Menu
Busca Sex, 17 de setembro de 2021
(67) 9.9928-2002
Geral

Do outro lado do balcão De ex-juiz Federal a ex-ministro da Justiça, agora Sergio Moro é o mais "jovem" advogado do Brasil.

17 setembro 2020 - 19h00Por Migalhas

Em junho deste ano, a Comissão de Ética da Presidência da República decidiu que o ex-ministro não poderia trabalhar como advogado pelos próximos seis meses. Durante este tempo, Moro ainda receberia seu salário de ministro.

O colegiado da Comissão de Ética, no entanto, tinha liberado o ex-juiz Federal e ex-ministro a dar aulas e escrever artigos no período.

Conflitos

Moro tomou posse no governo de Bolsonaro como ministro da Justiça em 1º de janeiro de 2019. Pouco mais de um ano, em 24 de abril de 2020, Moro deixou o comando da pasta e anunciou sua saída do governo Bolsonaro.

A demissão já era esperada, quando o presidente Bolsonaro informou ao então ministro da Justiça que trocaria o comando da Polícia Federal - atropelando toda a hierarquia do ministério comandado por Moro.

A chefia da PF estava a cargo de Maurício Valeixo, homem indicado por Moro e de sua confiança. Sua exoneração foi publicada hoje no Diário Oficial, segundo o decreto, "a pedido" do próprio Valeixo.

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Rio de Janeiro
Apoiadores de Bolsonaro fazem ato em Copacabana, no Rio de Janeiro
São Paulo
Manifestantes fazem ato na Av. Paulista a favor de Bolsonaro
Brasília
PM informa que restabeleceu bloqueio na Esplanada dos Ministérios
Tribunal de Justiça
Fux manda retirar bandeira do Brasil Império hasteada na sede do TJ de Mato Grosso do Sul
Brasília
Esplanada terá esquema especial de segurança para protestos deste feriado
Brasíl
7/9: Moraes bloqueia contas de acusados de organizar atos antidemocráticos
MS já vacinou 50% dos jovens de 12 a 17 anos contra covid com a 1° dose – Feriado
MS
Secretaria de Estado de Saúde confirma três casos da variante Delta em Mato Grosso do Sul
STF
Urgente: Moraes determina prisão de ex-PM que o ameaçou de morte
Meio Ambiente
Ganhou prazo para resolver o problema, sob pena de multa e improbidade do prefeito