Menu
Busca Sáb, 06 de junho de 2020
(67) 9.9928-2002
Economia

Governo acata sugestão de Barros que permite suspensão dos contratos com pagamento do seguro-desemprego

02 abril 2020 - 08h06

O deputado federal Ricardo Barros (PP-PR) destacou a Medida Provisória editada pelo presidente Bolsonaro que permite a suspensão dos contratos de trabalho com o pagamento do seguro-desemprego. Barros sugeriu há duas semanas essa medida ao governo como forma de garantir suporte aos trabalhadores e empresários, e preparar a economia para a retomada pós pandemia do coronavírus.

“Isso é muito importante. Nós passaremos ter assim a segurança para o empregado e teremos também a tranquilidade para o empregador. Todos estarão em casa, em paz, com os empregos garantidos e as empresas garantidas, saudáveis até que passe essa crise”, disse Ricardo Barros, na noite dessa quarta-feira (1), logo após o anúncio da medida.

O parlamentar paranaense explicou que o seguro desemprego garante a manutenção da renda e do poder de compra do trabalhador, mantendo o consumo e a economia do Brasil girando. E, só o Governo pode pagar essa conta, a exemplo do que está sendo feito no Reino Unido e nos Estados Unidos.

“O Governo Federal faz o seu papel. Paga o seguro-desemprego para aqueles que terão seu contrato de trabalho suspenso. Com isso não há demissões, porque os contratos estão suspensos e assim que retomarmos a atividade econômica e, tudo voltar ao normal, as empresas retomam os contratos com esses empregados já qualificados. E, dessa forma, a recuperação econômica vai ser muito mais rápida”, acrescentou Barros.

A MP também permite a redução proporcional de jornada e do salário. O custo estimado do programa é de R$ 51,2 bilhões. A expectativa é de que 24,5 milhões de pessoas possam aderir.

A suspensão do contrato será válida por até dois meses mediante acordo individual. Empresas com receita bruta anual de até R$ 4,8 milhões não precisarão pagar nada durante a suspensão do contrato. O trabalhador vai receber do governo um auxílio igual ao seguro-desemprego que ele teria direito caso fosse demitido.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Saúde Pública
Brasil tem mais 904 mortes e 27 mil casos de Covid-19, diz Ministério da Saúde
Polícia
"Pedreiro assassino" que matou 6 quer depor, mas seu advogado não deixa.
Mato Grosso do Sul
MS já soma 65% dos municípios com pacientes confirmados de coronavírus
São Paulo
Justiça proíbe manifestação na Avenida Paulista neste domingo
Geral
Complexo da Fiocruz dará autonomia em vacinas para o Brasil
Economia
BNDES cria programa de apoio à pequena e média empresa
Geral
Manifestações amanhã em SP terão esquema reforçado de segurança
Politicos
Paulinho da Força é condenado a 10 anos de prisão pelo STF
Polícia
Jamil Name estará de volta para o presídio de Campo Grande, MS.
Marquinhos Trad
Prefeito de Campo Grande realiza ato de incineração de 200 pipas e 280 carretéis de linha.