Menu
Busca Sex, 10 de julho de 2020
(67) 9.9928-2002
Campo Grande

Juiz determina biossegurança no transporte e água e sabão nos terminai

Decisão manda Prefeitura e Consórcio Guaicurus divulgarem plano de biossegurança e Consórcio deve repor sabonete nos banheiros - CREDITO: CAMPO GRANDE NEWS

27 junho 2020 - 16h00Por Idelueza koinhc

Decisão do juiz José Henrique Neiva de Carvalho e Silva, da 1ª Vara de Direitos Difusos, Coletivos e Individuais Homogêneos de Campo Grande, determina que a Prefeitura e o Consórcio Guaicurus – detentor da concessão do transporte público – apresentem plano de biossegurança em 10 dias e que o Consórcio não deixe faltar água e sabonete nos banheiros.


A decisão acatou parcialmente o pedido feito pelas promotorias 32ª e 25ª, que pediam urgência nas medidas de segurança sanitária frente ao risco de contágio do novo coronavírus nos locais de embarque e desembarque e dentro dos ônibus.

PUBLICIDADE


A ação responsabiliza o Município, Agetran (Agência Municipal de Transporte e Trânsito) e Consórcio. As partes ainda não se manifestaram no processo.

Entre uma série de pedidos com antecipação de tutela de urgência feitos pelo Ministério Público Estadual, o juiz acatou apenas parte deles, ao citar a alegação da Prefeitura e do Consórcio sobre o prazo “impossível” de aplicar todas as medidas.

O que diz a ação - A 32° Promotoria de Justiça fez vistoria no dia 8 de abril nos terminais Morenão e Guaicurus, onde constatou a falta de um plano de biossegurança já que notou aglomerações nos ônibus, filas para entrada nos veículos, sem a devida distância, assim como ausência de material de higienização. Novas fiscalizações foram feitas em 14,15, 28 e 29 de abril.


Também cita a falta de orientação aos usuários (distância nas filas) e funcionários do serviço que, à época, estavam sem máscara de proteção durante o trabalho. Os promotores Fabrício Proença Azambuja e Filomena Aparecida Depolito Fluminhan deram um prazo de 10 dias para que seja elaborado um plano de biossegurança, com normas e regras ao transporte público.

Decisão – Além de determinar que o plano seja elaborado e divulgado em 10 dias, o juiz determina que estabeleçam regras para reforçar a limpeza, “especialmente no ponto de contato com as mãos dos usuários”. Pede que os ônibus sejam higienizados “logo após recolhimento às garagens”, antes das novas jornadas.

O Consórcio deve disponibilizar higiene nos locais de contato com as mãos como balaustras dos terminais. Esses pontos onde as pessoas encostam devem ter água e sabonete ou álcool 70%.

Prefeitura e Consórcio, conforme o juiz, também devem estabelecer regras para a limpeza frequente dos banheiros e reposição do sabonete e do papel.


O Consórcio deve orientar os funcionários do transporte, assim como oferecer álcool em gel, a exemplo dos motoristas de ônibus. Deve, também, estabelecer “política de auto cuidado” para que os funcionários aprendam a identificar sintomas e comuniquem o que pode vir a ser novos casos suspeitos ou confirmados de covid-19.

Parte das regras já foi aplicada pela Prefeitura, que emitiu decretos a respeito. O juiz reforça na determinação, a obrigatoriedade de máscaras entre funcionários e usuários do transporte.

O Consórcio também fica obrigado, conforme a decisão, a colocar orientação clara nos terminais sobre higiene e descarte de materiais de proteção e desinfecção. A decisão determina que não deve ocorrer audiência de conciliação.

Por decreto, o prefeito Marquinhos Trad (PSD) já definiu algumas regras para o transporte público, entre elas que todos os usuários precisam usar máscaras dentro dos veículos e que só podem estar nos ônibus os passageiros sentados e mais cinco de pé. Já nos (veículos) alongados, e aumenta para 7 pessoas

- CREDITO: CAMPO GRANDE NEWS

 

news

Deixe seu Comentário

Leia Também

Brasíl
Casos e mortes por coronavírus no Brasil em 10 de julho, segundo consórcio de veículos de imprensa (atualização das 8h)
Campo Grande
Trad remaneja 70 milhões de reais com conivência dos vereadores
Saúde
ESPECIAL-Bolsonaro aposta em "cura milagrosa" para salvar o Brasil, e própria vida, da Covid-19
Política
Maia diz que é grave Bolsonaro tratar de hidroxicloroquina e que políticos não devem recomendar remédios
Política
Ministro pede investigação da PF com base na Lei de Segurança Naciona
Polícia
Força tarefa da federal cumpre ordens judiciais contra executivos das lojas Ricardo
Brasíl
Bolsonaro veta obrigação do governo em oferecer água, produtos de higiene e leitos a indígenas
Saúde
Brasil tem 1,66 milhão de casos confirmados do novo coronavírus
Saúde
Presidente Jair Bolsonaro testa positivo para covid-19
Políciais Federais
Justiça nomeia peritos para conferir serviços de hospitais de campanha