Menu
Busca Ter, 25 de janeiro de 2022
(67) 9.9928-2002
Funcionário público estadual

Servidor de Mato Grosso do Sul entra em 2022 com reajuste salarial de 10%

03 janeiro 2022 - 08h00Por PGMS

Uma das medidas mais esperadas pelo funcionalismo público começa a valer a partir deste mês. Os servidores do Governo do Estado entram em 2022 com o reajuste linear de 10% no salário.

Com a lei publicada no dia 2 de dezembro de 2021, a medida começa a valer para a folha de janeiro, a ser paga em fevereiro. São aproximadamente 81 mil servidores do Poder Executivo beneficiados pela medida.

O reajuste vale para os servidores públicos efetivos e dos empregados públicos integrantes da administração direta, autarquias e fundações e estendido, também, aos aposentados e pensionistas, assim como aos servidores ocupantes dos cargos em comissão. Os servidores públicos estaduais, efetivos, comissionados, aposentados e pensionistas, que integram os quadros da Defensoria-Pública, do Tribunal de Contas, do Ministério Público de Contas, da Assembleia Legislativa, do Poder Judiciário e do Ministério Público Estadual, também são beneficiados.

“Reajuste linear de 10% é muito significativo. Essa projeção respeita a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) e acompanha a expectativa de crescimento da economia para 2022”, explicou o governador Reinaldo Azambuja quando anunciou o aumento.

Joilson Francelino, Subcom
Foto: Edemir Rodrigues

news

Deixe seu Comentário

Leia Também

Saúde
Número de mortos pela covid-19 no Brasil passa de 620 mil
Arma
Ameaça à paz mundial
Brasília
Agência Brasil explica como tirar e renovar a CNH
Covid 19
País tem 24.382 novos casos de covid-19 e 44 mortes em 24 horas
Meteorologia
Mato Grosso do Sul segue com tempo instável no final de semana
Economia
IGP-DI fecha 2021 com inflação acumulada de 17,74%
Saúde
Ministério da Saúde prorroga Programa Mais Médicos por um ano
Geral
Bolsonaro deixa hospital e ataca Ivete Sangalo após coro em show
Covid
Covid-19: Brasil registrou 22,35 milhões de casos e 619,5 mil óbitos
Saúde
Consulta pública rejeita prescrição médica para vacinar crianças