Menu
Busca Sex, 30 de julho de 2021
(67) 9.9928-2002
Parlamento

Governo venezuelano afasta agentes que detiveram Juan Guaidó

O Governo venezuelano ordenou hoje a destituição dos agentes dos serviços secretos que detiveram, cerca de uma hora, o presidente do parlamento, o opositor Juan Guaidó.

14 janeiro 2019 - 07h30

"Queremos informar todo povo da Venezuela que estes funcionários estão neste momento sendo destituídos e submetidos a um procedimento disciplinar mais estrito", disse o ministro venezuelano de Comunicação e Informação, que considerou a prisão do político um "procedimento irregular".

Em declarações aos jornalistas, Jorge Rodríguez explicou que estes "funcionários atuaram de maneira irregular", considero que se sujeitaram a "um show", utilizado pela oposição para atacar o governo de Nicolás Maduro.

O presidente da Assembleia Nacional (parlamento) venezuelana, Juan Guaidó, esteve cerca de uma hora detido pelos serviços secretos de informações, quando estava a caminho de uma reunião fora de Caracas, disse a sua mulher.

"Agradeço todas as reações imediatas de apoio face a esta violação cometida pela ditadura dos direitos do meu marido. Já estou com ele e vamos à reunião pública", escreveu Fabiana Rosales na sua conta no Twitter.

Guaidó era aguardado numa reunião a cerca de 40 quilómetros de Caracas.

Segundo a imprensa Venezuela, a ministra dos Serviços Prisionais terá dito esta semana a Guaidó que tinha preparada uma cela para ele, em resposta ao desafio feito pelo político opositor de provocar um golpe de Estado e retirar Maduro do poder.

A 10 de janeiro, o parlamento, dominado pela oposição, considerou que há "usurpação da Presidência" do país.

"Hoje deu-se a usurpação da Presidência da República e [Nicolás] Maduro desconhece o único poder real e legítimo do país, e avança para a desmontagem total do Estado de direito que protege os cidadãos e garante os direitos humanos", disse então o presidente do parlamento aos jornalistas.

Nicolás Maduro tomou posse na quinta-feira perante o Supremo Tribunal de Justiça, como Presidente da Venezuela para o período 2019-2025, numas eleições contestadas por observadores internacionais e em que a maior parte da oposição recusou participar.

Segundo o Conselho Nacional Eleitoral da Venezuela, Maduro foi reeleito para um novo mandato presidencial nas eleições antecipadas de 20 de maio de 2018, com 6.248.864 votos (67,84%).

Um dia depois das eleições, a oposição venezuelana questionou os resultados, alegando irregularidades e o não respeito pelos tratados de direitos humanos ou pela Constituição da Venezuela.

 

 

 

informações:NotíciasAoMinuto

 

CORONA 3

Deixe seu Comentário

Leia Também

Mato Grosso do Sul
Inscrições prorrogadas para a segunda edição do Prêmio Inova
Oportunidade
Estão abertas as inscrições para curso de idiomas na UEMS
Brasília
PP não vai aceitar filiação de Bolsonaro
Dourados
Agesul retira mais de 800 toneladas de lixo das margens da MS-156 em Dourados
Interior
SubsRacial leva Campanha Julho das Pretas a Rochedo, com temas de saúde e educação
Mato Grosso do Sul
Temperaturas voltam a subir e ar seco segue predominando nesta quarta-feira
Mato Grosso do Sul
Governo investe R$ 5,8 milhões na pavimentação da MS-455, criando novo acesso a Capão Seco
Interior
Corpo de Bombeiros monitora incêndios com imagens de satélite e amplia fiscalização em áreas de focos
Campo Grande
Até quando a massa de ar frio polar vai atuar em Mato Grosso do Sul?
Esportes
Hoje é Dia: nota 10 de Comaneci e Dia do Futebol marcam semana