Menu
Busca Sáb, 23 de janeiro de 2021
(67) 9.9928-2002
CONTRACEPTIVO

Descubra as vantagens e desvantagens do preservativo feminino

Por Carol Assis
Por muitos anos, a única opção para evitar uma gravidez indesejada era o preservativo masculino. Com o tempo, a popular camisinha ganhou cores, sabores e eficácia.

Porém, com o advento da pílula anticoncepcional e outros métodos contraceptivos, o preservativo foi perdendo espaço. Até que, nos anos 80, surgiu uma doença assustadora, a Aids, síndrome que levou milhares de pessoas à morte. Justamente à mesma época em que as DSTs (Doenças Sexualmente Transmissíveis) proliferaram.

A camisinha voltou ao papel de protagonista, pois era o único método contraceptivo que impedia com certa segurança a contaminação. Então, nos anos 1990, foi lançado o preservativo feminino também eficiente contra uma gravidez indesejada, a contaminação pelo HIV, vírus causador da Aids, e as DSTs.

Desta forma, as mulheres também assumiram papel de protagonistas na escolha de como se proteger.

Se considerarmos uma situação ideal e consistente de utilização, ou seja, em todas as relações sexuais, a possibilidade de falhar é de 5%. Isso resultaria em cinco gestações em 100 mulheres no primeiro ano de uso. Porém, na prática, se todos os cuidados não foram observados, as falhas podem chegar a 21% explica a ginecologista Patrícia De Rossi, membro da SOGESP (Associação de Obstetrícia e Ginecologia do Estado de São Paulo).

Distribuídos gratuitamente no SUS (Sistema Único de Saúde), o preservativo feminino é um método reversível, ou seja, quando a mulher deixa de utilizá-lo, pode engravidar ou contrair doenças.

O formato é semelhante a uma bolsa, medindo 15 cm de comprimento e 8 cm de diâmetro. Possui dois anéis flexíveis, um móvel, que fica na extremidade fechada, servindo de guia para a colocação no fundo da vagina; e o segundo, na outra ponta, é aberto e cobre a vulva (parte externa da vagina).

Feita de poliuretano, material mais fino que o látex do preservativo masculino e também mais lubrificado, a camisinha é descartável e deve ser usada em todas as relações sexuais, inclusive durante a menstruação. Mas o método tem certas desvantagens. O preço é uma delas.

O valor é maior do que o preservativo masculino. Isso, atrelado à falta de informação, faz com seja um dos métodos pouco utilizados, ressalta a ginecologista.

Dra. Patrícia ainda aponta outros fatores que impedem a popularização atualmente.

O fato de ter um preservativo introduzido na mulher pode desestimular determinados parceiros. Quanto à atenção, o cuidado para não deslocar o preservativo e penetrar o pênis fora dele é imprescindível, acrescenta.

Ao contrário do masculino, o feminino pode ser colocado até oito horas antes da relação. Ele deve ser retirado apertando o anel externo antes de a mulher levantar para garantir que o esperma fique no interior da camisinha. Depois, basta puxar o preservativo para fora delicadamente. E a cada relação deve-se usar um novo.

É importante destacar que, por ficar dentro do canal vaginal, o preservativo feminino não pode ser usado ao mesmo tempo em que o masculino, pois o atrito aumenta o risco de rompimento. Opte apenas por um dos tipos.
racismo

Deixe seu Comentário

Leia Também

Nioaque
Prefeito de Nioaque é o primeiro a ser investigado por tomar vacina destinada a indígenas
Judiciário
Em posse do TJMS, Reinaldo Azambuja destaca importância do Poder Judiciário no combate à pandemia
Vacina
Amazonas receberá cota extra de vacinas para frear pandemia
Brasíl
Número de casos de covid-19 chega a 8,75 milhões no Brasil Doença já fez mais de 215 mil vítimas
Vacinas
Vacinas da AstraZeneca chegam ao Brasil Voo trazendo imunizante desceu em São Paulo
Covid 19
Minas Gerais bate recorde de casos de covid-19 em um dia
STF
Lewandowski nega decisão liminar para afastar Pazuello da Saúde
Brasilia
China acelerará envio da matéria-prima de vacina de covid-19, diz Maia
Campo Grande
A raiva bovina já matou 100 animais no estado.
Fronteira
Homem morre com três tiros nas costas