Menu
Busca Ter, 24 de novembro de 2020
(67) 9.9928-2002
Política

Senado mantém indefinida posse do filho de Chico Rodrigues

29 outubro 2020 - 17h00Por Congresso em foco

O Senado Federal agendou para a próxima semana a posse do suplente do ex-senador Arolde de Oliveira (PSD-RJ), falecido em virtude de complicações da covid-19 na semana passada. O suplente, o advogado Carlos Francisco Portinho, vai tomar posse do cargo em 3 de novembro, em sessão deliberativa marcada para as 16h, segundo informações da Secretaria-Geral da Mesa (SGM).

Filiado também ao PSD, o futuro senador ocupou dois cargos públicos em seu estado: foi secretário municipal de Habitação da capital fluminense, na gestão de Eduardo Paes (DEM), e secretário estadual de Meio Ambiente, no governo Luiz Fernando Pezão. Em 2016 concorreu a cargo de vereador no Rio, recebeu sete mil votos, mas não conseguiu se eleger.

Portinho foi vice-presidente jurídico do Flamengo, mas também atuou na defesa de outros clubes e de atletas, como Dodô e Jobson, do Botafogo, em processos a que respondiam na esfera esportiva por dopping.

Já a posse de Pedro Arthur Ferreira Rodrigues (DEM), filho e primeiro suplente do senador Chico Rodrigues (DEM-RR), ainda não tem previsão de data. Chico Rodrigues foi flagrado pela Polícia Federal tentando esconder dinheiro na cueca. Os recursos seriam decorrentes de emendas parlamentares destinadas a combater a covid-19 no estado.

Ex-vice-líder do governo no Senado, o escândalo envolvendo o senador desencadeou uma reação do Palácio do Planalto, que rapidamente agiu para desvinculá-lo do presidente Bolsonaro e do Senado, que pressionou pela licença de Chico Rodrigues para evitar maiores desgastes. Ele ficará afastado por 121 dias.

A assessoria de Chico Rodrigues não soube informar quando o suplente será convocado. Os suplentes têm 30 dias corridos para assumir o mandato na ausência do senador titular. Caso o substituto não se apresente nesse intervalo, é convocado o segundo suplente.

 

Durante o período de afastamento dos trabalhos legislativos, Chico Rodrigues não receberá o salário mensal (de R$ 33.763,00) nem terá acesso à estrutura administrativa do gabinete parlamentar, mas manterá plano de saúde e imóvel funcional.

O suplente, por sua vez, tem direito a salário proporcional aos dias em que exercer o mandato; ajuda de custo para bancar a mudança – equivalente a um salário mensal; carro oficial; plano de saúde e auxílio-moradia ou residência oficial. Deputados e senadores podem optar por ocupar apartamentos funcionais ou receber um auxílio, no valor mensal de R$ 5.500,00, para cobrir despesas com aluguel ou diária de hotel.

No caso da estrutura administrativa, o novo titular pode exonerar servidores ou fazer um acordo informal para manter a estrutura de gabinete, evitando, assim, dispensa de pessoal e pagamento duplicado de salários.

 

violência contra a mulher

Deixe seu Comentário

Leia Também

Brasíl
Pix tem quase 4,4 milhões de portabilidade de chaves
Crime Organizado
PF combate, no Rio, furtos de encomendas nos Correios
Internacional
Hong Kong fechará bares e clubes noturnos pela 3ª vez devido a novos casos de Covid-19
China
China anuncia erradicação da extrema pobreza nos últimos condados pobres
Russia
De olho em mercados externos, Rússia diz que sua vacina contra Covid-19 custará menos de U$20
Campo Grande
Corrupção no Detran-MS leva PF a escritório que liga filho de Reinaldo à ‘gerência’ de propina na Vostok
Campo Grande
Covid-19 causou 741 mortes e há mais de 1,1 mil pessoas isoladas em casa
Sertanejo
Morre Francisco Camargo, pai de Zezé de Camargo e Luciano.
Campo Grande
Comerciantes e consumidores reclamam de multas, sujeira e falta de estacionamento na 14 de julho na capital.
Saúde
Eficácia da CoronaVac será anunciada no início de dezembro, registro é esperado para janeiro