Menu
Busca Dom, 26 de setembro de 2021
(67) 9.9928-2002
Alerta

Mesmo após vacinação, uso de máscara e distanciamento social precisam ser mantidos, alerta SES

16 fevereiro 2021 - 07h00Por NV/PMS

A vacinação contra o coronavírus está avançando em Mato Grosso do Sul. Até o dia 09 de fevereiro 80,3 mil pessoas foram imunizadas, o que corresponde a mais de 50% da meta prevista para a Fase 1 da campanha. Com isso, o alerta da Secretaria de Estado de Saúde (SES) é para que a população mantenha os cuidados de biossegurança mesmo após receber a vacina.

Ana Paula recomenda a manutenção da máscara e do distanciamento, mesmo pós-vacina 

“A manutenção do uso da máscara de proteção e o distanciamento é importante, mesmo após a vacinação, tanto na primeira como na segunda dose, visto que precisamos de um quantitativo muito grande da população imunizada para que tenhamos um respiro”, alerta a gerente técnica de Imunização da SES, Ana Paula Rezende Goldfinger.

Segundo a especialista, as vacinas têm o propósito de estimular o sistema imunológico, pois ao serem aplicadas introduzem vírus ou bactérias inativas ou atenuadas no organismo e fazem com que o sistema imunológico reconheça agentes que causam doenças, produzindo anticorpos que evitam acometimentos mais sérios ou até mesmo a morte. Com isso, a especialista conclui que as vacinas são seguras.

“Os imunizantes são rigorosamente testados e avaliados até que possam ser liberados e ofertados para população, com isso, têm eficácia comprovada, prevenindo doenças e em alguns casos erradicando-as, como é o caso da poliomielite, que não existe no Brasil desde o início dos anos 90 devido às políticas de prevenção do Ministério da Saúde. Portanto, não precisamos ter resistência quanto a sua eficácia”, reforça a gerente da SES .

Especialista atesta segurança da vacina contra a covid-19

Sobre as reações, ela explica que após a aplicação algumas poucas pessoas podem desenvolver sintomas de reação adversa, uma vez que as vacinas são medicamentos e podem causar algum incômodo, dor, febre local ou outro sintoma. “Mas reforçamos que o risco de possível evento adverso e muito pequeno perto dos benéficos ofertados por uma vacina, ainda mais nos dias atuais”. Até o momento, apenas dois profissionais de saúde registraram reações graves da vacina.

Já a infectologista integrante do COE/MS (Centro de Operações Emergenciais), Mariana Croda, afirma que: "as vacinas são, na verdade, pequenas partes do vírus que vão fazer com o que corpo entenda, que faça esse reconhecimento e gere anticorpos, ficando então imunizados. Nós temos anticorpos produzidos especificamente contra esse vírus, então isso já é uma técnica que usamos há muitos anos, nós temos várias vacinas semelhantes. Então não temos o que temer”.

O exemplo citado por Mariana Croda se refere as demais virais já aplicadas há muitos anos. “Temos exemplos de vacinas que são seguras e que usamos há muitos anos como a Influenza, vacina do sarampo. A gente acredita que a vacina é eficaz e segura. E mais: não é somente o Brasil que vai usar essa vacina, a estratégia é que tenhamos outras variedades da vacina tanto no público, como no privado”.

Ana Brito, Subcom
Fotos: Chico Ribeiro e Saul Schramm 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Campo Grande
Croquete de mandioca com carne: petisco saboroso e prático
Politicos
Vai vendo Brasil!
Religiosos
Padre é preso por desviar dinheiro da igreja para orgias gays e drogas
Brasil e Mundo
Covid-19: Brasil registra 19,4 mil casos e 699 mortes em 24h
Justiça
STF decide se os estados devem pagar hospitais pela tabela SUS
Geral
Anatel aprova leilão da exploração do acesso móvel na tecnologia 5G
Inclusão
Índice reúne dados sobre a inclusão de brasileiros com deficiência
Campo Grande
Preso em ação contra corrupção em MS era o 'braço direito' do ex-prefeito e 'quem assinava os cheques', diz polícia
Operação Policial
Polícia Federal faz operação para combater fraude no INSS do Amazonas
Campo Grande
Ameaça de delação de Gilmar Olarte causa 'espanto', afirma procurador-chefe do MP