Menu
Busca Qua, 16 de outubro de 2019
(67) 9.9928-2002
Corumbá

Médico cobra para fazer parto pelo SUS

13 julho 2019 - 22h14Por Plantão de notícias

O médico Ricardo da Fonseca Chauvet, de 57 anos, é suspeito de ter cobrado R$ 1 mil para retirar um pólipo do útero de uma paciente, de 25 anos, internada pelo SUS (Sistema Único de Saúde) na maternidade da Santa Casa de Corumbá, cidade a 419 quilômetros de Campo Grande. O pedido foi gravado em aúdio pela paciente, a estudante de direito Kerolaine Campelo dos Santos.

Segundo a estudante, o preço inicial cobrado pelo médico era R$ 5 mil, mas durante a conversa ele baixou para R$ 1 mil. “Como eu estava muito mal, meu marido disse para mim continuar internada no hospital, mas no meio da noite fiquei muito assustada. Estava com muito medo de morrer e fugi”, conta.

segundo informações obtidas com outros pacientes essa situação é praticada comum de cobrar "por fora" para ser atendida no Hospital de Corumbá.

As pessoas de Corumbá afirmam que isso não vai dar nenhuma repreensão ao médico. Capaz até da vítima ser perseguida por ter denunciado o médico.

com informações do Campo Grande news

Deixe seu Comentário

Leia Também

Volta da ditadura nas redes sociais!
Olavo de Carvalho conclama e bolsonaristas começam campanha por ditadura e novo AI-5
Entretenimento
PM que se vestiu de Batman: “Comandante também ficou feliz”
Famosos
Messi recebe Chuteira de Ouro e diz priorizar Campeonato Espanhol
OPERAÇÃO OMERTA
Policial federal e mais sete envolvidos em milícia tem prisão preventiva decretada
Covardia
Policial flagra perseguição e 2 são presos após roubarem mulher que caminhava com namorado na Orla
"Morto estava vivo"
Morto grita para sair de caixão e leva familiares às gargalhadas
Policia
Polícia do Rio prende suspeito de usar gás para lavar dinheiro
18 toneladas
Polícia incinera em MS 18,3 toneladas de drogas apreendidas na região de fronteira em dois meses
Policia
Jovem cai em golpe pelo WhatsApp e deposita dinheiro para estelionatário em MS
Justiça
Acusado de matar ex-sogra em MS é considerado inimputável e irá para internação