Menu
Busca Sex, 07 de maio de 2021
(67) 9.9928-2002
Saúde

Estado descumpre prazo judicial e paciente com câncer fica sem remédio

12 abril 2018 - 11h08Por Redação Notícias VIP
Diagnosticada com câncer de mama e metástase no fígado e no pulmão, Marta Luzia Martins luta na Justiça para receber um remédio que custa R$ 16 mil a cada dose. A ação foi movida pela defensoria em fevereiro deste ano e, com a demora no fornecimento, a paciente teme pela própria vida.

O defensor público Fabrício de Aquino é responsável pelo caso e explica que o pedido foi feito com tutela de urgência, para garantir que a paciente pudesse se medicar o quanto antes. "Nós fizemos um pedido liminar porque se for esperar uma sentença, demoraria anos. O juiz aceitou e o Estado de Mato Grosso do Sul contestou, o que é de praxe". O defensor afirma que é comum que o responsável tente discutir, mas o juiz concedeu a tutela e o prazo dado para que a SES (Secretaria de Estado de Saúde) forneça o remédio já venceu.

Em nota, a SES respondeu que o medicamento já está em processo de compra e deve estar disponível dentro de 20 dias. "Por ser um medicamento novo na judicialização, foi necessário criar uma padronização técnica e realizar outros trâmites. Devido a isso, o processo de compra ficou um pouco mais demorado". Entretanto, com o vencimento do prazo dado pelo juiz, o defensor público afirma que um pedido de sequestro de verba já foi ajuizado e a SES tem o prazo de mais 15 dias para cumprir com a decisão. "O sequestro de verba quer dizer, a grosso modo, que o juiz põe a mão na carteira do Estado e pega o dinheiro para que a paciente possa comprar o medicamento na iniciativa privada", explica. A SES afirma que ainda não foi notificada sobre o sequestro de verba.

Marta Luzia conta que descobriu o câncer de mama em 2016, mas desde o fim do ano passado, o câncer evoluiu e atingiu outros dois órgãos de seu corpo. "Minha vida depende deste remédio, é o único que pode parar o crescimento do tumor. Tive câncer primário na mama e se espalhou para os outros órgãos". Marta 
era auxiliar administrativa, teve que parar de trabalhar com a evolução da doença e atualmente faz "bicos" como manicure e produz bolos para vender.

Atualmente, Marta Luzia continua a fazer o tratamento com a quimioterapia uma vez por semana e aguarda pelo remédio, mesmo sem saber se um dia chegará a recebê-lo. "É um sentimento de impotência, ver o câncer se espalhar assim e não poder fazer nada. Sinceramente, não sei se vou conseguir receber". A paciente conta que teme não só pela própria vida, mas pela criação dos dois filhos pequenos, de oito e nove anos.
CORONA 3

Deixe seu Comentário

Leia Também

Judiciário
Ex-prefeito de Campo Grande é preso por condenação de corrupção e lavagem de dinheiro
Brasília
Senadores comemoram liminar do STF que obriga governo a realizar o censo
Brasíl
Publicada MP de flexibilização trabalhista para enfrentamento da crise
Polícia
Polícia Federal faz operação contra tráfico de drogas em cinco estados
Brasília
Aliada de Bolsonaro tem ligação com juiz que tentou tirar Renan da CPI da Covid
Esporte
Bahia goleia por 5 a 0 na Sul-Americana Tricolor de Aço vence o Guabirá, da Bolívia
Economia
Governo pagará R$ 418 milhões em salários no Dia do Trabalhador
Esporte
Libertadores: Santos é superado pelo Boca na Bombonera
Campo Grande
Há muita sujeira em Campo Grande, dizem moradores do Duque de Caxias
Esporte
Internacional se recupera na Libertadores com vitória sobre Táchira