Menu
Busca Ter, 25 de janeiro de 2022
(67) 9.9928-2002
Judiciário

Desembargador anula condenação de Palocci em processo da Lava Jato

Ex-ministro havia sido condenado a 12 anos de prisão

02 dezembro 2021 - 12h00Por AB - EBC

O desembargador convocado Jesuíno Rissato, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), decidiu hoje (1º) anular uma das condenações do ex-ministro Antonio Palocci e outros réus em um dos processos da Operação Lava Jato. Nesse caso, Palocci foi condenado a 12 anos prisão, mas, posteriormente, assinou acordo de delação premiada. 

Em junho de 2017, Palocci, o ex-tesoureiro do PT João Vaccari, Renato Duque, ex-diretor de Serviços da Petrobras e ex-executivos da Odebrecht foram condenados pelo ex-juiz Sergio Moro. 

Na ocasião, Moro avaliou como procedente a denúncia do Ministério Público Federal (MPF) de que Palocci teria recebido propina para atuar em benefício da construtora Odebrecht no contrato de construção das sondas marítimas, envolvendo crime de corrupção e de lavagem de dinheiro, na dissimulação e transferência do valor das propinas, especialmente ao PT. 

Ao analisar um recurso das defesas dos acusados, o desembargador entendeu que atos processuais devem ser anulados e remetidos para Justiça Eleitoral, juízo que tem competência para julgar o caso, que envolve crimes eleitorais conexos com comuns. 

“Reconheço a incompetência da Justiça Federal para processar e julgar o presente feito, declaro a nulidade de todos os atos decisórios, ressalvada a possibilidade de ratificação das decisões pelo juízo competente, determino a remessa dos autos à Justiça Eleitoral”, decidiu. 

Na decisão, o magistrado se baseou no julgado do Supremo Tribunal Federal (STF) favorável à competência da Justiça Eleitoral para investigar casos de corrupção quando envolverem simultaneamente caixa 2 de campanha e outros crimes comuns, como lavagem de dinheiro, que foram investigados na Lava Jato.

Jesuíno Rissato é desembargador do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios (TJDFT) e foi convocado para ocupar temporariamente a vaga do ministro Felix Fischer, que é relator da Lava Jato no STJ e está em licença médica. 

Edição: Pedro Ivo de Oliveira

delinha

Deixe seu Comentário

Leia Também

Saúde
Número de mortos pela covid-19 no Brasil passa de 620 mil
Arma
Ameaça à paz mundial
Brasília
Agência Brasil explica como tirar e renovar a CNH
Covid 19
País tem 24.382 novos casos de covid-19 e 44 mortes em 24 horas
Meteorologia
Mato Grosso do Sul segue com tempo instável no final de semana
Economia
IGP-DI fecha 2021 com inflação acumulada de 17,74%
Saúde
Ministério da Saúde prorroga Programa Mais Médicos por um ano
Geral
Bolsonaro deixa hospital e ataca Ivete Sangalo após coro em show
Covid
Covid-19: Brasil registrou 22,35 milhões de casos e 619,5 mil óbitos
Saúde
Consulta pública rejeita prescrição médica para vacinar crianças