Menu
Busca Sáb, 25 de setembro de 2021
(67) 9.9928-2002
Turismo

Polo de pesca, Corumbá adota pesque-solte e abre temporada com alta procura por pacotes

02 fevereiro 2021 - 07h00Por AB/EBC/PMS

Um dos destinos de pesca esportiva de Mato Grosso do Sul a apoiar integralmente as medidas do Governo do Estado de reduzir a cota de pescado nos rios do Pantanal, Corumbá trabalha de forma diferenciada em relação às demais regiões turísticas ao adotar o pesque-solte durante toda a temporada. Mais de 80% dos 30 barcos-hotéis operam com captura zero e tem a adesão quase unânimes dos pescadores esportivos do Estado e de outras localidades.

Com a nova tendência, a temporada de pesca nos rios pantaneiros, dentro do município, ganhou mais um mês e fevereiro, em plena piracema, se tornou uma opção que veio a agregar ao mercado e atender a demanda. A Acert (Associação das Empresas de Turismo de Corumbá) estima que 30% dos barcos-hotéis abriram a temporada de 2021, cumprindo todas as normas de biossegurança adotadas durante a pandemia do coronavírus.

Primeiro polo de pesca a também decretar a moratória do dourado por cinco anos, medida posteriormente decretada pelo Governo do Estado com a Lei nº 5.311, sancionada em 11 de janeiro de 2019 pelo governador Reinaldo Azambuja, Corumbá saiu na frente no desenvolvimento sustentável da pesca e acompanhando a tendência mundial. Países como Argentina e Paraguai já proíbem o transporte do pescado e atraem milhares de pescadores.

Joice: "Estamos fazendo a nossa parte"

“Tomamos a iniciativa de lançar essa proposta de pesque-solte, assumindo a responsabilidade e os possíveis riscos, e podemos dizer que a resposta de adesão dos nossos clientes foi de quase 100%”, afirma a empresária Joice Santana, que opera com três barcos-hotéis. “Hoje não parte mais dos empresários, são os pescadores que não querem mais levar o peixe, estamos em outro nível. O ideal seria a cota zero”, diz Raquel Amaral, do barco-hotel Indiaporã.

Meta: captura zero

A legislação pesqueira em vigor no Estado – Decreto nº 15.375, de 28 de fevereiro de 2020 – reduziu de cinco quilos e mais um exemplar de qualquer tamanho para apenas um exemplar de espécies nativas (respeitando os tamanhos mínimos e máximos) a cota de pescado para o turista, que tem ainda a opção de capturar e transportar cinco piranhas. O decreto manteve a cota do pescador profissional e garantiu fonte de renda às comunidades ribeirinhas.

“Entendemos a necessidade de ajustar o Decreto anterior (nº 15.166), que assinamos em fevereiro de 2019 estabelecendo a cota zero, para atender os pescadores residentes em Mato Grosso do Sul, tanto os que pescam em barrancos, quanto os embarcados, sem deixar de lado a preocupação com o meio ambiente, sobretudo a recuperação do estoque pesqueiro em nossos rios”, observa o governador Reinaldo Azambuja.

Grande procura: pesca esportiva promete recuperar queda de 2020 com pandemia e a seca e queimadas no Pantanal. Foto: Saul Schramm

Apoiando a medida do governo, os operadores corumbaenses mantiveram a posição de fomentar a prática do "pesque e não leve" com base em pesquisas realizadas com seus clientes. “O pescador não quer mais matar o peixe, a não ser aquele que ele come na barranca do rio ou no barco”, relata o empresário Luiz Martins, do barco-hotel Kalypso e presidente da Acert. “Não há mais lugar para o peixeiro, aquele que pescava o suficiente para pagar sua viagem. Nossa meta é a captura zero e estamos conseguindo criar essa consciência.”

Fazendo a diferença

Segundo Joice Santana, os operadores de pesca esportiva tiveram que se adaptar ao pesque-solte com treinamento das tripulações, desde o processo de reeducação aos cursos de manuseio do peixe entre a captura e o cuidado na sua devolução à natureza. “Passamos a receber um novo turista e foi preciso se reposicionar no mercado, buscando atender um cliente mais consciente e que há muito nos cobrava medidas mais restritivas”, fala.

Luiz Martins: "Não perdemos clientes com o pesque-solte"

Segundo a empresária, ainda não é possível mensurar os efeitos positivos da iniciativa, considerando o ano atípico de 2020, com queda no movimento de turistas devido à pandemia do novo coronavírus. Mas ela faz uma conta: somente os três barcos-hotéis (42 grupos de 20 pessoas cada, em média) de sua empresa deixaram de capturar 16 toneladas de pescado por temporada, considerando a cota de 10 quilos e um exemplar de qualquer tamanho, que vigoraram até 2019.

“Imagina o volume de peixe devolvido por todos os barcos que aderiram ao pesque-solte?”  Estamos fazendo a diferença, ajudando o Pantanal a se recuperar e aumentando a satisfação dos clientes”, sustenta ela. O empresário Luiz Martins lembra que desde a década de 1980 o trade turístico de Corumbá defende a redução da cota de pescado, que era de 50 quilos na época, e liderou o movimento que culminou com a criação da lei da piracema.

Texto: Sílvio de Andrade

Fotos: Edemir Rodrigues

Deixe seu Comentário

Leia Também

Campo Grande
Croquete de mandioca com carne: petisco saboroso e prático
Politicos
Vai vendo Brasil!
Religiosos
Padre é preso por desviar dinheiro da igreja para orgias gays e drogas
Brasil e Mundo
Covid-19: Brasil registra 19,4 mil casos e 699 mortes em 24h
Justiça
STF decide se os estados devem pagar hospitais pela tabela SUS
Geral
Anatel aprova leilão da exploração do acesso móvel na tecnologia 5G
Inclusão
Índice reúne dados sobre a inclusão de brasileiros com deficiência
Campo Grande
Preso em ação contra corrupção em MS era o 'braço direito' do ex-prefeito e 'quem assinava os cheques', diz polícia
Operação Policial
Polícia Federal faz operação para combater fraude no INSS do Amazonas
Campo Grande
Ameaça de delação de Gilmar Olarte causa 'espanto', afirma procurador-chefe do MP