Menu
Busca Seg, 14 de outubro de 2019
(67) 9.9928-2002
Investigação

Alvo de operação contra esquema de golpes em empréstimos exibe vida de luxo em rede social

Preso temporariamente, Roniel Cardoso viajou a capitais europeias e é apaixonado por carros caros, helicópteros, cavalos e motos aquáticas.

10 outubro 2019 - 13h13Por PORTAL G1

Roniel Cardoso se apresenta em uma rede social como empresário, CEO do Grupo Rony Cardoso e fazendeiro. Ele encerra o miniperfil com uma mensagem de fé: "Deus é fiel". Com 157 mil seguidores, nesta quinta-feira (10) o empresário foi preso pela manhã em uma operação das polícias do Rio de Janeiro, Maranhão e Brasília que mira quadrilha especializada em aplicar golpes em servidores.

Segundo a investigação, o bando que Roniel integra é suspeito de cometer ao menos quatro modalidades de crimes: associação criminosa, estelionato, crime contra a ordem econômica e relações de consumo e lavagem de dinheiro. O grupo criminoso é suspeito de conduzir um esquema conhecido como "pirâmide".

A Justiça também determinou o bloqueio de R$ 50 milhões dos suspeitos. Roniel Cardoso dos Santos foi preso em casa, no Anil, em Jacarepaguá, Zona Oeste do Rio. Com ele a polícia encontrou dinheiro em espécie.

A operação busca ainda outros cinco suspeitos e cumpre 36 mandados de busca e apreensão em endereços em São Paulo, Brasília e Maranhão.

 
Ronei em hotel de luxo na orla de Ipanema, no Rio — Foto: Reprodução/Instagram

Ronei em hotel de luxo na orla de Ipanema, no Rio — Foto: Reprodução/Instagram

No Instagram, é possível dizer que Roniel, ou Roni, tem um número considerável de pessoas que o acompanham. Viagens internacionais, carros de luxo, helicópteros, cavalos e motos aquáticas são paixões do empresário, que inclusive esteve no Rock in Rio, que terminou no último domingo (6).

Alguns dos destinos salvos por Roniel no Instagram incluem capitais europeias: Amsterdã, na Holanda; Bruxelas, na Bélgica; e Londres, Inglaterra. No Brasil, o empresário também tem registros de passagens por Recife, Rio de Janeiro, São Paulo, Belo Horizonte e Fortaleza.

 
Ronei em moto aquática — Foto: Reprodução/Instagram

Ronei em moto aquática — Foto: Reprodução/Instagram

 

Golpes em servidores

O inquérito policial apontou que o bando visava, principalmente, aplicar golpes em servidores públicos. O objetivo da quadrilha era convencer as vítimas a contratar empréstimos consignados e, em troca, prometia ganhos extraordinários que segundo a polícia eram "incompatíveis com a realidade do mercado".

A investigação também indicou que os valores investidos pelas vítimas era reaplicado pelos empresários para que eles mesmos se beneficiassem. As benesses incluíam viagens ao exterior e até o lançamento de campanhas políticas.

Dos 36 mandados de busca e apreensão, quatro tinham como alvo a sede de empresas que, de acordo com os investigadores, foram abertas para aplicar os golpes.

A equipe de reportagem não conseguiu contato com a defesa dos investigados.

 
Ronei em viagem à Europa — Foto: Reprodução/Instagram

Ronei em viagem à Europa — Foto: Reprodução/Instagram

DENUNCIE VIOLENCIA CONTRA A MULHER

Deixe seu Comentário

Leia Também

Milicia
Brasileiros apontados como principais fornecedores de armas e drogas para facções são presos no Paraguai
Política
Ciro Gomes sobre Luciano Huck: “Chega de mandar estagiário para a Presidência”
Capital
Homem é morto na frente de casa com seis tiros em bairro de Campo Grande
Internacional
Tufão Hagibis causa dezenas de mortes no Japão
Jogo de ontem
Zagueiro Marquinhos reconhece atuação ruim da seleção em Cingapura
Interior
Ao sair de festa, jovem é abordado por 10 rapazes e esfaqueado em Aquidauana
Polêmica nas redes sociais
Eduardo Bolsonaro ironiza sigla LGBT em camiseta
Caixa das laranjas
Notas fiscais reforçam a suspeita de caixa 2 na campanha do PSL de 2018
Campo Grande - sem efetividade
Trad não consegue evitar aumento de acidentes
Justiça
Justiça determina que governo contenha avanço de óleo em Sergipe