Menu
Busca Qua, 18 de setembro de 2019
(67) 9.9928-2002
BLOG O JACARÉ

Vostok: ao não citar governador, PF indica que já concluiu investigação contra tucano

13 setembro 2019 - 12h30Por Blog o Jacaré

Ao não mencionar o nome de Reinaldo Azambuja (PSDB) em 110 depoimentos realizados na semana passada, a Polícia Federal indica que já concluiu a investigação contra o governador de Mato Grosso do Sul. Nesta quinta-feira (12), a Operação Vostok, que apura o pagamento de R$ 67,7 milhões em propinas pela JBS a maior autoridade do Estado, completa um ano.

Reinaldo foi o primeiro governador na história sul-mato-grossense a ser alvo de mandados de busca e apreensão da PF. Com aval do ministro Felix Fischer, do Superior Tribunal de Justiça, a operação prendeu 14 pessoas, entre as quais estavam o filho de Reinaldo, o advogado Rodrigo Souza e Silva, o primeiro secretário da Assembleia Legislativa, Zé Teixeira (DEM), e o conselheiro do Tribunal de Contas do Estado, Márcio Monteiro.

Além de intimar o tucano para prestar depoimento, a PF cumpriu mandados de busca e apreensão no seu apartamento, em empresas e na Governadoria. Na época, o Ministério Público Federal apontou que o esquema criminoso causou prejuízo de R$ 207,7 milhões aos cofres estaduais.

Na semana passada, a PF fez mutirão para ouvir 110 pessoas em cinco estados: Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Paraná, São Paulo e Ceará. A segunda fase da Operação Vostok contou até com depoimento de dona Zulmira Azambuja Silva e Roberto de Oliveira Silva Júnior, o Beto Azambuja, respectivamente, mãe e irmão do governador.

Entre os 14 investigados ouvidos novamente, estavam Zé Teixeira, Márcio Monteiro e o pecuarista Élvio Rodrigues, dono da Fazenda Santa Mônica. No ano passado, o produtor rural ganhou os holofotes ao contar com a ajuda do Governo do Estado para desmatar 20,5 mil hectares no Pantanal.

Na solenidade de 7 de setembro, durante o desfile cívico-militar, o governador destacou que não foi mencionado em nenhum dos depoimentos. O fato foi apresentado como atestado de “inocência” diante das acusações feitas pelos delatores da JBS.

Contudo, o gesto indica que a PF já concluiu as investigações contra o governador. Além do depoimento dos donos e executivos da JBS, o inquérito 1.190 conta com notas fiscais, documentos e relatório da quebra do sigilo bancário de Reinaldo.

Caso o governador tivesse sido excluído da investigação, o inquérito 1.190 seria desmembrado contra os demais investigados sem foro especial e só permaneceria no STJ a denúncia contra Monteiro.

Este procedimento foi adotado pela corte na Operação Lama Asfáltica. A investigação começou em 2013, mas houve desmembramento porque André Puccinelli (MDB) era governador. A parte contra o emedebista ficou no STJ, enquanto a denúncia contra Edson Giroto (PR) foi encaminhada ao Supremo Tribunal Federal. Quando ambos perderam foro privilegiado, toda a investigação foi unificada na primeira instância.

A avaliação de uma fonte, que acompanha a investigação, é de que a Polícia Federal já conta com indícios suficientes para indiciar o governador. O Coaf (Conselho de Administração Financeira) tinha apontado movimentação atípica de R$ 40 milhões nas contas do tucano. Ele poderá ser acusado de corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

Ex-prefeito de Porto Murtinho e ex-secretário de Turismo, o tucano Nelson Cintra foi intimado a prestar depoimento na Vostok (Foto: Arquivo)

Após o mutirão para ouvir cerca de 100 pessoas, a PF deve concluir a investigação em 60 dias e encaminhar o inquérito para o Ministério Público. O novo procurador-geral da República, Augusto Aras, pode pedir investigações complementares, o arquivamento do caso ou apresentar a denúncia contra o governador, o conselheiro do TCE, o deputado estadual e outros 12 réus.

O caso será analisado pela Corte Especial do STJ, formada por 11 ministros, a mesma que arquivou a denúncia feita contra Reinaldo no Fantástico, da TV Globo. Esse julgamento ocorreu no dia 24 de outubro do ano passado e foi usado na propaganda eleitoral como prova da inocência do tucano.

Reinaldo tem enfatizado que o STJ vai rejeitar o inquérito 1.190. Ele se diz vítima de “chefes de facção criminosa”, no caso, os irmãos Joesely e Wesley Batista, donos da JBS.

 

Polícia Federal diz que “não comenta investigação em andamento”

O Jacaré questionou a Polícia Federal sobre a Operação Vostok, deflagrada há exatamente um ano. No entanto, a corporação informou, em nota sucinta e padrão, que não comenta investigações em andamento.

Apesar do inquérito tramitar em sigilo, longe dos olhos da sociedade, o governador informou que teve acesso a todos os depoimentos e não foi citado em nenhum.

 

O questionamento feito foi o seguinte:

 

Na semana passada, quando ocorreram os depoimentos de 110 pessoas na Operação Vostok, eu falei com você. 

 

O corretor de gado José Ricardo Guitti Guímaro, o Polaco, foi ouvido na terça-feira (10), como estava previsto no despacho do delegado Leandro Alves Ribeiro?

 

A PF tem previsão de quando concluirá o inquérito 1.190?

 

O governador de Mato Grosso do Sul, Reinaldo Azambuja da Silva, foi indiciado?

 

O delegado pedirá mais prazo para concluir a investigação? Ou já concluiu e encaminhou para o MPF?

 

Edivaldo Bitencourt - Blog O Jacaré.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Política
Eduardo Bolsonaro diz que vai processar Facebook e Instagram
Paralisação
Funcionários dos Correios suspendem paralisação em todo o país
Leilão em MS
Leilão tem desde iPhone, brinquedos até videogames
Humildade é tudo!
Garoto comemora aniversário de 4 anos com garis em Rondonópolis (MT)
Justiça
TSE determina: “Candidaturas laranjas” devem levar à cassação de toda a chapa
Campo Grande
Sujeira e buracos novos aparecendo no mesmo lugar
Sorte ou azar!?
Mega-Sena pode pagar prêmio de R$ 120 milhões nesta quarta
Onde vai para este mundo!
Casal é preso suspeito de espancar até morte bebê de 1 ano e 7 meses em MS
Prova de fogo!
Bombeiros do DF devem chegar na quinta para reforçar combate aos incêndios em Mato Grosso do Sul
Aliado de Bolsonaro
Netanyahu volta a atacar árabes em discurso após eleições em Israel