Menu
Busca Dom, 26 de setembro de 2021
(67) 9.9928-2002
Meteorologia

Tempo continua instável em grande parte do Estado nesta quarta-feira de cinzas

17 fevereiro 2021 - 07h07

O ar quente e úmido continua predominando sobre o Brasil, e muitas nuvens carregadas continuam se formando com potencial para fortes pancadas de chuva.  

Para esta quarta-feira (17) a meteorologia estima manutenção dessas áreas de instabilidades sobre Mato Grosso do Sul. Céu parcialmente nublado a nublado com potencial para chuvas nas regiões sudoeste, pantaneira, central e norte.  

O Centro de Monitoramento do Tempo e do Clima pede que a população fique atenta para a possibilidade de chuva forte nestas áreas. 

O Instituto Nacional de Meteorologia manteve aviso de chuva com acumulados de até 50 milímetros e ventos que podem variar entre 40 a 60 quilômetros. 

 

O sol predomina na parte sul do Estado, enquanto a região do bolsão pode ter pancadas de chuvas à partir da tarde. 

A umidade relativa do ar possui variação estimada entre 100% a 45% ao longo do dia, e os ventos podem variar de fraco a moderado.

A temperatura em Mato Grosso do Sul poderá registrar mínima de 19°C e máxima de 35°C nesta quarta. Para a capital essa variação está estimada em 20°C a 30°C.

Mireli Obando,

Deixe seu Comentário

Leia Também

Campo Grande
Croquete de mandioca com carne: petisco saboroso e prático
Politicos
Vai vendo Brasil!
Religiosos
Padre é preso por desviar dinheiro da igreja para orgias gays e drogas
Brasil e Mundo
Covid-19: Brasil registra 19,4 mil casos e 699 mortes em 24h
Justiça
STF decide se os estados devem pagar hospitais pela tabela SUS
Geral
Anatel aprova leilão da exploração do acesso móvel na tecnologia 5G
Inclusão
Índice reúne dados sobre a inclusão de brasileiros com deficiência
Campo Grande
Preso em ação contra corrupção em MS era o 'braço direito' do ex-prefeito e 'quem assinava os cheques', diz polícia
Operação Policial
Polícia Federal faz operação para combater fraude no INSS do Amazonas
Campo Grande
Ameaça de delação de Gilmar Olarte causa 'espanto', afirma procurador-chefe do MP