Menu
Busca Sex, 30 de julho de 2021
(67) 9.9928-2002
Orçamento

Preço de materiais escolares tem variação de até 914% em Campo Grande

Itens simples, como minidicionário, apontador e lapiseira, têm diferença gritante no valor

09 janeiro 2019 - 14h00

No mês de janeiro, é comum que as papelarias fiquem cheias de pais à procura dos materiais escolares para as crianças. Cadernos, lápis, papel, mochila… a lista é extensa, mas é importante que os consumidores fiquem atentos na hora da compra. A diferença de preço entre os produtos de uma loja para outra chega a 914,49%.

Os dados são de pesquisa feita pelo Procon Estadual (Superintendência para Orientação e Defesa do Consumidor) entre os dias 2 e 8 de janeiro. O órgão percorreu 11 lojas da Capital para conferir os preços de itens básicos das listas de materiais solicitados pelas escolas. Além disso, é importante ficar atento ao que as escolas podem pedir aos pais.

Na pesquisa, a maior variação encontrada foi em um minidicionário, que foi encontrado por R$ 2,76 em uma papelaria da rua 14 de Julho. Enquanto isso, em estabelecimentos localizados na rua Dom Aquino e na avenida Bandeirantes, o produto era vendido por R$ 28, uma diferença de 914,49%.

Outro item com uma grande diferença de preços foi um esquadro, que foi vendido por R$ 0,46 em um local e por R$ 4,50 em outro. A pesquisa mostra que vale a pena pesquisar mesmo os itens mais simples. Itens como apontador de plástico e lapiseira apresentaram variação de 660% e 491,74%.

“Como a variação apontada foi muito alta, comparar os preços é fundamental para o consumidor conseguir economizar trazendo economia para esse momento tão difícil e de tantas despesas que é o início do ano”, afirma o superintendente do Procon Estadual, Marcelo Salomão.

Neste ano, a equipe do Procon Estadual pesquisou 249 itens de material escolar em 11 estabelecimentos comerciais especializados. Segundo o Procon, foi registrado aumento de 8,26% no preço do material escolar em relação ao ano passado. Em 2019, o preço médio dos produtos pesquisados ficou em R$ 9,30. Em 2018, havia sido de R$ 8,59.

Os locais visitados pela equipe do Procon Estadual foram Papelaria Franco, Livromat, Livraria Moderna, Microart, Shop Tudo, Suprimac e Zornimat localizadas na área central da Capital e livrarias Lê, Lusa, São Paulo e Cometa situadas em bairros diversos de Campo Grande. De acordo com os dados do Procon, o estabelecimento com o maior número de itens entre os mais baratos foi a Zornimat, localizada na rua 14 de Julho. Enquanto isso, a Lusa, na avenida Bom Pastor foi a loja com o maior número de itens entre os mais caros da cidade.

 

 

informaçoes: Mídia Max

vacina sim

Deixe seu Comentário

Leia Também

Mato Grosso do Sul
Inscrições prorrogadas para a segunda edição do Prêmio Inova
Oportunidade
Estão abertas as inscrições para curso de idiomas na UEMS
Brasília
PP não vai aceitar filiação de Bolsonaro
Dourados
Agesul retira mais de 800 toneladas de lixo das margens da MS-156 em Dourados
Interior
SubsRacial leva Campanha Julho das Pretas a Rochedo, com temas de saúde e educação
Mato Grosso do Sul
Temperaturas voltam a subir e ar seco segue predominando nesta quarta-feira
Mato Grosso do Sul
Governo investe R$ 5,8 milhões na pavimentação da MS-455, criando novo acesso a Capão Seco
Interior
Corpo de Bombeiros monitora incêndios com imagens de satélite e amplia fiscalização em áreas de focos
Campo Grande
Até quando a massa de ar frio polar vai atuar em Mato Grosso do Sul?
Esportes
Hoje é Dia: nota 10 de Comaneci e Dia do Futebol marcam semana