Menu
Busca Dom, 16 de maio de 2021
(67) 9.9928-2002
Interior

Empresa investigada no PR tem contrato com cinco cidades de MS

26 abril 2018 - 15h11Por Alcides Bernal
Investigada pelo Ministério Público do Paraná (PR), a Kurica Ambiental, empresa de coleta de lixo, mantém contratos que somam R$ 4,2 milhões no ano para execução do serviço em cinco cidades de Mato Grosso do Sul.

Na quarta-feira (dia 24), a Justiça determinou o bloqueio de R$ 150 mil da promotora Solange Vicentim, de Londrina, acusada de favorecer a empresa que faz a coleta de lixo daquele município. Estas informações foram divulgadas no dia pelo G1. Segundo o MP do Paraná, as negociações entre a promotora e a Kurica Ambiental ocorreram em 2015, quando um contrato de coleta em Londrina havia acabado.Esta empresa aparece com contratos vigentes desde 27 de novembro de 2017 com os municípios: Água Clara (R$ 576 mil); Inocência (R$ 360 mil); Paranaíba (R$ 2,1 milhões); Ribas do Rio Pardo (R$ 840.000,00) e Selvíria (R$ 33 mil).

Os valores são anuais e constam na edição do Diário Oficial da Assomasul (Associação dos Municípios de MS) de 1º de dezembro de 2017. As partes envolvidas são o Cidecol (Consórcio Intermunicipal para o Desenvolvimento da Costa Leste), que engloba cidades da Costa Leste de MS, e o Consórcio Kurica/Buriti.


A empresa relacionada na investigação paranaense é Kurica Ambiental, enquanto na publicação no Estado aparece Kurica/Buriti.Conforme apurou a reportagem, ambas são do mesmo grupo, mas a primeira tem sede em Londrina e a segunda em Três Lagoas. Esta empresa, no portal, consta como CTR Buriti.

De acordo com a ata de preços, a licitação teve como objeto a prestação de serviços de coleta em local único, locação de contêineres, transporte e destinação final de resíduos sólidos em aterro sanitário licenciado.

O secretário executivo do Consórcio Intermunicipal para o Desenvolvimento da Costa Leste, Mauro Gilberto Bremm, afirmou que 13 empresas chegaram manifestar interesse no contrato. Contudo, a Kurica Buriti foi a única a apresentar proposta quando a licitação dos municípios sul-mato-grossense foi aberta. As cidades foram colocadas na mesma concorrência como forma de tentar reduzir o preço final, afirma.

Investigação;  A apuração do Paraná aponta que a promotora alvo do bloqueio era responsável pela promotoria do Meio Ambiente. Ela teria pressionado a prefeitura de Londrina para que a Kurica fosse contratada para prestar o serviço de coleta de lixo.

Ainda segundo o G1, a promotora teria defendido a coleta com uso de transbordo, cuja capacidade técnica já havia sido informada pela empresa antes de vencer a licitação. A Justiça concluiu que não parecia admissível que um membro do MP sugira contratação de uma determinada empresa, valendo-se da autoridade de seu cargo.
violência contra a mulher

Deixe seu Comentário

Leia Também

MS
Alegação de vendas de veículos cresce 16% no Estado, aponta dados do Detran
Política
Produtores rurais de Campo Grande e região participam de manifestação pró-Bolsonaro em Brasília
MS
Rio Verde está na rota de eventos esportivos de aventura da Fundesporte
Falecimento
Eva Wilma morre em São Paulo, aos 87 anos Atriz estava internada desde 15 de abril
Tempo
Domingo de tempo firme e grande amplitude térmica em Mato Grosso do Sul
São Paulo
Bruno Covas perde luta contra o câncer e morre
Tempo e temperatura
MS tem predomínio de tempo seco e calor de 36°C para a região pantaneira
Covid 19
Dezenas de corpos de possíveis vítimas da covid aparecem na Índia
Campo Grande
Moradores de bairros reclamam de sujeira e insegurança em Campos Grande
Saúde
Após ultrapassar mais de seis mil mortes, MS registra 653 novos casos da Covid-19