Menu
Busca Qua, 24 de fevereiro de 2021
(67) 9.9928-2002
Decisão

STJ - Desnecessidade de instrução específica para a fixação de indenização mínima por danos morais à vítima de violência doméstica

11 abril 2018 - 14h51Por Redação Notícias VIP
Em ação penal oriunda da comarca de Campo Grande (MS), o Ministério Público Estadual, por intermédio do Promotor de Justiça Renzo Siufi, denunciou M. da C. G. pela prática da contravenção penal de perturbação da tranquilidade (Decreto-Lei 3.688/41) contra sua ex-namorada, uma vez que, de forma acintosa, a aguardava na saída de seu local de trabalho, por não aceitar o seu novo relacionamento.

Ao término da instrução, o Juiz julgou procedente a pretensão punitiva, condenando-o à pena de 20 dias de prisão simples, em regime aberto, e ao pagamento do valor de R$ 1.500,00 (mil e quinhentos reais), a título de reparação pelos danos morais sofridos pela vítima, nos termos do art. 387, IV, do CPP.

Irresignada, a defesa interpôs apelação criminal requerendo o afastamento da condenação por danos morais, e, subsidiariamente, a incidência dos juros de mora a partir da data do arbitramento.

A 2ª Câmara Criminal do TJMS, por maioria, negou provimento ao recurso defensivo, o que deu ensejo a oposição dos embargos infringentes a fim de fazer prevalecer o voto proferido pelo Relator, Des. Ruy Celso Barbosa Florence, que deu provimento ao recurso de apelação para afastar a indenização mínima fixada à título de danos morais em favor da vítima.

No julgamento, a 2ª Seção Criminal do TJMS, por maioria, negou provimento aos embargos infringentes, mantendo a sentença de piso que fixou o valor mínimo para reparação dos danos morais suportados pela vítima.

Adiante, a defesa interpôs Recurso Especial reiterando o pleito de exclusão da indenização por danos morais, o qual foi provido pelo Superior Tribunal de Justiça, em decisão monocrática prolatada pelo Min. Jorge Mussi, sob o fundamento de que a condenação por danos morais exige pedido expresso e instrução específica, em respeito ao princípio da ampla defesa, o que não havia ocorrido na espécie.

A partir disso, a 12ª Procuradoria de Justiça Criminal, por meio da Procuradora de Justiça Lucienne Reis D?Avila, interpôs Agravo Regimental no Recurso Especial nº 1688802/MS, almejando o restabelecimento do quantum mínimo de reparação dos danos morais em favor da vítima, por ser prescindível a instrução probatória nos casos de violência doméstica/familiar contra a mulher, por se tratar de dano moral in re ipsa, bastando o pedido expresso na denúncia ou na queixa para que desponte o dever de indenizar.

Ao apreciar o recurso, o Min. Jorge Mussi reconsiderou a decisão prolatada, considerando a Tese nº 983, firmada pelo STJ sob o rito dos recursos repetitivos no julgamento do REsp 1.675.874/MS e do REsp 1.643.051/MS, nos seguintes termos: ?Nos casos de violência contra a mulher praticados no âmbito doméstico e familiar, é possível a fixação de valor mínimo indenizatório a título de dano moral, desde que haja pedido expresso da acusação ou da parte ofendida, ainda que não especificada a quantia, e independentemente de instrução probatória?.

O trânsito em julgado dessa decisão ocorreu em 3.4.18, com certificação em 9.4.18, e o seu inteiro teor pode ser consultado no seguinte endereço:

https://ww2.stj.jus.br/processo/revista/documento/mediado/?componente=MON&sequencial=81404942&num_registro=201702001504&data=20180316&formato=PDF


Deixe seu Comentário

Leia Também

Brasília
STJ desmembra processo para acelerar julgamento de Reinaldo por corrupção
Com decisão, os outros 23 denunciados com o governador de Mato Grosso do Sul serão julgados pela Justiça Estadual
Covid 19 em MS
Número de pacientes contaminados pelo novo coronavírus continua crítico
Covid 19 em MS
Com um mês do início da campanha de vacinação contra a Covid-19, idosos comemoram imunização
Agricultura
La Niña pode se estender até a primavera e os efeitos impactam no agro
Assistência Social
‘MS é referência para o país na política de assistência social e direitos humanos’ diz secretária Nacional de Proteção Global
Corrupção
Ex-desembargador é preso no Cocó no caso de venda de sentenças
Segundo a corporação, o magistrado já foi condenado em definitivo pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ) na Operação Expresso 150, que apura esquema de venda de liminares durante plantões do TJ-CE
Interior
Operação tapa-buraco na MS-040 deve terminar na próxima semana
Interior
Com mais quatro frentes de obras, Estado soma mais de R$ 350 milhões de investimentos na infraestrutura de Dourados
Sangue
Quem já vacinou contra covid-19, pode doar sangue entre dois e sete dias
Mato Grosso do Sul
Sábado com céu de brigadeiro em Mato Grosso do Sul