Menu
Busca Qui, 21 de outubro de 2021
(67) 9.9928-2002
São Paulo

Bombeiros dizem ser possível encontrar sobreviventes no prédio que desabou no Centro de SP

Por Carol Assis
o sétimo dia de buscas pelos desaparecidos do prédio que caiu no Centro de São Paulo, o Corpo de Bombeiros declarou ser possível encontrar sobreviventes.

O Corpo de Bombeiros sempre trabalha com a hipótese de encontrar vítimas com vida, disse o major Eduardo Drigo nesta segunda-feira (7) Então, até que se chegue ao término do serviço, trabalhamos com essa possibilidade.

Os bombeiros procuram nos destroços oficialmente 5 pessoas que desapareceram após o prédio pegar fogo e ruir na última terça-feira (1). São uma mulher e seus gêmeos e mais um casal. São eles: Selma Almeida da Silva, 40; Welder e Wender, 9, filhos dela dela; e Eva Barbosa Lima, 42 e Walmir Sousa Santos, 47.

Na sexta-feira (4) foi encontrado o corpo de Ricardo Oliveira Galvão Pinheiro, que caiu junto com o prédio quando os bombeiros tentaram resgata-lo. 

Segundo o major, existe a possibilidade de que bolsões de ar tenham se formado entre as lajes possibilitando que pessoas soterradas respirem. Elas também poderiam beber água lançada pelos bombeiros para apagar as chamas.

O major citou o caso do World Trade Center nos Estados Unidos em 2001, quando bombeiros encontraram sobreviventes em bolsões de ar. Sem dúvida, se tomar por exemplo a situação do World Trade Center, após vários dias foram encontradas pessoas.

A diferença é que foram encontrados sobreviventes 27 horas após a queda das Torres Gêmeas, alvo de ataques terroristas. Laje sobre laje existe a possibilidade de bolsões de ar. Não é tão grande, mas existe, sempre existe.

Segundo o capitão Marcos Palumbo, porta-voz dos Bombeiros, há relatos internacionais de salvamento de pessoas até 14 dias após terem sido soterradas.

O tempo máximo que se tem conhecimento de um sobrevivente nessas condições é de 14 dias. Ocorreu na Indonésia.

De acordo com Palumbo, se houver desaparecidos no prédio, eles estariam estariam do oitavo andar para baixo porque ainda há foco de incêndio, o que indica que há oxigênio.

Se os desaparecidos estiverem no subsolo, com água e com oxigênio, e com controle emocional diante desse estresse, é possível encontrá-las com vida, disse Palumbo

O major Drigo acredita que os trabalhos de remoção dos destroços devem durar mais 15 dias. O Corpo de Bombeiros só vai sair do local na hora que atingir o pavimento do último subsolo.



Deixe seu Comentário

Leia Também

Política
Foto de Eduardo Bolsonaro como 'sheik' em Dubai causa onda de críticas; deputado defende gastos
Saúde
Em evento histórico, primeira vacina contra malária é aprovada pela OMS
Educação
Relatório aponta impacto da pandemia na saúde mental de adolescentes
Direito
Hipertensão: Quem possui essa condição pode requerer o auxílio-doença ou a aposentadoria por invalidez?
Geral
Facebook, Instagram e Whatsapp têm problemas de acesso nesta segunda
Economia
Ministro defende uso de reservas para capitalizar banco do Brics
Saúde
Ministro chega ao Brasil um dia após testar negativo para covid-19
Brasíl
Eleitores voltam às urnas em 19 cidades para escolha de novo prefeito
Campo Grande
Com ventos de 68 Km/h e 145 mil raios, temporal deixou 13 mil pessoas no escuro
Política
Lei que define sobras de voto em eleições proporcionais é sancionada