condori, 39, e Irma Morante Sanizo, 38, morreram de "asfixia mecânica por estrangulamento"

15 janeiro 2019 - 07h00

O casal de bolivianos encontrado esquartejado dia 8, em Itaquaquecetuba (Grande SP), foi morto por estrangulamento, segundo laudo do IML (Instituto Médico Legal). O filho deles, de 8 anos, também achado esquartejado dentro de sacos plásticos, morreu por uma pancada na cabeça.

Os laudos apontam que Jesus Reynaldo Condori, 39, e Irma Morante Sanizo, 38, morreram de "asfixia mecânica por estrangulamento", e a criança, Gian Abner Morante, morreu por "traumatismo cranioencefálico".

Cunhado de Irma, Gustavo Santos Vargas Arias, 36, é o principal suspeito pelo assassinato e esquartejamento da família. Ele está foragido desde o dia 7, quando a Justiça decretou sua prisão temporária de 30 dias. Na ocasião, outros dois suspeitos de ajudar no crime contra a família estão presos. Ambos entraram em contradição durante os depoimentos, disse a Polícia Civil.

"Os laudos não indicam se o crime foi cometido por uma pessoa ou por mais de uma", afirmou à reportagem nesta segunda-feira (14) o delegado Eliardo Amoroso Jordão, responsável pelas investigações. A polícia agora apura as circunstâncias em que as vítimas foram mortas.

A Interpol foi informada sobre o pedido de prisão de Vargas, da mesma forma que a polícia da Bolívia, onde um cartaz de "procura-se" circula.

Vargas alugou o imóvel onde os corpos esquartejados foram encontrados, no dia 26 de dezembro. Ele também fingiu ser Irma, usando o celular dela para responder mensagens enviadas por familiares e amigos da vítima, segundo o delegado Jordão.

As mensagens enviadas por Vargas afirmam que a família de bolivianos havia se mudado de São Paulo, onde vivia e trabalhava, para Itaquaquecetuba.

O casal estava desaparecido desde 23 de dezembro, e o menino, desde o dia 24. Um boletim de ocorrência de desaparecimento foi registrado à época.

"Vamos aguardar a perícia no aparelho para verificar o que foi dito e para quem [pelo acusado]", disse o delegado na ocasião.

Ainda de acordo com a polícia, Vargas entregou o celular de Irma para um amigo no último dia 7. Este homem e outro amigo do suspeito estão presos.

"Minha irmã era feliz aí, tanto que iria comprar casa no Brasil", disse o irmão de Irma, Luis Sanizo. Ele afirma que Vargas tinha histórico de violência. "Ele aparentava ser uma boa pessoa, mas tinha problemas com álcool e era um pouco agressivo. No entanto, jamais pensamos que ele chegaria a fazer o que fez."

O casal vivia no Brasil havia 15 anos.

vacina sim

Deixe seu Comentário

Leia Também

Mato Grosso do Sul
Inscrições prorrogadas para a segunda edição do Prêmio Inova
Oportunidade
Estão abertas as inscrições para curso de idiomas na UEMS
Brasília
PP não vai aceitar filiação de Bolsonaro
Dourados
Agesul retira mais de 800 toneladas de lixo das margens da MS-156 em Dourados
Interior
SubsRacial leva Campanha Julho das Pretas a Rochedo, com temas de saúde e educação
Mato Grosso do Sul
Temperaturas voltam a subir e ar seco segue predominando nesta quarta-feira
Mato Grosso do Sul
Governo investe R$ 5,8 milhões na pavimentação da MS-455, criando novo acesso a Capão Seco
Interior
Corpo de Bombeiros monitora incêndios com imagens de satélite e amplia fiscalização em áreas de focos
Campo Grande
Até quando a massa de ar frio polar vai atuar em Mato Grosso do Sul?
Esportes
Hoje é Dia: nota 10 de Comaneci e Dia do Futebol marcam semana