Menu
Busca Qua, 18 de setembro de 2019
(67) 9.9928-2002
Política

Portaria de Moro sobre deportação sumária fere 'dignidade humana'

Raquel Dodge criticou a Portaria 666 que permite deportação sumária e veda o ingresso no país de estrangeiros suspeitos de envolvimento em crimes específicos, como terrorismo e exploração sexual infantil

13 setembro 2019 - 08h08

Aprocuradora-geral da República, Raquel Dodge, se manifestou contra a Portaria 666, do ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, que permite deportação sumária e  veda o ingresso no país de estrangeiros suspeitos de envolvimento em crimes específicos, como terrorismo e exploração sexual infantil. Ela afirma que o dispositivo ofende o princípio da "dignidade humana".

Em Ação de Descumprimento de Preceito Fundamental ao Supremo Tribunal Federal, a procuradora-geral afirma que, "ao criar as anômalas figuras da 'deportação sumária' e do 'repatriamento' 'por suspeita', não condizentes com a abrangência delimitada pela normativa legal e constitucional". "Em suma, a portaria exorbita o espaço normativo reservado pela Constituição à regulamentação".

"Com isso, a um só tempo, fere os princípios da dignidade humana e da igualdade; viola os direitos à ampla defesa, contraditório, devido processo legal e presunção de inocência de estrangeiros; fragiliza o direito ao acolhimento; e ofende os princípios da publicidade, da liberdade de informação e do acesso à justiça", diz Raquel.

Para Raquel, "não é mais possível, então, que os estrangeiros sejam tratados de modo discriminatório, sem respeito a direitos básicos, que são verdadeiros preceitos fundamentais da República brasileira".

 

De acordo com a PGR, a portaria 666 deve provocar dois efeitos:

"(i) impede a entrada de estrangeiros no território nacional e, caso já tenham ingressado, mesmo que estejam regulares e ainda em gozo de prazo de estadia,

(ii) permite que tenham sua permanência legítima abruptamente rompida, com deportação a ser realizada por intermédio de rito sumário. Assim, a partir da edição da Portaria n. 666, os estrangeiros não possuem mais a previsibilidade de permanência no Brasil pelo prazo concedido pelas próprias autoridades públicas".

Raquel afirma que "não há mais segurança jurídica aos estrangeiros, não importando qual seja a relevante atividade por eles desempenhada no território nacional". "Podem ter sua autorização de estadia cancelada e ser submetidos à deportação sumária, que, como o nome indica, possui ainda um rito abreviado e célere".

"O uso do termo genérico 'envolvimento' (ao invés dos termos usuais na prática dos crimes lá descritos, como 'autoria', 'coautoria', ou até mesmo 'participação') consagra a insegurança e a sujeição do estrangeiro ao arbítrio da autoridade pública", sustenta.

"Esse exemplo serve de comprovação da ofensa feita por tal dispositivo ao princípio da dignidade humana gerada pela edição da citada Portaria", diz.

Com informações, Política/Notícias ao Minuto.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Política
Eduardo Bolsonaro diz que vai processar Facebook e Instagram
Paralisação
Funcionários dos Correios suspendem paralisação em todo o país
Leilão em MS
Leilão tem desde iPhone, brinquedos até videogames
Humildade é tudo!
Garoto comemora aniversário de 4 anos com garis em Rondonópolis (MT)
Justiça
TSE determina: “Candidaturas laranjas” devem levar à cassação de toda a chapa
Campo Grande
Sujeira e buracos novos aparecendo no mesmo lugar
Sorte ou azar!?
Mega-Sena pode pagar prêmio de R$ 120 milhões nesta quarta
Onde vai para este mundo!
Casal é preso suspeito de espancar até morte bebê de 1 ano e 7 meses em MS
Prova de fogo!
Bombeiros do DF devem chegar na quinta para reforçar combate aos incêndios em Mato Grosso do Sul
Aliado de Bolsonaro
Netanyahu volta a atacar árabes em discurso após eleições em Israel