Menu
Busca Qua, 12 de maio de 2021
(67) 9.9928-2002
GINECOLOGIA

Endometriose: a doença da mulher moderna

Por Carol Assis
Cerca de 7 milhões de mulheres são afetadas pela endometriose no país, informou a Associação Brasileira de Endometriose. É uma doença caracterizada pela presença do endométrio (tecido que reveste o interior do útero) para fora da cavidade uterina, atingindo outros órgãos da pelve, como trompas, ovários, intestino e bexiga.

A enfermidade pode causar dor pélvica crônica, infertilidade, dores e muitas vezes ser assintomática, em muitos casos influenciando a qualidade de vida conjugal. Para entender como ocorre, é necessário, em primeiro lugar, compreender como funciona a menstruação.

Todo mês o endométrio se torna mais espesso à espera de um óvulo fecundado. Quando a gravidez não acontece, esse espessamento do endométrio descama, tanto para fora como para dentro da cavidade.

O endométrio não deve se expandir para outros órgãos. Quando isso se dá, causa uma reação inflamatória que pode ser discreta ou de forte intensidade. A partir daí, a mulher começa a sentir os sintomas da endometriose  cólicas menstruais, inchaço abdominal, dor durante o sexo e alterações intestinais, entre outras, explica o ginecologista Marcos Tcherniakovsky, membro da SOGESP (Associação de Obstetrícia e Ginecologia do Estado de São Paulo).

Segundo ele, a endometriose é conhecida como a doença da mulher moderna, pois devida a mesma ter varias funções diárias, como de ser dona de casa, esposa, mãe, além de profissional.Com isso, obviamente, acaba ficando estressada, com a imunidade baixa. Então é mais receptiva à endometriose, que tem um componente imunológico e genético?.

Aquelas que nunca engravidaram têm maior quantidade de ciclos menstruais e por consequência chance aumentada de desenvolver a doença.

Fora isso existe o fator hereditário. Hoje se sabe que filhas de mães que já tiveram endometriose são mais propensas. E por fim existe a causa genética?, ressalta o médico.

A endometriose pode interferir na qualidade de vida da mulher e do casal. Dependendo do nível da inflamação, haverá aderência dos órgãos afetados. Em outros casos, a mulher sente dor durante a relação sexual, o que acaba prejudicando o relacionamento.

O tratamento depende da gravidade dos sintomas e pode ser feito com medicamentos e ou com um procedimento cirúrgico, a laparoscopia.

Em caso de dor pélvica crônica, será tratada com analgésico e anti-inflamatório e vamos também suspender a menstruação com os anticoncepcionais. Se o caso for de infertilidade, faremos tratamento para o problema, revela Tcherniakovsky.

O ginecologista lembra que em algumas situações os sintomas podem persistir, mas sempre temos que ter como tratamento final a melhora da qualidade de vida da paciente.

É comum as mulheres portadoras de endometriose falarem que não há cura para essa doença, mas o mais importante é elas saberem que existe o controle, não diferente do que ocorre com outras doenças que conhecemos, como diabetes e  hipertensão.

O ginecologista lembra que não existe uma regra geral que possa ser feita para todos. Cada caso tem de ser individualizado.
vacina sim

Deixe seu Comentário

Leia Também

Tempo e temperatura
MS tem predomínio de tempo seco e calor de 36°C para a região pantaneira
Covid 19
Dezenas de corpos de possíveis vítimas da covid aparecem na Índia
Campo Grande
Moradores de bairros reclamam de sujeira e insegurança em Campos Grande
Saúde
Após ultrapassar mais de seis mil mortes, MS registra 653 novos casos da Covid-19
Mato Grosso do Sul
Novos secretários da Casa Civil e da Cidadania tomam posse nesta segunda-feira
Campo Grande
Infestação de pragas urbanas alarma moradores de Campo Grande
Vacina
Mato Grosso do Sul recebe novo lote de vacina da Pfizer nesta segunda-feira
F1
Hamilton sobre GP da Espanha de F1: “Aprendi muito sobre Max hoje”
Poluição
Marinha: três navios são suspeitos por manchas de óleo no NE em 2019
Saúde
Fiocruz: pandemia de covid-19 faz vítimas cada vez mais jovens