Menu
Busca Sex, 10 de julho de 2020
(67) 9.9928-2002
Campo Grande

Pacientes reclamam que não conseguem fazer testes de covid-19

Para não dar o falso negativo, os testes rápidos são indicados, preferencialmente, após o 10º dia do início dos sintomas

27 junho 2020 - 11h00Por Denúncia do povo

Algumas pessoas que procuraram o polo de atendimento a pacientes com suspeita do novo coronavírus (covid-19), instalado no Parque Ayrton Senna, no Bairro Aero Rancho, na manhã deste sábado (27), não conseguiram fazer o teste rápido por não apresentar sintomas há mais de sete dias.


Para não dar o falso negativo, os testes rápidos são indicados, preferencialmente, após o 10º dia do início dos sintomas de síndrome respiratória, como tosse, dificuldade para respirar, congestão nasal e dor de garganta.


Moradora do Bairro Santo Eugênio, a babá Edilene da Rocha, 19 anos, foi uma das que não conseguiu fazer o teste. Com perda do paladar e olfato, tosse e falta de ar desde sexta-feira retrasada, a jovem disse que foi encaminhada pela equipe para uma UPA fazer hemograma e VHS (exame de sangue muito utilizado para detectar alguma inflamação). “Vou procurar um posto de saúde perto da minha casa para fazer os exames”, disse.

Uma paciente de 41 que pediu para não ter o nome divulgado também não conseguiu fazer o teste na filha de 20 anos. A mulher conta que foi testada positivo para covid-19 nesta sexta-feira ao fazer o exame na clínica onde trabalha. O resultado saiu depois de 24 horas. Preocupada, levou a filha para fazer o teste nesta manhã no polo, mas não conseguiu.

 

Movimentação de pacientes e de profissioais de saúde na manhã deste sábado (Foto: Kisie Aionã)
“Eles explicaram que não tem como fazer agora porque pode dar um falso negativo. O exame tem que ser feito depois de 8 a 10 dias de contato com a pessoa infectada”, explicou. Mesmo assim, a mulher ia procurar uma clínica particular para fazer o exame na filha. "Vou fazer por desencargo".

Coordenador do polo, o médico Vinícius Ladeira Fonseca explicou que são realizados dois testes no local: o de swab (cotonete que coleta amostras no nariz) e o teste rápido (de sangue que faz um furinho no dedo). O primeiro exame vai para o Lacen (Laboratório Central de MS)  e o resultado fica pronto cerca de 7 dias depois. O teste rápido sai em 15 minutos.


O profissional explicou os critérios utilizados para fazer o exame e a escolha dos testes com aplicações diferentes. A questão é que os anticorpos só começam a ser produzidos em torno de sete a 10 dias depois da infecção.

Nos dois primeiros dias, segundo o médico, os testes acabam não pegando, do 3º ao 7° dia, o ideal seria o swab. Já a partir do 8º dia, preferencialmente a partir do 10º, para aumentar a sensibilidade, tem a indicação do teste rápido que fica pronto em 15 minutos. “Tem todo o trabalho de conscientização para a pessoa não fazer o teste no período inadequado e receber o que chamamos de falso negativo”, afirmou.

Além disso a denúncia de que a locação das tendas e aparelhos suscitam dúvidas quanto à moralidade, sobrepreço e pertencente a parente do prefeito.

 

 

 

 

 

 

- CREDITO: CAMPO GRANDE NEWS

RACISMO NÃO!

Deixe seu Comentário

Leia Também

Brasíl
Casos e mortes por coronavírus no Brasil em 10 de julho, segundo consórcio de veículos de imprensa (atualização das 8h)
Campo Grande
Trad remaneja 70 milhões de reais com conivência dos vereadores
Saúde
ESPECIAL-Bolsonaro aposta em "cura milagrosa" para salvar o Brasil, e própria vida, da Covid-19
Política
Maia diz que é grave Bolsonaro tratar de hidroxicloroquina e que políticos não devem recomendar remédios
Política
Ministro pede investigação da PF com base na Lei de Segurança Naciona
Polícia
Força tarefa da federal cumpre ordens judiciais contra executivos das lojas Ricardo
Brasíl
Bolsonaro veta obrigação do governo em oferecer água, produtos de higiene e leitos a indígenas
Saúde
Brasil tem 1,66 milhão de casos confirmados do novo coronavírus
Saúde
Presidente Jair Bolsonaro testa positivo para covid-19
Políciais Federais
Justiça nomeia peritos para conferir serviços de hospitais de campanha