Menu
Busca Qua, 16 de outubro de 2019
(67) 9.9928-2002
POLÍTICA

Nome de Eduardo Bolsonaro causou perplexidade no Itamaraty

Apesar disso, diplomatas experientes avaliam que amizade de deputado com Ivanka Trump pode ser vantagem

12 julho 2019 - 12h00

BRASÍLIA - A notícia de que o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) poderá ser o novo embaixador brasileiro em Washington causou perplexidade no Itamaraty. Segundo diplomatas ouvidos pelo GLOBO, até esta quinta-feira havia a expectativa que o escolhido pelo presidente Jair Bolsonaro fosse um funcionário da carreira, como Nestor Forster, encarregado de negócios da embaixada nos Estados Unidos e com cerca de 30 anos de experiência na área.

Apesar da surpresa, diplomatas experientes avaliam que Eduardo Bolsonaro pode ter vantagens que poderão ser aproveitadas diplomaticamente nas relações entre Brasil e EUA . A principal delas consiste no fato de o presidente Donald Trump conhecê-lo pessoalmente. O parlamentar é, inclusive, amigo pessoal de uma das filhas de Trump, Ivanka Trump, bastante influente no governo americano.

— Eduardo Bolsonaro já tem todas as portas abertas para ele nos EUA. Ele conhece todo mundo — disse uma graduada fonte do governo brasileiro, referindo-se aos contatos que o deputado mantém com políticos americanos conservadores e formadores de opinião.

Uma outra fonte ligada ao Palácio do Planalto revelou que a ideia de colocar Eduardo à frente da embaixada foi sugerida recentemente a Jair Bolsonaro. A sugestão foi levada ao presidente da República por conselheiros "próximos e muito familiarizados" com a política americana.

Em Brasília, comenta-se no Itamaraty que, salvo se a Casa Branca já soubesse informalmente a respeito da possível ida do filho do presidente brasileiro para Washington, o governo brasileiro cometeu uma gafe diplomática. Isto porque ajudou a tornar pública a informação antes mesmo de Washington conceder a autorização ao nome do deputado,o chamado agrément.

Apesar da simpatia que desperta em Trump e no governo americano, Eduardo Bolsonaro tem como desvantagem a pouca experiência em relações internacionais, segundo fontes da área diplomática. Além da pouca idade para se tornar um embaixador —  ele tem 35 anos, a idade mínima para o cargo—,  o filho do presidente da República só começou a se familiarizar com essa área há pouco menos de um ano. Essa realidade preocupa embaixadores.

 

Com informações, O Globo.

Deixe seu Comentário

Leia Também

OPERAÇÃO OMERTA
Policial federal e mais sete envolvidos em milícia tem prisão preventiva decretada
Covardia
Policial flagra perseguição e 2 são presos após roubarem mulher que caminhava com namorado na Orla
"Morto estava vivo"
Morto grita para sair de caixão e leva familiares às gargalhadas
Policia
Polícia do Rio prende suspeito de usar gás para lavar dinheiro
18 toneladas
Polícia incinera em MS 18,3 toneladas de drogas apreendidas na região de fronteira em dois meses
Policia
Jovem cai em golpe pelo WhatsApp e deposita dinheiro para estelionatário em MS
Justiça
Acusado de matar ex-sogra em MS é considerado inimputável e irá para internação
Política
"Eu quero provar que Moro é o bandido, não eu", diz Lula à RTP
Famosos
16 de outubro : aniversário de 90 anos de Fernanda MontenegroConfira alguns momentos marcantes deste dia!
Frota sugere Pabllo Vittar para ministério: ‘No lugar da Damares, faria melhor’