Menu
Busca Dom, 01 de agosto de 2021
(67) 9.9928-2002
HOJE NA HISTÓRIA

Anivesário do controverso ex-presidente brasileiro Jânio Quadros

25 janeiro 2019 - 11h30

No dia 25 de janeiro de 1917 nascia em Campo Grande (MS), Jânio da Silva Quadros, ex-presidente do Brasil e figura controversa, que teve uma carreira marcada por uma ascensão política meteórica. Após concluir a faculdade de Direito em São Paulo, em 1939, montou um escritório de advocacia no centro da capital paulista. Filou-se ao PDC, foi candidato a vereador em 1947, mas não conseguiu a votação necessária. Contudo, foi beneficiado pela suspensão do Partido Comunista Brasileiro (PCB) e a consequente cassação de seus parlamentares, sendo empossado vereador em 1948. Dois anos depois, tornou-se deputado estadual.

Em 1953 foi eleito prefeito de São Paulo e, no ano seguinte, tornou-se governador do estado. Em 1960, decidiu concorrer à presidência do país pela União Democrática Nacional. Adotou uma postura populista durante sua campanha: era comum vê-lo comendo mortadela e também usava uma vassourinha como símbolo de limpeza contra a corrupção. Foi eleito com 48% dos votos, tomando posse em janeiro de 1961.

 

Nesta data e por este instrumento, deixando com o ministro da Justiça as razões do meu ato, renuncio ao mandato de presidente da república.

Bebo-o porque é líquido, se fosse sólido comê-lo-ia.
Jânio Quadros

 

Durante seu governo provocou polêmica quando, por exemplo, conclamou o líder revolucionário cubano Ernesto Che Guevara para receber uma homenagem do governo brasileiro. Nesse mesmo período, o vice-presidente João Goulart foi enviado à China comunista para reforçar laços de cooperação política e econômica. Essas atitudes geraram controvérsia e desconfiança de parte da sociedade brasileira, já que Jânio Quadros se declarava anticomunista. Em meio à polêmica e após apenas sete meses no governo, ele decidiu renunciar ao cargo de presidente, por conta de “forças terríveis”. Seu vice, João Goulart, temido por diversos conservadores, assumiu o posto. Voltou à vida política no fim da década de 70 e foi derrotado na disputa pelo governo paulista. Nas eleições de 1985, contudo, elegeu-se prefeito de São Paulo, derrotando Fernando Henrique Cardoso. Após esse mandato, Jânio anunciou a sua aposentadoria e se retirou da vida pública. Ele morreu no dia 16 de fevereiro de 1992 morria, em São Paulo, após sofrer três derrames cerebrais que comprometeram sua condição física. Com informações History Chanel.

 

 

violência contra a mulher

Deixe seu Comentário

Leia Também

Mato Grosso do Sul
Inscrições prorrogadas para a segunda edição do Prêmio Inova
Oportunidade
Estão abertas as inscrições para curso de idiomas na UEMS
Brasília
PP não vai aceitar filiação de Bolsonaro
Dourados
Agesul retira mais de 800 toneladas de lixo das margens da MS-156 em Dourados
Interior
SubsRacial leva Campanha Julho das Pretas a Rochedo, com temas de saúde e educação
Mato Grosso do Sul
Temperaturas voltam a subir e ar seco segue predominando nesta quarta-feira
Mato Grosso do Sul
Governo investe R$ 5,8 milhões na pavimentação da MS-455, criando novo acesso a Capão Seco
Interior
Corpo de Bombeiros monitora incêndios com imagens de satélite e amplia fiscalização em áreas de focos
Campo Grande
Até quando a massa de ar frio polar vai atuar em Mato Grosso do Sul?
Esportes
Hoje é Dia: nota 10 de Comaneci e Dia do Futebol marcam semana