Menu
Busca Seg, 16 de setembro de 2019
(67) 9.9928-2002
Supremo Tribunal Federal do Brasil

Barroso é duro com os pequenos e maleável com os poderosos

13 junho 2019 - 11h00Por Plantão de notícias

O ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal, extinguiu a punibilidade da ex-presidente do Banco Rural Kátia Rabello e do ex-vice-presidente José Roberto Salgado, ambos condenados por envolvimento no esquema do mensalão.

Nas duas decisões, Barroso se baseia no decreto de indulto natalino assinado pelo então presidente Michel Temer. O decreto foi contestado no Supremo, teve os efeitos suspensos pela ministra Cármen Lúcia, mas foi mantido pela maioria do plenário do STF. Contra o voto de Barroso.

Kátia Rabello havia sido condenada a 14 anos e 5 meses de prisão por lavagem de dinheiro, evasão de divisas e gestão fraudulenta de instituição financeira, enquanto José Roberto Salgado foi condenado pelo STF a 14 anos e cinco meses de reclusão, mais 386 dias-multa na Ação Penal (AP) 470 pelos crimes de gestão fraudulenta de instituição financeira, evasão de divisas e lavagem de dinheiro.

O ministro ressaltou o decreto de Temer nas duas decisões, assinadas nesta terça-feira (11/6). “Considero próprio registrar que o ato normativo em análise não segue o padrão usual, praticado de longa data, conforme observado pelo Procurador-Geral da República”, disse Barroso. “Ao contrário de decretos anteriores, o benefício previsto alcançou também crimes contra a administração pública, inclusive os de corrupção ativa e passiva, os praticados contra o sistema financeiro nacional e os de lavagem de dinheiro e ocultação de bens”, prosseguiu.

“Ao assim proceder, entendo que o presidente da República exorbitou de sua competência constitucional, incidindo o decreto em inconstitucionalidade por violação ao princípio da moralidade, ao princípio da separação dos Poderes e ao desviar-se das finalidades do instituto do indulto, bem como em razão do descumprimento de deveres de proteção do Estado a valores e bens jurídicos constitucionais que dependem da efetividade mínima do sistema penal”, acrescentou.

Como o Supremo negou a tese de inconstitucionalidade do decreto, Barroso não teve outra opção, ele anotou, a não ser extinguir a punibilidade dos dois ex-dirigentes do Banco Rural.

Categorias: Do Supremo

Deixe seu Comentário

Leia Também

246 KG
Com 246 kg, homem pede socorro e inicia tratamento para fazer cirurgia: 'Não consigo sair com minha família'
Caso raro!
Um redemoinho de fogo assustou produtores rurais na região rural de Santa Helena de Goiás
Economia
Preço do petróleo sobe após ataques na Arábia Saudita
Campo Grande
É o civismo pré-campanha eleitoral dos Vereadores da capital.
Sequestro
Pai pede para segurar bebê e sequestra criança em praça em MS
Interior
Fogo atinge fazenda de Bodoquena e avança em direção à área urbana
50 TIROS
Casal e criança são mortos com cerca de 50 tiros, em Ponta Grossa
Política
Bolsonaro fala sobre julgamento envolvendo autor de facada
Briga causada pelo dinheiro
MS: Homem que matou amigo por causa de moai vai para prisão domiciliar com tornozeleira
Política
Deputado banca bebida alcoólica com dinheiro público