Menu
Busca Qua, 28 de julho de 2021
(67) 9.9928-2002
Agronegócio

FCStone eleva previsão para safra de açúcar da região Centro-Sul em 2019/20

Expectativa é de que a safra que se inicia em abril fique novamente acima de 30 milhões de toneladas na maior região canavieira do país. Produção de álcool de cana deve cair.

19 janeiro 2019 - 08h00

A produção de açúcar no Centro-Sul do Brasil deverá se recuperar na safra 2019/20, que se inicia em abril, e ficar novamente acima de 30 milhões de toneladas, com usinas atentas a preços potencialmente fortalecidos pelo cenário de déficit na oferta global, disse  a INTL FCStone.

Em seu segundo levantamento para a nova temporada, a consultoria projetou uma fabricação de 30,2 milhões de toneladas do adoçante na principal região canavieira do país, contra 29,3 milhões anteriormente e aumento de 14,3% frente ao esperado no atual ciclo 2018/19, marcado por forte foco no etanol em razão da melhor rentabilidade do biocombustível.

Na contramão, a produção de álcool de cana tende a cair 10,7% na comparação anual, para 26,8 bilhões de litros em 2019/20, sendo 17 bilhões de hidratado e 9,8 bilhões de anidro. Na previsão anterior, de novembro, a expectativa era de 27,4 bilhões de litros.

Os analistas da INTL FCStone João Paulo Botelho e Matheus Costa escreveram em relatório que o cenário deve ser "majoritariamente altista" para o açúcar e o etanol nos próximos meses.

"O petróleo deve ser sustentado pela redução na produção dos países da Opep+ e pela possibilidade de endurecimento nas sanções americanas contra o Irã, enquanto os preços do açúcar devem ser beneficiados por um cenário de déficit para a safra global 2018/19", afirmaram.

A Opep+ é o nome dado ao grupo formado pela Organização dos Países Exportadores de Petróleo e aliados, como a Rússia, que juntos estão cortando a oferta do óleo para conter a queda nos preços.

"Vale destacar, porém, que os futuros do adoçante devem ser influenciados indiretamente pelo movimento do petróleo e, ainda por cima, receber o impacto direto de seus próprios fundamentos. Neste sentido, é improvável que a commodity energética se valorize tanto em relação ao açúcar a ponto de recuperar as perdas recentes. Desta forma, vemos um cenário mais favorável à produção de açúcar na safra 2019/20", acrescentaram.


Segundo a INTL FCStone, a moagem de cana no Centro-Sul deve cair 1% em 2019/20 ante 2018/19, para 564,7 milhões de toneladas --estável ante a projeção passada. O mix deve ser de 41% da oferta de matéria-prima para o adoçante e os outros 59% para etanol, versus 35,3% e 64,7%, respectivamente, na temporada anterior.

Por enquanto, as condições dos canaviais estão boas, apesar de chuvas aquém da média em dezembro, afirmou a INTL FCStone.

A consultoria também manteve estável sua previsão para a produção de etanol de milho em 2019/20, com 1,2 bilhão de litros, avanço de 35,2% em relação ao estimado para a safra que se encerra.

"Vale destacar que este aumento deve ser possibilitado tanto pela abertura de novas destilarias que operam com o cereal, como pela expectativa de crescimento em mais de 20% na produção da matéria-prima na safrinha", afirmaram Botelho e Costa.

Oferta global
A INTL FCStone passou a prever um déficit de 700 mil toneladas na oferta global de açúcar na temporada 2018/19, iniciada em outubro, ante expectativa de excedente de 1 milhão de toneladas anteriormente.

O balanço reverteria um superávit de 9,4 milhões de toneladas em 2017/18.

A consultoria vê a produção de açúcar caindo em diversas geografias, como Índia (30,2 milhões de toneladas, ou queda de 6,5% ante a safra anterior), União Europeia (17,1 milhões, ou menos 12,4%) e Tailândia (14 milhões, recuo de 7%).

"A finalização da colheita e do processamento da beterraba na Europa e nos Estados Unidos, bem como o início das atividades nos canaviais de grandes produtores da Ásia, como Índia, Tailândia e Paquistão, reforçaram o contexto de piora nas perspectivas produtivas para o ciclo atual", afirmaram os analistas da INTL FCStone.

"Cabe destacar que o clima adverso, tanto no período de semeadura quanto durante a época de desenvolvimento das culturas sacarinas, foi determinante nas projeções de oferta de açúcar."

G1

 

news

Deixe seu Comentário

Leia Também

Mato Grosso do Sul
Inscrições prorrogadas para a segunda edição do Prêmio Inova
Oportunidade
Estão abertas as inscrições para curso de idiomas na UEMS
Brasília
PP não vai aceitar filiação de Bolsonaro
Dourados
Agesul retira mais de 800 toneladas de lixo das margens da MS-156 em Dourados
Interior
SubsRacial leva Campanha Julho das Pretas a Rochedo, com temas de saúde e educação
Mato Grosso do Sul
Temperaturas voltam a subir e ar seco segue predominando nesta quarta-feira
Mato Grosso do Sul
Governo investe R$ 5,8 milhões na pavimentação da MS-455, criando novo acesso a Capão Seco
Interior
Corpo de Bombeiros monitora incêndios com imagens de satélite e amplia fiscalização em áreas de focos
Campo Grande
Até quando a massa de ar frio polar vai atuar em Mato Grosso do Sul?
Esportes
Hoje é Dia: nota 10 de Comaneci e Dia do Futebol marcam semana