Menu
Busca Dom, 07 de março de 2021
(67) 9.9928-2002
ABSURDO EM CAMPO GRANDE

Mandato de vereador custa R$ 810,9 mil por ano em Campo Grande

11 janeiro 2019 - 13h57

O mandato de cada vereador de Campo Grande custa R$ 810,9 mil por ano, contabilizando-se os gastos com salários, verba indenizatória e pagamento de funcionários. Os contribuintes pagam R$ 23,5 milhões anuais para manter os 29 parlamentares. O reajuste de 47% nos vencimentos, a partir de 2021, pode elevar o custo para R$ 25,979 milhões.

Este custo inclui o salário do legislador de R$ 15.031,76, a verba indenizatória de R$ 16,8 mil para cobrir despesas gerais e a cota de R$ 33 mil para pagar salários de assessores. Por mês, cada gabinete consome R$ 64,8 mil. O cálculo do valor anual inclui o pagamento de 13º aos funcionários.

O assunto voltou a causar polêmica com a promulgação da lei pelo presidente da Câmara, João Rocha (PSDB), que reajustará em 47% o subsídio do parlamentar a partir de 2021. O valor pode saltar dos atuais R$ 15.031,76 para R$ 22.102,48.

A lei prevê ainda a correção no valor da verba indenizatória, que pode passar de R$ 16,8 mil para R$ 22,1 mil.

Em janeiro de 2017, os vereadores rejeitaram o aumento nos vencimentos e mantiveram os salários em R$ 15 mil.

Só que eles tiveram outro ganho. A verba indenizatória teve aumento de 100%, passando de R$ 8, 4 mil para R$ 16,8 mil. Este dinheiro é destinado para a aquisição de material de expediente, de consumo, locação de móveis, assinaturas de TV a cabo, revistas, jornais, veículos e para elaboração, manutenção, hospedagem e geração de sites, entre outros.

Em junho de 2017, o juiz da 2ª Vara de Direitos Difusos, Coletivos e Individuais Homogêneos, David de Oliveira Gomes Filho, acatou pedido do Ministério Público Estadual e suspendeu o pagamento da verba indenizatória.

No entanto, a 5ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça revogou a liminar e considerou legal o pagamento. Para os desembargadores, a lei veda a acumulação de duas verbas de natureza salarial. Neste caso, os vereadores recebem o subsídio e a indenizatória, que exige a apresentação de notas para comprovar o gasto.

Para o MPE, o gasto deveria ser feito pela Câmara, que representa R$ 5,846 milhões por ano. Neste caso, o serviço deveria ser licitado.

Na defesa dos vereadores, o legislativo argumenta, por meio da assessoria, de que o valor está aquém do previsto na lei. O salário deveria representar 75% do valor pago ao deputado estadual (R$ 25,3 mil). No entanto, o subsídio equivale a 59,3%.

O mesmo ocorre com a verba indenizatória (R$ 16,8 mil), que representa 66% dos R$ 25.322,25 pagos aos deputados estaduais. Pela regra, o valor deveria ser de R$ 18,9 mil.

Mandato de quatro anos custa R$ 94 milhões

Os 29 vereadores de Campo Grande custam R$ 94,073 milhões em quatro anos, considerando-se apenas subsídio, verba indenizatória e a contratação de assessores.

Veja valor destinado a cada vereador:

  • R$ 15.031,76 – subsídio
  • R$ 16.800 – para despesas gerais e são obrigados a apresentar notas para comprovar o gasto
  • R$ 33.000 – para contratar assessores, sendo que cada parlamentar define o valor do salário e o número de funcionários no gabinete

Além deste cálculo, há o gasto com a manutenção da Câmara Municipal, alugue de prédio, pagamento de salários de funcionários efetivos e comissionados, terceirizados, entre outros.

Mesmo com o valor não sendo o previsto em lei, alguns parlamentares querem reduzir os gastos com funcionários e verba indenizatória. André Salineiro (PSDB) definiu como meta gastar menos de 50% com verba indenizatória.

Ele também quer reduzir o quadro de funcionários para o mínimo possível. Ele já dá exemplo ao abrir mão do salário como vereador e receber apenas como policial federal, do qual está licenciado para exercer o mandato.

André Salineiro abriu mão do salário de vereador e ainda vai reduzir os gastos com funcionários e verba indenizatória neste ano (Foto: Divulgação)

Outros vereadores brigam por reajustar os próprios salários e ainda brigam para elevar os vencimentos pagos pelo legislativo. O pior de tudo é que não ganham pouco, coisa acima dos R$ 30 mil por mês.

A economia pode ser revertida aos cofres municipais. No ano passado, Rocha devolveu R$ 7 milhões do duodécimo à prefeitura. Em 2017, o legislativo devolveu R$ 5,9 milhões.

O destino da grana devolvida vai ser definido pelo prefeito Marquinhos Trad (PSD). Talvez o melhor seria se os vereadores decidissem onde o dinheiro seria utilizado, porque teriam algo concreto para mostrar à sociedade a importância da economia e do valor devolvido.

E até teriam direito, se a lei permitir, colocar na placa que a creche, o posto de saúde ou a rua pavimentada foram viabilizados graças ao empenho do legislativo em reduzir seu custeio.

 

 

 

 

 

fonte:ojacare

 
 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Campo Grande
Família deixa ração para cães, mas abandona idosa trancada e só com arroz azedo
Justiça
Após denúncia de suposto pagamento de propina a desembargadores, juíza encaminha autos envolvendo padre Robson para o STJ
Brasil e Mundo
Ministério decreta situação de emergência ambiental prévia
Meio Ambiente
FundturMS faz visita técnica à Estrada Parque de Piraputanga e identifica potencialidades da região
Meio Ambiente
Temporada de pesca começa com alto índice de conscientização ambiental
Interior
Ribas do Rio Pardo receberá Seção Comunitária de Bombeiros
Mato Grosso do Sul
Já faltam leitos nos hospitais da macrorregião de Campo Grande
Campo Grande
Hemosul de Campo Grande abre o dia todo neste sábado; unidade precisa de sangue O- e O+
Interior
Agesul interdita parcialmente ponte na MS-243, no Nabileque
Mortes por Coronavirus no Brasil
Brasil virou referência de bagunça de politicos, vírus, infeção, falta de estrutura e mortes.