Menu
Busca Sex, 24 de janeiro de 2020
(67) 9.9928-2002
Adoção

Mulher tenta na Justiça em MS colocar na identidade nome de duas mães de criação

04 abril 2018 - 09h45Por Redação Notícias VIP
Uma mulher sonha em poder carregar, no documento de identidade, o nome de duas mães e um pai. Esta é a história da aposentada Lucyana Gutierrez, que já anos busca na Justiça a autorização para mudar o registro. "Fui adotada por duas mulheres, uma delas casou e aí eu vivi com os três", disse.

Na época, em 1974, Luciana só foi registrada por uma das mulheres. A mãe Nena, como ela chamava. Após 35 anos, ela deu entrada no pedido de registro de outra mãe de criação, a mãe Fausta. "Quando eu vi que podia, já entrei nisso e perdi várias vezes", comenta.

Após a morte das duas mulheres, Luciana conta que sofreu rejeição do pai de criação. Hoje ela também luta para ter o nome dele, mas, ainda não conseguiu. "Teve muito sofrimento e a minha esperança foi enfraquecendo", lamentou.

Em 2014, no entanto, ela teve uma nova chance e passou 4 anos juntando provas. Fotos, testemunhas e outros fatos para convencer a Justiça. Nesse último mês de março, ela conseguiu o direito e o processo entrou na fase de recurso. Se a família não se manifestar, ela pode ter enfim o tão sonhado nome da mãe Fausta na sua identidade. "É um sonho", finalizou.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Campo Grande
Quando o prefeito não trabalha, a população sofre sem serviço público.
Cigarro contrabandeado
Choque apreende veículo abarrotado de cigarro
Judiciário solta suspeito de crimes de mando
A fiança foi arbitrada em 80 mil e o preso pagou imediatamente
Sorte ou Azar
Mega-Sena acumula e deve pagar R$ 40 milhões no sábado
Futebol
O assassino quer voltar ao futebol, mas está difícil.
Internacional
Indiano morre após ataque de Galo
Economia
China pressiona margens de produtores de carne bovina e impacta frigoríficos brasileiros
Campo Grande
Os buracos do prefeito Trad
Política
Juiz quebra sigilo de Marquito por suspeita de "rachadinha"
Fronteira violenta
Jovem foi morto por pistoleiros na fronteira