Menu
Busca Sex, 17 de setembro de 2021
(67) 9.9928-2002
Brasíl

Fazendeiro criminoso é multado duas vezes por fazer queimadas e derrubadas sem autorização

20 setembro 2020 - 16h15Por Dourados News

Durante trabalhos nas propriedades rurais do município de Amambai, na Operação Focus de prevenção aos incêndios, policiais militares ambientais haviam autuado um pecuarista na sexta-feira (18), por crime ambiental de desmatamento sem autorização ambiental em área de Mata Atlântica, em sua fazenda, no município.

Ontem (19), os Policiais realizaram fiscalização ambiental em outra fazenda pertencente ao mesmo infrator e o autuaram novamente pelo mesmo crime.

Desta vez, o autuado desmatou uma área um pouco maior do que a anterior de vegetação nativa de 3 mil metros quadrados de área de Mata Atlântica, bioma protegido pela Lei Federal 11.428/2006, sem licença do órgão ambiental para o plantio de pastagem. As atividades foram interditadas.

O pecuarista, um homem de 36 anos, residente em Amambai, foi autuado administrativamente e multado em mais R$ 5.500,00.

O proprietário rural também responderá por crime ambiental. Ele foi notificado a apresentar plano de Recuperação da Área Degradada e Alterada (PRADA) junto ao órgão ambiental.

Com Dourados News

Deixe seu Comentário

Leia Também

Rio de Janeiro
Apoiadores de Bolsonaro fazem ato em Copacabana, no Rio de Janeiro
São Paulo
Manifestantes fazem ato na Av. Paulista a favor de Bolsonaro
Brasília
PM informa que restabeleceu bloqueio na Esplanada dos Ministérios
Tribunal de Justiça
Fux manda retirar bandeira do Brasil Império hasteada na sede do TJ de Mato Grosso do Sul
Brasília
Esplanada terá esquema especial de segurança para protestos deste feriado
Brasíl
7/9: Moraes bloqueia contas de acusados de organizar atos antidemocráticos
MS já vacinou 50% dos jovens de 12 a 17 anos contra covid com a 1° dose – Feriado
MS
Secretaria de Estado de Saúde confirma três casos da variante Delta em Mato Grosso do Sul
STF
Urgente: Moraes determina prisão de ex-PM que o ameaçou de morte
Meio Ambiente
Ganhou prazo para resolver o problema, sob pena de multa e improbidade do prefeito