Menu
Busca Ter, 03 de agosto de 2021
(67) 9.9928-2002
DENÚNCIA

MPE denúncia ex-vereador por “ganhar” caminhonete de R$ 150 mil de empresa

01 março 2019 - 17h30

O Ministério Público Estadual denunciou o ex-vereador Roberto Santos Durães (PSC) por improbidade administrativa por ter “ganho” caminhonete avaliada em R$ 150 mil em 2016. Interceptação de conversa telefônica captada na Operação Antivírus, que apontou megaesquema de corrupção no Detran, mostra que o então parlamentar exigiu o veículo da empresa Digix.

Além de Durães, o MPE denunciou a Digix, os sócios Jonas Schimidt das Neves e Suely Aparecida Carrilhos de Almoas Ferreira e a funcionária Danielle Corrêa Maciel Rigotti. Eles podem ser condenados por improbidade administrativa, ter os direitos políticos suspensos de oito a dez anos, perder eventual função pública e pagar multa civil de cem vezes a remuneração, que pode chegar a R$ 1,5 milhão no caso do ex-vereador.

Esta denúncia é desmembramento da ação protocolada em 23 de agosto do ano passado na 2ª Vara de Direitos Difusos, Coletivos e Individuais Homogêneos. Na ocasião, o juiz David de Oliveira Gomes Filho determinou o desmembramento do processo. A outra já revelada é do pagamento de funcionário fantasma pela Assembleia Legislativa para cuidar do filho do ex-deputado Ary Rigo (PSDB).

Durães era suplente de vereador em 2014, quando procurou a Digix e pediu a caminhonete para fazer campanha para deputado estadual. A história foi revelada em conversa telefônica entre Danielle e o empresário José do Patrocínio Filho, da Pirâmide Informática.

 Em 2016, quando já tinha sido efetivado como vereador, ele voltou a pedir favores à empresa. Danielle contou que o veículo foi doado. No entanto, a doação foi oculta por uma simulação de compra e venda.

Ao Gaeco, Roberto Durães admitiu o empréstimo do veículo entre 2014 e 2016, mas porque a superintendente da Digix, Suely Ferreira, gostava “de seu jeito e ideias”. Só não contou se a empresária concordava com suas ideias de esquerda, quando era do PT, ou de extrema direita, quando se filiou ao PSC.

De acordo com o promotor, o ex-vereador disse que adquiriu a caminhonete por R$ 150 mil em espécie, mas não comprovou o pagamento nem a origem do dinheiro.

Para o promotor Adriano Lobo Viana de Resende, o ex-vereador praticou corrupção passiva e afrontou os princípios da administração pública.


Empresa e donos também foram denunciados por caso envolvendo ex-vereador (Foto: Arquivo)

Com informações, O Jacaré.

CORONA 3

Deixe seu Comentário

Leia Também

Mato Grosso do Sul
Inscrições prorrogadas para a segunda edição do Prêmio Inova
Oportunidade
Estão abertas as inscrições para curso de idiomas na UEMS
Brasília
PP não vai aceitar filiação de Bolsonaro
Dourados
Agesul retira mais de 800 toneladas de lixo das margens da MS-156 em Dourados
Interior
SubsRacial leva Campanha Julho das Pretas a Rochedo, com temas de saúde e educação
Mato Grosso do Sul
Temperaturas voltam a subir e ar seco segue predominando nesta quarta-feira
Mato Grosso do Sul
Governo investe R$ 5,8 milhões na pavimentação da MS-455, criando novo acesso a Capão Seco
Interior
Corpo de Bombeiros monitora incêndios com imagens de satélite e amplia fiscalização em áreas de focos
Campo Grande
Até quando a massa de ar frio polar vai atuar em Mato Grosso do Sul?
Esportes
Hoje é Dia: nota 10 de Comaneci e Dia do Futebol marcam semana