Menu
Busca Qui, 27 de fevereiro de 2020
(67) 9.9928-2002
Fronteira violenta

Ex-gerente do BCN condenado a 132 anos de prisão é executado na fronteira

As informações iniciais são de que o atirador invadiu o imóvel do empresário e o matou com tiros na cabeça

13 setembro 2019 - 14h14

O empresário e ex-gerente do banco BCN de Ponta Porã, Elesbão Lopes Carvalho Filho foi executado a tiros em sua residência, no Bairro Santa Izabel em Ponta Porã, cidade a 323 quilômetros de Campo Grande.

As informações iniciais são de que o criminoso invadiu o imóvel, atirou na cabeça do empresário e logo em seguida fugiu. Policiais militares, peritos e a Polícia Civil estão na residência e ainda não há mais detalhes sobre o caso.

Elesbão era proprietário de uma casa das embalagens na cidade, mas já havia sido condenado a 132 anos de prisão pelo então juiz federal Odilon de Oliveira, no ano de 2004.  Entre 1992 a 1997 Elesbão autorizou aberturas de contas em nomes de fantasmas e laranjas, na agência do BCN em Ponta Porã.

Foram 29 contas abertas, por onde foram desviados R$ 3 bilhões. Os desvios vieram a tona em grandes escândalos de corrupção no país, mas os verdadeiros donos das contas não foram descobertos.


Viaturas policiais próximas do local onde a vítima foi executada. (Foto: Direto das Ruas)

Com informações, MS NEWS.

 

 

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Campo Grande
"Trad parece que gosta de ver a população no buraco e lixo.", reclamou morador
Brasília
Bolsonaro evita imprensa
Polícia
Giroto está desesperado para sair da cadeia
Saúde
Coronavírus: Japão desembarca tripulação do navio Diamond Princess
Política
Senadores têm 12 dias de 'recesso' e retornam em março
Brasília
Senadores reagem à vídeo de Bolsonaro
Brasil e Mundo
Segredos do lado oculto da Lua são revelados por missão da China
Política
Bolsonaro não pode justificar vídeos contra Congresso como 'conversa pessoal', dizem constitucionalistas
Economia
Dólar aproxima-se de R$ 4,45, e bolsa cai 7% com coronavírus
Ceará
Ceará cria comissão para tentar intermediar fim do motim de policiais