Menu
Busca Sex, 30 de julho de 2021
(67) 9.9928-2002
Brasil

Protestos contra morte de jovem em supermercado mobilizam centenas

Manifestações ocorrem em seis cidades do Brasil

18 fevereiro 2019 - 07h00

Atos organizados em pelo menos seis cidades pelo país neste domingo (17) protestaram contra a morte de um jovem de 19 anos num supermercado da rede Extra, no Rio de Janeiro.

Os manifestantes carregavam cartazes com frases como "vidas negras importam", "minha cor não é de luto", "o ódio mata" e "Extra assassino".

Movimentos sociais também engrossaram os protestos, que criticaram o alto índice de assassinatos de jovens negros no país.

Pedro Henrique Gonzaga morreu na quinta-feira (14), após ser imobilizado por um segurança do Extra na Barra da Tijuca, zona oeste do Rio de Janeiro.    Deitado sobre o jovem -que, segundo familiares, era dependente químico e teve um surto no local-, o segurança permaneceu sobre ele por mais de um minuto, mesmo depois de clientes terem dito que ele estava desacordado e com a mão roxa.

Gonzaga teve uma parada cardiorrespiratória, e o segurança, Davi Ricardo Moreira Amâncio, 32, foi preso em flagrante e indiciado por homicídio culposo.

Foram registrados protestos no Rio de Janeiro, São Paulo, Fortaleza, Curitiba, Belo Horizonte e Campo Grande.

No Rio, o ato ocorreu no estacionamento em frente à unidade onde Gonzaga morreu, e reuniu cerca de 500 pessoas.

Manifestantes se deitaram no chão, na entrada do supermercado, e discursaram em um carro de som, criticando o que chamaram de genocídio de jovens negros e dizendo que não seriam silenciados.

A unidade chegou a fechar por um período, assim como em São Paulo, onde o protesto foi no Extra da Brigadeiro Luís Antônio, próximo à avenida Paulista.

Em Fortaleza, o grupo entrou no supermercado, aos gritos de "me deixa respirar". Os manifestantes deitaram no chão, em frente aos caixas, seguiram em protesto pelos corredores e leram um manifesto, citando também as mortes da vereadora Marielle Franco e Anderson Gomes.

Em nota, o Extra informou que "entende a dor e se solidariza com o sentimento" dos manifestantes, e disse que está contribuindo com a investigação do caso.   "Reforçamos que somos contra todo ato de violência, excessos e de racismo", informou a empresa. "Nada justifica a perda de uma vida."

Os seguranças envolvidos na morte do jovem foram afastados da empresa, que instaurou uma sindicância interna.

Amâncio, que pagou fiança de R$ 10 mil e irá responder ao processo em liberdade, afirmou à polícia que achou que o jovem estivesse fingindo o desmaio. Segundo ele, instantes antes disso, Gonzaga pegou a arma em sua perna e começou a ameaçar as pessoas.

O rapaz seria internado horas depois em uma clínica de recuperação em Petrópolis, na região metropolitana do Rio. A família estava no supermercado para comprar mantimentos. Com informações da Folhapress.

CORONA 3

Deixe seu Comentário

Leia Também

Mato Grosso do Sul
Inscrições prorrogadas para a segunda edição do Prêmio Inova
Oportunidade
Estão abertas as inscrições para curso de idiomas na UEMS
Brasília
PP não vai aceitar filiação de Bolsonaro
Dourados
Agesul retira mais de 800 toneladas de lixo das margens da MS-156 em Dourados
Interior
SubsRacial leva Campanha Julho das Pretas a Rochedo, com temas de saúde e educação
Mato Grosso do Sul
Temperaturas voltam a subir e ar seco segue predominando nesta quarta-feira
Mato Grosso do Sul
Governo investe R$ 5,8 milhões na pavimentação da MS-455, criando novo acesso a Capão Seco
Interior
Corpo de Bombeiros monitora incêndios com imagens de satélite e amplia fiscalização em áreas de focos
Campo Grande
Até quando a massa de ar frio polar vai atuar em Mato Grosso do Sul?
Esportes
Hoje é Dia: nota 10 de Comaneci e Dia do Futebol marcam semana