Menu
Busca Seg, 01 de março de 2021
(67) 9.9928-2002
CAPITAL

Mulher que matou bebê escondeu gestação e fez parto sozinha no banheiro, diz polícia

Ela admitiu o crime e achava que a criança tinha HIV, assim como ela

10 janeiro 2019 - 10h25

A mulher de 25 que admitiu ter matado o filho recém-nascido afogado em açude na zona rural de Itaquiraí, por acreditar que ele estava com HIV, escondeu a gestação da família e fez o parto sozinha no banheiro de casa. De acordo com o delegado Edson Luis Ruiz Ubeda, responsável pelas investigações, a suspeita, inclusive, sequer procurou atendimento pré-natal ou após dar à luz.

O delegado explicou que a jovem passou a ser investigada depois que o corpo da criança foi encontrado pelo avô no dia 17 de dezembro, em propriedade localizada no Assentamento Aliança. “A partir de então, passamos a verificar as mulheres que haviam feito pré-natal e depois usamos comparações de DNA feitas pela perícia, para chegarmos a ela”.

Após ser identificada e localizada pelos investigadores, ela prestou depoimento na Delegacia de Polícia Civil do município, onde afirmou ao delegado ser soropositiva e disse que matou o bebê por achar que ele também estava com HIV. “Ela disse que tinha medo de que a criança fosse soropositiva e, por isso, cometeu essa barbaridade”, explicou Ubeda.

A jovem, que não é casa, relatou ainda que nenhum de seus familiares sabia da gestação e que não procurou atendimento médico porque não queria que descobrissem. “Ela disse que na manhã do dia 15 de dezembro, um sábado, sentiu fortes cólicas e contrações, e fez o parto sozinha, no banheiro de casa. Ali mesmo ela cortou o cordão umbilical com uma tesoura, enrolou a criança em um cobertor e depois foi para o sítio do pai, onde cometeu o crime”.

Ainda conforme o delegado, durante o percurso, a mulher deixou o filho mais velho na casa do pai, e foi de carro para o assentamento junto com um filho pequeno, o qual também teve a gestação escondida, e com o recém-nascido. Lá, jogou o bebê no açude e foi embora. Dois dias depois, o pai dela, dono da propriedade, encontrou o corpo enquanto separava vacas leiteiras para ordenha, e acionou a polícia.

A suspeita responde em liberdade por homicídio qualificado por motivo torpe, mas a polícia não descarta o surgimento de novas qualificadoras. O próprio delegado, acostumado a lidar com mortes violentas, disse estar estarrecido com a situação. “A morte de uma criança sempre choca. A gente não consegue entender como uma pessoa carrega o filho por tantos meses e depois tem coragem de fazer isso com um ser indefeso”, pontuou.

 

 

 

 

 

 

 

 

fonte:correioestado

Deixe seu Comentário

Leia Também

Brasíl
Mês de março tem Dia da Mulher, início do outono e Dia da Água
Brasíl
Sem acordo, Lira cria comissão especial para discutir PEC da imunidade
Leão
Prazo para entregar declaração do Imposto de Renda começa hoje
Campo Grande
A sujeira virou tradição em Campo Grande
Oportunidade
Evento on-line da Sedhast para os 79 municípios de MS começa nesta segunda-feira
Campo Grande
Prefeitura gasta muito recurso público, mas não consegue resolver problemas de semaforizacão, causando riscos e prejuízo à população.
Geral
Temporada de pesca começa com cota de 2020 valendo: um exemplar e cinco piranhas
Tempo
Março terá acumulados de chuva e calor acima da média em Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Presidente do TJ recebe visita do Cônsul da República do Líbano
Covid 19 em MS
SES inicia tratativas para evitar que nova variante do coronavírus chegue no Estado