Menu
Busca Sex, 30 de outubro de 2020
(67) 9.9928-2002
Rio de Janeiro

Pastor Everaldo e filhos são presos em operação que afastou Witzel do governo de RJ

Por meio de nota, pastor disse que pediu na semana passada ao STJ para ser ouvido e que foi surpreendido com sua prisão.

28 agosto 2020 - 11h00Por G1 Rio de Janeiro

 

Deacordo com documento que acompanha as diligências autorizadas pelo ministro, Everaldo seria líder de um dos grupos que compõem uma "sofisticada organização criminosa" que tem "o objetivo comum de desviar recursos públicos e realizar a lavagem de capitais, dentre outros crimes".

Segundo documento, Everaldo comanda o segundo braço da organização "como se proprietário fosse, alguns setores da Administração Pública do Estado do Rio de Janeiro, principalmente sobre as contratações e orçamentos da Cedae, Detran e da pasta da saúde do Estado do Rio de Janeiro".

 

Também integram o grupo do pastor Victor Hugo Amaral Cavalcante Barroso, operador financeiro, responsável por "efetuar contatos com agentes públicos e empresários, indica as empresas e organizações sociais que devem ser contratadas pela secretaria de Saúde do Rio de Janeiro"; e Edson Torres, que segundo Edmar Santos, é o dono de fato de empresas contratadas pelo Estado e foi o responsável por indica-lo ao cargo de Secretário de Estado da Saúde do Rio de Janeiro para que pudesse exercer influência sobre a pasta.

Laércio e Filipe Pereira, filhos do pastor Everaldo, também integram o grupo. Os dois foram presos.

Um relatório de inteligência financeira revelou que o pastor Everaldo realizou a compra de um imóvel no valor de R$ 2.050.000,00, usando valor em espécie para pagar parte do imóvel adquirido. Além disso, detectou que a empresa EDP Corretora de Seguros, que tem o pastor e seus filhos como sócios, “realizou dezenas de depósitos em espécie, em valor fracionado, de modo a dissimular o total da movimentação, em atividade típica de lavagem de capitais”.

O que dizem os citados

 

O pastor Everaldo Pereira disse que pediu na semana passada ao STJ para ser ouvido. E que foi surpreendido nesta sexta-feira (28) com sua prisão e com a busca e apreensão realizadas em seus endereços (confira abaixo a íntegra da nota).

Também por meio de nota, o PSC informou que o ex-senador e ex-deputado Marcondes Gadelha, vice-presidente nacional da legenda, assume provisoriamente o cargo de presidente. O calendário eleitoral do partido segue sem alteração.

O PSC informa ainda que confia na Justiça e no amplo direito à defesa de todos os cidadãos e que o pastor, assim como o governador Wilson Witzel, sempre estiveram à disposição das autoridades.

O pastor seria ouvido por uma comissão da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) que investiga gastos públicos durante a pandemia do coronavírus.

A defesa de Laércio e Filipe disse que “a prisão temporária que recai sobre os filhos do Pastor Everaldo é extremamente injusta e desnecessária". "A ordem se deu apenas para serem ouvidos, mas poderiam ter sido intimados que atenderiam à intimação e prestariam todos os esclarecimentos", disse o advogado.

Nota oficial do pastor Everaldo

 

"O Pastor Everaldo informa que, no dia 19 de agosto, encaminhou petição ao STJ solicitando para ser ouvido.

Na manhã desta sexta-feira, foi surpreendido com sua prisão e com a busca e apreensão realizadas em seus endereços.

Após ser preso, o Pastor Everaldo pediu para ser ouvido ainda hoje. O depoimento, no entanto, só deve acontecer na próxima segunda-feira, dia 31.

O Pastor Everaldo reitera sua confiança na Justiça."

 

História na política

 

Além de presidente nacional do PSC, partido do governador Wilson Witzel, desde 2015, o pastor Everaldo também já foi chefe da Casa Civil de Antonhy Garotinho.

Em 2014, foi candidato à Presidência da República sem nunca ter ocupado um cargo político. Na época, ele era pastor da igreja Assembléia de Deus do Ministério Madureira. Ele também já foi deputado federal e candidato ao Senado Federal.

Três anos depois da candidatura à presidência, em 2017, Everaldo foi citado na delação de um executivo da Odebrecht. Na época, o funcionário da empreiteira afirmou que a empresa repassou R$ 6 milhões para a campanha do pastor para que ele ajudasse a candidatura de Aécio Neves pelo PSDB.

Na ocasião, o Pastor Everaldo afirmou que sua campanha "foi bastante modesta, com gastos de R$ 1,4 milhão" e que as doações "obedeceram a legislação vigente".

Entre 2016 e 2018, Everaldo também foi companheiro de partido de Jair Bolsonaro. O pastor chegou a batizar o presidente nas águas do Rio Jordão em 2016.

Pastor Everaldo foi preso na manhã desta sexta-feira (28) pela Polícia Federal — Foto: Reprodução/ TV Globo

 

Witzel afastado

 

O governador Wilson Witzel e outras oito pessoas, incluindo o Pastor Everaldo, foram denunciados pela Procuradoria-Geral da República (PGR) por corrupção.

No total, são 17 mandados de prisão, sendo 6 preventivas e 11 temporárias, e 83 de busca e apreensão.

Não há ordem de prisão contra o governador. As diligências foram autorizadas pelo ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ) Benedito Gonçalves.

 

 

A defesa de Witzel disse que "recebe com grande surpresa a decisão de afastamento do cargo, tomada de forma monocrática e com tamanha gravidade".

 

"Os advogados aguardam o acesso ao conteúdo da decisão para tomar as medidas cabíveis", diz a nota.

A acusação leva em conta pagamentos efetuados por empresas ligadas ao empresário Mário Peixoto ao escritório de advocacia de Helena Witzel, mulher do governador.

Também são objeto da denúncia pagamentos feitos por empresa da família de Gothardo Lopes Netto, médico e ex-prefeito de Volta Redonda, ao escritório da primeira-dama.

Conforme consta da acusação encaminhada ao STJ, a contratação do escritório de advocacia consistiu em artifício para permitir a transferência indireta de valores de Mário Peixoto e Gothardo Lopes Netto para Wilson Witzel.

A operação, batizada de Tris in Idem, é um desdobramento da Operação Favorito e da Operação Placebo -- ambas em maio, e da delação premiada de Edmar Santos, ex-secretário de Saúde.

O nome é uma referência ao terceiro governador que, segundo os investigadores, faz uso de um esquema semelhante de corrupção – em menção oculta aos ex-governadores Sérgio Cabral e Luiz Fernando Pezão.

Com o afastamento do governador Wilson Witzel (PSC-RJ), o vice Cláudio Castro deve ocupar o principal cargo do governo estadual, inicialmente, pelos próximos seis meses. Castro também é alvo de investigação na Operação Tris in Idem, mas não há determinação de afastamento do vice-governador -- só mandados de busca e apreensão na residência oficial.

 

Castro começou na política em 2004 como chefe de gabinete do então vereador Márcio Pacheco (PSC). Ele cumpria seu segundo mandato como vereador quando foi indicado pelo Pastor Everaldo para formar a chapa com Witzel para concorrer ao governo do estado.

 

Por Bette Lucchese, Arthur Guimarães, Leslie Leitão, Marco Antônio Martins e Henrique Coelho, G1 Rio e TV Globo

news

Deixe seu Comentário

Leia Também

Saúde
Brasil registra 508 novas mortes por Covid-19 e total de óbitos vai a 159.477
Brasil
Contas públicas têm déficit de R$ 64,5 bilhões em setembro, diz BC
Judiciário
Justiça do RJ condena desembargadora a pagar indenização por calúnia contra Marielle
Brasil e Mundo
Congresso da Bolívia aprova recomendação de processo contra presidente Jeanine Ánez
Brasil
Mourão aposta que governo comprará vacina chinesa: “Lógico que vai”
Internacional
Milhares de muçulmanos protestam contra comentários de Macron
Brasil
Banco Mundial aprova empréstimo de US$ 1 bi para ampliar Bolsa Família
Brasil e Mundo
Reino Unido louva abordagem "escalonada" contra a covid
Geral
Falta de manutenção contribuiu para acidente aéreo que matou Boechat
Brasil
Desemprego chega a 14,4% no trimestre encerrado em agosto