Menu
Busca Sáb, 31 de julho de 2021
(67) 9.9928-2002
JUSTIÇA

Moro ironiza críticas a projeto: "Daqui a pouco só é preso se concordar"

25 fevereiro 2019 - 16h59

O ministro da Justiça, o ex-juiz Sergio Moro, defendeu hoje a ampliação dos casos em que a Justiça pode extrair a identificação genética de condenados criminalmente.

Este é um dos pontos defendidos nos projetos de lei apresentados pelo governo com o objetivo de facilitar o combate ao crime organizado e à corrupção.

 

O ministro usou de ironia para rebater o argumento de que a obrigação do fornecimento de material genético pelos condenados poderia contrariar princípios da Constituição Federal.

 

"Há alguns que argumentam que colher o perfil genético é inconstitucional. Particularmente, eu vejo que é [como uma] busca e apreensão de um vestígio corporal. Se é inconstitucional, então também é inconstitucional colher impressão digital", disse Moro.

 

"Porque, se a pessoa não é obrigada a fazer nada, então também não pode ser obrigada a fornecer impressão digital. E nós, daqui a pouco, vamos caminhar num sentido de que alguém só é preso e levado à cadeia se concorde. Não é assim, não vai a tanto esses direitos relativos ao acusado, ao condenado", afirmou o ministro.

 

Hoje, a legislação prevê que apenas os condenados por crimes praticados com violência grave ou por crimes hediondos terão o perfil genético identificado. 

 

O projeto de Moro amplia a identificação pelo DNA a todos os condenados por crimes dolosos (praticados com o conhecimento de que a ação era ilícita), sem restringir a obrigatoriedade aos crimes violentos ou hediondos. 

 

O ministro defendeu a medida como uma forma de aumentar a efetividade das investigações policiais. 

 

"O que isso significa? Que, se o criminoso pratica um crime e ele deixa qualquer vestígio corporal no local, isso pode ser cruzado com o banco de dados, o que aponta um possível responsável se esse perfil [genético] tiver sido extraído anteriormente", disse. 

 

"O potencial, portanto, de resolução de casos do Banco Nacional de Perfis Genéticos é muito grande", afirmou o ministro.

 

Segundo Moro, enquanto o Brasil possui cerca de 30 mil perfis genéticos catalogados, o Reino Unido possui 6 milhões, e os Estados Unidos, 13 milhões.

 

A Constituição afirma que o preso possui o direito de "permanecer calado" em investigações contra si, o que é interpretado pela Justiça, de forma geral, como uma garantia aos investigados de que eles não são obrigados a fornecer provas que os incriminem. A aplicação desse princípio costuma ser analisada caso a caso pela Justiça.

 

O ministro fez as afirmações durante palestra realizada pelo CNJ (Conselho Nacional de Justiça) sobre a atuação do Judiciário na área de segurança pública. 

 

Moro afirmou que a atuação do Ministério será focada em três pontos: o combate à corrupção, às organizações criminosas e o aumento na integração das atividades de segurança do governo federal, estados e municípios, incluindo a realização de operações conjuntas entre as diferentes polícias. 

 

Um dos projetos em estudo pelo Ministério da Justiça é a celebração de um tipo de contrato entre governo federal, estados e municípios para dividir tarefas na segurança. Segundo Moro, o modelo é adotado com sucesso em países da Europa. No Brasil, a ação seria iniciada pelas cidades com maiores índices de criminalidade.

 

 

 

 

 

 

 

 

Informações Site Uol

 

vacina sim

Deixe seu Comentário

Leia Também

Mato Grosso do Sul
Inscrições prorrogadas para a segunda edição do Prêmio Inova
Oportunidade
Estão abertas as inscrições para curso de idiomas na UEMS
Brasília
PP não vai aceitar filiação de Bolsonaro
Dourados
Agesul retira mais de 800 toneladas de lixo das margens da MS-156 em Dourados
Interior
SubsRacial leva Campanha Julho das Pretas a Rochedo, com temas de saúde e educação
Mato Grosso do Sul
Temperaturas voltam a subir e ar seco segue predominando nesta quarta-feira
Mato Grosso do Sul
Governo investe R$ 5,8 milhões na pavimentação da MS-455, criando novo acesso a Capão Seco
Interior
Corpo de Bombeiros monitora incêndios com imagens de satélite e amplia fiscalização em áreas de focos
Campo Grande
Até quando a massa de ar frio polar vai atuar em Mato Grosso do Sul?
Esportes
Hoje é Dia: nota 10 de Comaneci e Dia do Futebol marcam semana