Menu
Busca Sex, 30 de julho de 2021
(67) 9.9928-2002
Habitação

Agehab estuda pedido de investimentos habitacionais de três municípios

01 fevereiro 2021 - 07h00Por AB/EBC/PMS

A garantia de moradia digna para famílias sul-mato-grossenses é uma das prioridades do Governo do Estado por meio da Agência de Habitação Popular de Mato Grosso do Sul (Agehab).  

Na última quinta-feira (28.01), a diretora-presidente da autarquia Maria do Carmo Avesani Lopez, atendeu representantes da pasta da habitação de diferentes localidades do Estado. Regularização de imóveis e construção de novas casas foram as principais pautas abordadas.

Além de receber projetos, a titular da Agehab também sugeriu metas, para a implementação de programas habitacionais nos municípios de Ivinhema, Ponta Porã e Porto Murtinho. 

Identificar eventuais problemas na fiscalização para ter um controle maior da situação das habitações no município e retirar famílias em situação de vulnerabilidade estão entre as metas pré-estabelecidas por Ivinhema. Além disso, a adoção de projetos de autoconstrução, que é quando o Governo do Estado subsidia ou financia parte dos materiais de construção para a conclusão da moradia, busca levar ao cidadão de baixa renda a conquista da casa própria. 

“As casas que solicitamos aqui na Agehab vão suprir as demandas. Nós vamos atender e dar as repostas a essas famílias que tanto necessitam de um imóvel para chamar de seu, que pagam aluguel e/ou têm o salário pequeno. Então estamos trabalhando para as pessoas conseguirem realizar tal sonho”, diz Victor Hugo Omitto Franco, secretário de habitação de Ivinhema. E completa, dizendo que “também é gratificante para o município porque estará resolvendo os problemas de parte da população”. 

Já na fronteira com o Paraguai, o diretor-presidente da Agência Municipal de Habitação de Ponta Porã - Habiporã, Félix Cândido de Souza Gabínio, conversou com Maria do Carmo a respeito da realocação de moradores situados numa área federal. Os dois chefes de autarquias analisaram a situação da comunidade, localizada na região central do perímetro urbano, com o propósito de definir a melhor opção para as famílias residentes ali. 

 

“Estamos procurando resolver esse problema que envolve Governo Federal, Governo do Estado e Prefeitura Municipal, no intuito de disponibilizar uma moradia digna para essas pessoas, que é um direito. Por outro lado, como se trata de uma área central, precisamos dar um destino certo para a mesma”, pontua Félix Cândido.

Outro ponto discutido na reunião, foi o Programa Regularização Fundiária, que dispõe sobre a venda direta de imóveis. Segundo o diretor-presidente da Habiporã, é importante resolver as irregularidades presentes em atos do cunho. “É algo muito presente dentro do município e no Assentamento Itamarati”. A região próxima à cidade é o maior complexo de assentamentos do país.

Representantes de Porto Murtinho procuraram a autarquia para tratar de assuntos relacionados à regularização. A pequena cidade portuária apresenta famílias em situação de extrema inadimplência, o que requer trabalho em dobro da Divisão de Contratos de Regularização Imobiliária – DICRI, da Agehab. A primeira-dama do município, Maria Lúcia Barbosa Pinheiro, e a gerente de habitação municipal, Sirley Pacheco, disponibilizaram a relação de nomes, bem como parte da documentação para iniciar o processo.

O Projeto de Substituição de Moradia Precária também foi solicitado pela administração de Porto Murtinho. A princípio, ficou combinado o investimento em unidades que devem beneficiar moradores residentes, atualmente, em área imprópria para habitação.

 

Maria do Carmo salientou mais uma vez que a Agehab sempre estará de portas abertas para atender as demandas vindas dos quatro cantos do Estado. “Deve-se pontuar a unidade e o comprometimento com a vida humana, algumas das principais características do serviço público. No que depender do Estado, cada vez mais famílias realizarão o sonho da casa própria e da moradia digna”.

Maria de Lourdes e Wilson de Oliveira, servidores da Agehab, também participaram das reuniões. A gerente de habitação conversou com o diretor-presidente da Habiporã e o gestor de serviços habitacionais falou sobre documentação com Maria Lúcia Barbosa e Sirley Pacheco.

Davi Nunes Souza, Agehab

Foto: Agehab

vacina sim

Deixe seu Comentário

Leia Também

Mato Grosso do Sul
Inscrições prorrogadas para a segunda edição do Prêmio Inova
Oportunidade
Estão abertas as inscrições para curso de idiomas na UEMS
Brasília
PP não vai aceitar filiação de Bolsonaro
Dourados
Agesul retira mais de 800 toneladas de lixo das margens da MS-156 em Dourados
Interior
SubsRacial leva Campanha Julho das Pretas a Rochedo, com temas de saúde e educação
Mato Grosso do Sul
Temperaturas voltam a subir e ar seco segue predominando nesta quarta-feira
Mato Grosso do Sul
Governo investe R$ 5,8 milhões na pavimentação da MS-455, criando novo acesso a Capão Seco
Interior
Corpo de Bombeiros monitora incêndios com imagens de satélite e amplia fiscalização em áreas de focos
Campo Grande
Até quando a massa de ar frio polar vai atuar em Mato Grosso do Sul?
Esportes
Hoje é Dia: nota 10 de Comaneci e Dia do Futebol marcam semana